VIDA ACADÉMICA | O Brio Profissional

Em todos os trabalhos - incluindo o de estudante - há sempre coisas que não gostamos de fazer. Mas seja uma tarefa em particular ou uma disciplina que não nos chama tanto a atenção, temos de a fazer e temos que dar o melhor de nós mesmo quando a detestamos, por mais que não seja por uma questão de ego ou, lá está, de brio profissional. Sempre me ensinaram que, para fazer mal de forma propositada, mais vale não fazer. Quando se faz alguma coisa, somos moralmente obrigados a dar o nosso melhor ainda que tenhamos que fazer o dobro ou o triplo do esforço para o concretizar, especialmente quando as nossas acções afectam terceiros.

Infelizmente, nem toda a gente se sente "moralmente obrigado" a dar o seu melhor e isso verificou-se ontem quando na pauta referente ao exame de História A os melhores alunos da escola tinham notas que não correspondiam à sua prestação ao longo dos últimos três anos. Foi-nos aconselhado que pedíssemos a cópia da prova (mesmo aqueles que não eram alunos fantásticos) e que a mostrássemos à nossa professora porque, verdade seja dita, a nota mais alta era um 15 e isso não é normal. Nessa pauta, tive uma nota equivalente a 14,3. Toda a gente que me conhece sabe que História A sempre foi o meu calcanhar de Aquiles e que nunca tinha passado do 16 por isso não fiquei admirada, apesar de ter ficado indignada com uma nota que terminava em três décimas. E como eu houve muitos alunos em situações semelhantes. Qualquer coisa ponto três décimas, qualquer coisa ponto quatro décimas. No entanto, eu podia, efectivamente, merecer isso e portanto não liguei muito. 

Entretanto a minha professora pediu para lhe mostrar a prova para ver se a reapreciação da mesma me poderia dar, pelo menos um, 14,5 - já que essas duas décimas fariam toda a diferença e eu precisava de manter a nota com que fui a exame. Fi-lo sem grandes esperanças, até porque ter 14,3 num exame nacional de História, para mim, já era sorte a mais. Tentei na mesma e, para minha grande (mas mesmo muito grande!) surpresa, a minha professora, sendo ela também correctora de exames e, portanto, estando bem ciente de todos os critérios, disse que a minha prova valia não 14,3 mas sim 16,6, retirando pontos de uma das perguntas e tudo! Referiu que várias questões deviam ter sido contabilizadas num dos níveis superiores à excepção dessa em que, por acaso, o professor corrector até me tinha dado mais do que aquilo que eu merecia. Mas se até com essa ajuda, o valor que me foi atribuído ficou aquém da minha nota real... O que se passou? Havia alguém chateado com o mundo? Os critérios são bem claros e as indicações dadas aos professores correctores também por isso... Como é possível haver uma discrepância destas? Falo deste caso porque é aquele que conheço realmente mas acredito que aconteça noutras disciplinas também. 

Mas se isso tivesse sido só comigo, okay. Podia até ter sido um erro ou uma contagem mal feita... Os professores, antes de serem professores, são humanos e não seres mecanizado. Obviamente que tenho plena noção disso. Para o tipo de aluna que fui nos últimos três anos, pareceu-me perfeitamente possível tirar a nota que estava explícita na pauta. No entanto, a situação não foi bem assim. Alunos de 20 a terem 14? Alunos de 19 a terem 12? Um aluno de 19 a tirar 9? É, no mínimo, estranho! Hoje o dia foi passado na escola e a professora de História A foi mais prestável do que nunca. Mais ou menos metade dos alunos que fizeram exame fotocopiaram as provas e tiveram uma longa tarde pela frente. O resultado foi o que se previa: subidas de quatro valores ou até mais. No meu caso foram cerca de dois valores mas o meu namorado passaria de 14,3 para 18,3 caso o seu exame tivesse sido bem corrigido da primeira vez. Isso admite-se? Uma colega minha ser avaliada com 10,4 quando, na realidade, merecia 16,1? Um aluno com 9 num exame que lhe podia dar 15? São diferenças abismais e amanhã entregaremos todos o pedido de reapreciação de prova. Esperaremos as notas destes recursos até dia 1 de Agosto (se não me engano) e aí sim, os professores da escola (que estão tão indignados como nós porque, ao que parece, já não é a primeira vez que isto acontece em tanta quantidade!) decidirão se fazem uma participação destinada ao professor corrector ou não.

