POLÍTICA | O Aumento da Escolaridade Obrigatória

Há muita gente que discorda de mim quando eu digo isto mas a verdade é que, para mim, a escolaridade obrigatória até ao décimo segundo ano é um absurdo. São politiquices da treta que servem para estatística e pouco mais. Nem toda a gente quer andar na escola, nem toda a gente se pode dar a esse luxo e há gente que preferia (ou que tem a necessidade de) trabalhar no final do nono ano. Há pessoal que não tem capacidade para prosseguir os estudos (sejamos realistas, há pessoas que não dão mesmo para mais!) e que se anda a arrastar de ano em ano no ensino básico. Para quê contrariar? Isso não devia ser uma lei mas sim uma opção de cada família e claro, de cada indivíduo. Devia ser uma decisão tomada consoante os objectivos de vida e as capacidades de cada um.

Afinal, que obrigatoriedade social é esta de ter um curso superior? Nem toda a gente tem de ir para a faculdade e esta ideia só prejudica quem lá anda. Nem toda a gente pretende ser médico, advogado, jornalista, psicólogo, engenheiro ou arquitecto. Há muitas outras profissões de valor que, neste momento, têm muita mais saída exactamente porque ninguém as quer. Porque é que é obrigatório tirar Engenharia Mecânica ou Ciências Farmacêuticas quando o sonho é trabalhar numa oficina ou ser carpinteiro? Porque é que não se aceitam os cursos profissionais da mesma forma que se aceitam os canudos no fim dos três anos de faculdade que, neste momento, também não facilitam a nossa empregabilidade? Porque é que se olha de canto para quem diz que não vai para a Universidade?

Um dos problemas deste mundinho é exactamente esse: a exigência dos títulos. A presença dos "Dr" e dos "Eng" antes do nome só complicam tudo... Há tanta boa gente no mundo que não precisa de um título para se sentir concretizada...! Digam-me lá, com toda a sinceridade: é preciso o décimo segundo ano ou uma licenciatura para isso? Não, não é. Aumentar a escolaridade obrigatória não traz felicidade a ninguém. Traz boas estatísticas para o país, que é o que importa, não é? De que adianta ter um país em que a maior parte das pessoas tem o décimo segundo ano (daqui a uns aninhos será toda a gente!) se não houver pessoas realizadas?

Não entendo e não concordo com esta medida. Quando fui para o décimo ano isso não era obrigatório e eu fui na mesma porque queria ir e porque, na minha família, fazia sentido ir. Quem quer prosseguir estudos, vai fazê-lo sendo, ou não, obrigado a isso. Eu não andei lá contrariada, a arrastar-me de ano em ano e, na minha opinião, que vale o que vale, é assim que tem nexo. Se no fim do nono ano querem ir trabalhar, força! Para quê dar lugar e gastar dinheiro público com quem não quer essa realidade?

11 comentários:

  1. Também sou contra a escolaridade obrigatória até ao 12º ano! O ensino secundário chama-se "secundário" por alguma razão... Deve ser encarado como uma preparação para o ensino superior e, ao torná-lo obrigatório, só o tornam pior. E é como dizes, não temos todos de ir para a universidade.

    ResponderEliminar
  2. Concordo contigo. Totalmente, não faz sentido, até porque há pessoas que não tem capacidade para continuar. É estar a gastar tempo e dinheiro quando não é necessário.

    ResponderEliminar
  3. Também sou da mesma opinião. Apesar de ter um blogue sobre o ensino superior, sou 100% defensora de que ninguém deve tirar um curso sem ter vocação. O aumento da escolaridade obrigatoria, a crescente criação de cursos, etc também tem sido responsável pelo aumento do desemprego visto que com o exponencial aumento do nº de licenciados, não há postos de trabalho para tantas pessoas formadas e começará cada vez mais a haver falta de pessoas com as profissões mais básicas - mecânicos, eletricistas, carpinteiros, mulheres-a-dias, jardineiros, etc. Todas as profissões são essenciais ao nosso dia-a-dia quer tenham maior ou menor estatuto na sociedade.

    R: estas mochilas que eu apresentei no post têm todas uma partição especial para o computador, daí terem um formato estranho porque são tão grandes, e têm uma almofada extra na zona das costas, não sei se era em relação a isso que te estavas a referir....

    ResponderEliminar
  4. eu concordo contigo e vejo pelo meu irmão que tem dificuldades. Chumbou no 4º ano e chumbou agora no 9º e como não consegue fazer o ensino básico no ensino normal tem de ir para o profissional. E se ele não se esforçar um pouco também vai andar a "passear" no secundário que também vai ser no profissional. Acho mesmo absurdo obrigar as pessoas a andar na escola. É como obrigar a comer a sopa de que não gostamos quando somos pequenos.

    Eu ando na escola porque quero e não porque sou obrigada porque quando acabei o 12º ano quis mais, não quis ficar por ali mas não o faço para me chamarem da Doutora ou Engenheira. Não ligo a esses nomes e até aos meus professores que sou todos doutorados não os chamados de Doutor X ou Doutora Y. É sempre Professor ou Professora.

    Mas este país é assim. É só para iludir os números e as pessoas qua fazem essas estatísticas. Foi como as Novas Oportunidades, também foi para as estatísticas mas apesar de tudo ainda houve quem levou aquilo a sério, tipo a minha mãe que sempre quis voltar à escola e fez o 9 e o 12º ano. Agora diz com orgulho que é empregada doméstica com o 12º ano. E sente-se feliz. Mas costuma dizer cá em casa que se lhe der na cabeça mete-se numa licenciatura porque ela diz que gostava de aprender mais.

    ResponderEliminar
  5. Eu faço parte do grupo de pessoas que concorda contigo. É que ainda por cima, quem lá não quer andar, muitas vezes, prejudica os que querem, de facto, aprender!

    ResponderEliminar
  6. Concordo plenamente contigo! Não somos todos iguais e cada um é bom no que é! Eu posso ser boa a FQ ou Mat e posso sentir-me realizada a estudar mas outra pessoa pode ser boa em coisas mais praticas e não ter grande capacidade de concentração e estudo e isso não tem mal nenhum! Precisamos tanto de um electricista como de um professor, contudo as pessoas acham que ser professor é mais "digno". É uma estupidez completamente
    R: Vamos ver se consigo ver os amigos xD

    ResponderEliminar
  7. Concordo contigo. Existem pessoas que não tem possibilidades para continuar na escola e que preferem ganhar dinheiro visto que a escola só enriquecemos com conhecimentos, enquanto o emprego ganhamos dinheiro, e digamos lá, a vida sem dinheiro não é vida... Por mais que as pessoas o neguem, não conseguiriam viver sem dinheiro e sim, o dinheiro traz felicidade. Eu era muito mais feliz com um computador novo, uma casa enorme e etc, tudo bem, não é tudo, mas é parte. Para não falar que as pessoas deveriam escolher o que querem da vida delas! :)

    ResponderEliminar
  8. Ridiculo isto. acabam com os cursos comerciais, industriais e profissionais e depois esperam que todos façam o mesmo sem vocação para isso. Já não és nada se não tiveres um cargo de dr... ninguem acha que vales a pena mas vendo bem os grandes empresários não costumam ter licenciaturas sequer... Curioso não?

    ResponderEliminar