Thirteen

VIDA ACADÉMICA | A Escolha dos Padrinhos Académicos

Como alunos do primeiro ano (frequentadores da Praxe) temos direito a escolher os nossos Padrinhos Académicos. Para além de nos acompanharem nas tradições da Universidade (como o baptismo, o traçar da capa ou a imposição de insígnias), os Padrinhos funcionam também como tutores, como amigos próximos e claro, como números de emergência dentro da faculdade. Há universidades em que se pode escolher um Padrinho e uma Madrinha, outras em que as meninas escolhem um Padrinho e os rapazes uma Madrinha e outras, como é o caso da minha, em que podemos escolher um Padrinho ou uma Madrinha, independentemente do nosso género. Só podemos escolher uma pessoa que tenha pelo menos três matrículas e o pedido é feito através de uma carta que lhe será entregue durante um jantar onde estarão presentes todos os caloiros, todos os doutores, todos os veteranos e claro, o dux (que distribui as cartas e que pode, também, ser Padrinho).

Toda a gente espera que escolhamos a pessoa com quem nos damos melhor mas, para mim, a selecção está ser realmente complicada. Ando aqui às voltas sem saber ao certo o que escrever e não consigo tomar uma decisão porque há imensas pessoas que me dizem muito. Consegui reduzir a lista até ficar com duas pessoas (ironicamente, um possível Padrinho e uma possível Madrinha) mas tenho uma carta para escrever e convém que me decida rapidamente porque tenho que a entregar amanhã. É bom quando há tanta gente que nos faz sentir bem, que nos ajuda e que se preocupa connosco mas escolher uma pessoa implica não escolher os outros. Porque é que não nos deixam ter um Padrinho E uma Madrinha? Assim já estava decidido!

13 comentários:

  1. Realmente assim torna-se complicado escolher :s

    ResponderEliminar
  2. Na minha também só dá para escolher um padrinho ou uma madrinha :( mas por acaso a minha escolha não foi difícil!

    ResponderEliminar
  3. Good luck! ;)
    R: A série conta a história de Oliver Queen (Stephen Amell), um playboy bilionário de Starling City, que passa cinco anos preso em uma ilha após um naufrágio que põe fim a vida de todos a bordo, incluindo seu pai, Robert Queen, e Sara Lance (Jacqueline MacInnes Wood), irmã mais nova de sua namorada Laurel Lance (Katie Cassidy) e com quem estava tendo um caso. Após seu retorno à Starling, ele se reencontra com a mãe, Moira Queen (Susanna Thompson), e seu novo marido, Walter Steele (Colin Salmon), o antigo CFO da companhia do seu pai e que agora é o novo CEO. Ele também é bem recebido pela irmã mais nova, Thea (Willa Holland), e seu melhor amigo, Tommy Merlyn (Colin Donnell), filho do bilionário Malcolm Merlyn (John Barrowman). Oliver também tenta reencontrar-se com a ex-namorada Laurel, mas ela o culpa pela morte da irmã, Sara, já que ambos estavam tendo um caso no momento do acidente.
    Durante o dia, Oliver finge ser um playboy bilionário; à noite, ele se torna um Vigilante com capuz verde, seguindo os desejos do seu pai antes de morrer, corrigindo os erros da família Queen, lutando contra os males da sociedade e restaurando Starling City à sua antiga glória. O Vigilante, a outra personalidade de Oliver, torna-se o foco do detetive Quentin Lance (Paul Blackthorne), pai de Laurel e Sara, que está determinado a prendê-lo. Ele acusa Oliver como o culpado da morte da filha e de sua esposa o ter largado, embora ele permaneça sem saber da sua verdadeira identidade. Oliver é constantemente acompanhado por seu guarda-costas, John Diggle (David Ramsey), que mais tarde se une a Oliver em sua luta por justiça. Moira também está escondendo alguns segredos, como a sabotagem feita no iate da família e que resultou na morte do marido.

    ResponderEliminar
  4. Achei essa tradição de escrever uma carta e entregar durante um jantar fantástica! É uma forma diferente do habitual porque não conhecia nenhuma universidade em que fizessem isso. Na minha nem sequer são os caloiros que escolhem os padrinhos. Os doutores ou veteranos é que escolhem os seus afilhados e eu não acho muita piada a isso! Gostava de ter tido a oportunidade de escolher os meus padrinhos e gostava que alguém me tivesse escolhido para madrinha e não ter sido eu a escolher os dois caloiros que já baptizei. Mas pronto, até escolhi bem os meus afilhados e tive sorte com os padrinhos que me escolheram :)

    ResponderEliminar
  5. Através de toda experiência praxista que tenho aconselho-te a ponderar muito bem em quem vais escolher. Nem sempre quem está ao nosso lado a mostrar simpatia gosta de nós, infelizmente existem pessoas que parece que gostam de contabilizar afilhados e é preciso ter cuidado com essas pessoas. Por incrível que pareça, por vezes aquela pessoa que nos está sempre a massacrar a cabeça e a praxar-nos é a que se importa realmente connosco.. portanto, pondera muito bem. Boa sorte ;)

    (sigo-te!)

    ResponderEliminar
  6. Na minha podemos ter vários padrinhos/madrinhas. Eu tenho duas madrinhas mas há colegas minhas que têm 3 e 4 madrinhas :)

    ResponderEliminar
  7. eu tenho um Padrinho, e não foi nada difícil, é por isso que agora é meu namorado. :P

    mas também tenho uma Pseudo-Madrinha, que não é bem bem bem oficial mas é muito fofinha. :)

    ResponderEliminar