É em casos como estes que o brio profissional deve estar sempre presente. Custava alguma coisa ao professor corrector ter seguido as orientações que lhe deram? Custava alguma coisa seguir os critérios de correcção de exames? É para isso que eles existem e são tão apertados para não haver distâncias assim, de quatro e cinco ou até seis valores! Há maus profissionais em todos os trabalhos e nós, desta vez, tivemos o azar de termos exames lidos e avaliados por um deles. Agora é esperar por Agosto para saber a nota definitiva. Estava contente com a minha nota por ser melhor do que aquilo que eu esperava mas saber que o meu estudo intensivo e ultra-doloroso podia ter recompensa e não teve é frustrante. Provavelmente a minha nota de recurso não chegará a 16,6 mas confesso que me deu gosto saber que fui capaz de fazer um exame de História A avaliado com um 17 pela minha professora, que faz sempre testes com critérios de exame nacional. É uma missão cumprida após três anos a batalhar contra a disciplina. 

Quem merece toda a gratidão do mundo é a minha professora, que viu os nossos exames durante uma tarde inteira e ainda os levou para casa - para conseguirmos preencher o pedido de reapreciação de prova com um texto argumentativo e uma fundamentação bem feitos - sem receber horas extraordinárias ou um aumento de salário. Como disse, há maus profissionais em todo o lado e ainda bem que estão em minoria porque, realmente, se situações destas acontecessem com maior frequência, provocadas por pessoas que não se incomodam nem com os colegas de profissão (porque alguém diferente terá de corrigir as provas de novo, certo?!) nem com os alunos, estávamos todos feitos ao bife. No entanto, eu acredito que pessoas assim acabem por se dar mal na vida mais tarde ou mais cedo. Falta de profissionalismo só se tolera até um certo ponto e eu só espero honestamente que se faça justiça e que todos os meus colegas tenham a nota que merecem. Enfim. Desejem-nos sorte para este recurso! E que não nos calhe outra peça destas, por favor!

20 comentários:

  1. Fiquei absolutamente chocada e não tenho comentários. Que raio de fenómeno é que vos comeu tantos pontos? Santa paciência... Muita sorte para ti e os teus colegas!

    ResponderEliminar
  2. Eisch, isso foi um azar e tanto! :o realmente a tua professora foi fantástica :) também acredito no karma... Detesto pessoas incompetentes!

    ResponderEliminar
  3. Quem fala assim não é gago xb
    Tens toda a razão Carol!

    ResponderEliminar
  4. Que sorte em ter uma professora assim!

    Participa no giveaway do meu blog:

    http://freesubmarine.blogspot.pt/2013/07/giveaway-1-volta-e-meia.html

    ResponderEliminar
  5. Sem dúvida que fizeram bem em pedir o recurso e a vossa professora foi incansável! Não obstante das notas que vos apareceram, muitos parabéns a todos, inclusive à professora. Espero que tenham o sucesso que merecem :D

    ResponderEliminar
  6. Olha que realmente existe com cada um! Eu tive a sorte de nunca apanhar num desses maus profissionais. A tua professora foi incansável, é bom quando temos professores assim. Não vais esperar para saber o resultado da reapreciação da prova que fizeste? Ou já estás mesmo decidida a ir a recurso?

    ResponderEliminar
  7. Oh tens razão claro, já estava a confundir com os recursos da faculdade :p Vais ver que vai correr tudo bem desta vez!

    ResponderEliminar
  8. Na minha altura, as notas a História nos exames nacionais também foram péssimas, na minha escola inteira só houve 3 positivas... Eu que era uma aluna de 17 só tirei 12... A minha professora não se importou minimamente, disse que as correcções era subjectivas e que não deviam ser discutidas. Tens sorte em poder contar com todo o apoio da ta professora. :)

    ResponderEliminar
  9. Tanta diferença??? Credo, esse é mesmo um mau profissional... Poxa!
    A vossa professora foi super querida :)

    ResponderEliminar
  10. Bem que história! Essas diferenças são enormes e como foi a mais do que uma pessoa é super estranho! Boa sorte :)

    ResponderEliminar
  11. Eu espero que com esses recursos consigas subir a tua nota para o valor que mereces! Infelizmente esses maus profissionais acabam por prejudicar o futuro das outras pessoas, é tão injusto :s

    ResponderEliminar
  12. Que horror!!!!!!!
    Na minha escola também anda a haver problemas com o exame de Física e Química, amanhã vou buscar o exame para a minha explicadora ver se há algum engano na correção.
    Boa sorte, mereces ter esse 17! ^^ *

    ResponderEliminar
  13. Eu também fiquei um pouco surpreendida com a minha nota, visto que o exame me correu super bem e eu, que ia com 19, tirei 16.5. Mas como a nota não me faz uma grande diferença na média, nem pedi a fotocópia do exame. Espero que o teu pedido de recurso tenha um bom resultado! :)

    ResponderEliminar
  14. A vossa professora foi mesmo muito simpática. :)
    Infelizmente, o mesmo aconteceu na minha escola, mas a minha professora não mostrou o mínimo interesse em nos ajudar. De qualquer forma, também pedimos para consultar a prova e quase de certeza que também vamos pedir a reapreciação da mesma. Espero que consigas o 17, esforçaste-te imenso e mereces que o teu esforço seja recompensado. Boa sorte. :)

    ResponderEliminar
  15. Tal como já te disse, na minha escola está a ver problemas com Física E Química A e há diferenças de pelo menos 2 valores - as quais fazem toda a diferença. É lamentável que isto aconteça. Se fosse um caso isolado, ainda se compreendia, como disseste... Agora sim!
    Desejo-te muita sorte, Carolina! Independentemente da nota que tirares, acho que bateste sem dúvida a disciplina de História! :D O esforço é sempre recompensado!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  16. Demasiada burrice ou erros desse género, o que é certo é que a nota mais alta a matemática A na minha escola foi um 10 !

    Boa sorte para o recurso !

    ResponderEliminar
  17. É realmente uma diferença enorme! Eu o único 'problema' desses que tive foi com o meu exame de português do meu ano, tive uma diferença de 3 valores que me baixava a nota e consequentemente a média! Mas a coisa com o recurso foi resolvida :D Boa sorte!

    ResponderEliminar
  18. Confesso que isto chocou-me! A sério não entendo como é que alguém pode ser tão leviano a fazer uma coisa que pode decidir o rumo de outra, neste momento imensos alunos estão nas mãos dos exames nacionais e nas notas que obtêm neles, é mais que importante que isto não aconteça, porque nos casos que aqui dizes são diferenças de valores e não de décimas! sinceramente acho uma vergonha isto ter acontecido e espero que não se repita :|

    Boa sorte para os próximos**

    ResponderEliminar
  19. Por favooor faz um post sobre a tua preparação para o exame de história. O que fizeste e tudo mais. Tenho exame este ano e só de pensar já fico com borboletas :// Pleaaase, beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A minha preparação foi muito simples. Uma vez que a minha Professora sempre fez testes com critérios de Exame Nacional e sempre focou as matérias mais pertinentes, guiei-me pelas avaliações dela, pelos resumos que fui fazendo enquanto estudava para cada teste e pelo livro de preparação para Exames de História A (na altura deu-me imenso jeito, não sei como são as novas versões mas recomendo imenso!). Depois de tudo estudado, fiz alguns exames de anos anteriores, apenas para me familiarizar com o formato da prova e o tipo de questões :)
      Boa sorte!

      Eliminar