VIDA ACADÉMICA | A Atribuição das Bolsas de Estudo

Até há uns meses atrás eu criticava as demoras nos processos de atribuição de bolsas de estudo. Apesar de nunca me ter candidatado a uma, via os meus amigos a desesperar sem saber ao certo se poderiam continuar a estudar e isso, para mim, era torturante. Nessas alturas só queria entrar na secretaria, espetar com os papéis todos na cara da assistente social e exigir uma resposta em nome deles. Para mim era ridículo que, depois de trezentos documentos e mil e uma provas ainda continuassem a exigir mais certificados, mais papéis e mais comprovativos. Era ridículo que uns processos demorassem mais que outros quando a necessidade de bolsa de estudo era mais do que óbvia. No entanto, agora penso de forma diferente e, de certa forma, compreendo a necessidade de tantos comprovativos. Continuo a achar que as senhoras dos gabinetes podiam dar corda aos sapatinhos e despachar os processos de forma mais eficiente mas pronto, isso é tema para outra publicação.

Enquanto acompanhava o desenrolar dos processos dos meus amigos mais próximos acompanhei também as candidaturas de outras pessoas que me fizeram mudar de opinião relativamente a este tema das bolsas de apoio fornecidas pelo Estado. Vi pessoas com rendimentos altíssimos (assim a cair para o exagero mesmo!) a candidatarem-se à bolsa, a fazerem-se de coitadinhos e a fazer mil e uma falcatruas como se isso fosse a coisa mais natural do universo. Ouvi pessoas a dizerem, sem qualquer problema, que tinham direito à bolsa porque só um dos pais é que declarava aquilo que recebia e portanto o que estava declarado no seu agregado familiar não chegava para pagar as propinas. Vi pessoas indignadas, a fazerem choradinhos e a serem completamente falsas mas a saírem dos gabinetes de apoio ao aluno a rir enquanto sentiam que tinham enganado mais um palerma de bom coração. Vi pessoas a candidatarem-se a três bolsas em simultâneo (sem necessidade sequer de uma!) só para ficarem com aquela que lhes dava mais dinheiro em cada mês. Mas pior, vi essas pessoas a comentar tais falcatruas de forma natural e a obterem as bolsas de apoio mais depressa do que aqueles que realmente precisam delas.

Vejo os meus amigos que não conseguiram a bolsa (por virem de famílias demasiado honestas que declaram tudo o que recebem) à procura de emprego, a terem cuidado com as compras, com os lanches, com as viagens de autocarro e os gastos enquanto que os meninos que recebem bolsas de apoio ao estudo vão às compras todas as semanas, raramente vão às aulas, utilizam telemóveis topo de gama e têm carrinho próprio porque o dinheiro vai para todo o lado menos para as propinas. Vejo os que não têm bolsa a esforçarem-se para completar os estudos apesar das dificuldades e vejo os que a recebem a fazer o curso em dez anos e a roubar dinheiro aos contribuintes. Que justiça é esta?! Que situação é esta que dá prémios aos que não querem saber e que ajuda os que fogem ao fisco? Apesar de eu saber que é uma medida praticamente impossível de concretizar, para mim as bolsas de estudo deviam traduzir-se em reduções percentuais das propinas consoante aquilo que seria indicado para cada orçamento familiar em vez de se traduzir numa conta bancária recheada. Até podiam ter essa bolsa de estudo sem precisarem dela e até podiam pagar apenas uma pequena percentagem do valor total na Universidade mas pelo menos esse dinheiro não seria utilizado para comprar roupa de marca e gadgets da última geração.

Cada um faz o que quer com o seu dinheiro. Sou a primeira a defender que quem o ganha tem todo o direito de o gastar exactamente como deseja, quer isso envolva doações para instituições de caridade ou compras altamente fúteis para proveito próprio. É algo que me é completamente indiferente e que não me causa inveja ou ódio porque, simplesmente, não me interessa. Ninguém é obrigado a ajudar populações desfavorecidas ou a partilhar a sua riqueza caso a tenha. Se o dinheiro é adquirido através de um talento, de muito trabalho, duma herança ou até mesmo da sorte que é vencer o Euromilhões, esse estilo de vida só diz respeito a quem possui a conta recheada. Se querem gastar o dinheiro da família e andar quinze anos na universidade, força (até ajudam os que querem realmente ter uma carreira!). No entanto, quando o dinheiro chega no formato de bolsas ou subsídios, a história é outra. Quando o dinheiro é atribuído pelo Estado é preciso ter noção do que é, ou não, correcto e aceitável. Continuo a ficar surpreendida com a falta de noção de algumas pessoas e confesso que já estive mais longe de denunciar alguns casos (apesar de nunca me ter candidatado, apesar de nunca me terem passado à frente e apesar disso nada ter a ver comigo). Há pessoas muito mesquinhas e muito egoístas mas eu acredito que o mundo lhes faça frente. O universo vai-lhes ensinar uma valente lição.

Broke

15 comentários:

  1. Vi muitos casos desses. Nem com todos os documentos e provas que eles pedem se conseguem evitar esse tipo de pessoas gananciosas que mesmo tendo dinheiro, querem receber bolsas e conseguem!

    ResponderEliminar
  2. Já passei por isso e chega a uma altura em que dá vontade de desistir.

    ResponderEliminar
  3. É mesmo revoltante. O que mais se vê é alguém que de facto merece a bolsa de estudo a receber a mínima ou a não a receber de todo e as pessoas que têm bastante dinheiro a ocultar rendimentos e conseguirem bolsa de estudo.
    Primeiro, não entendo a necessidade de pessoas bem na vida em terem estas atitudes. Quem tem muito ainda quer ter mais e tirar o lugar a quem realmente precisa...

    ResponderEliminar
  4. E depois vai-se a ver, eu - que naturalmente precisarei mesmo de uma bolsa - ficar sem nada e a ver navios!

    ResponderEliminar
  5. Acontece o mesmo na minha escola e conheço pessoas que recebem a bolsa máxima sem ter qualquer necessidade para isso enquanto eu, ganho mesmo pouco e preciso! A minha mãe é empregada doméstica, o meu pai reformado. Não chega. Também por isso é que voltei a procurar emprego, porque no próximo semestre tenho mais tempo livre e tenho e quero ajudar a minha mãe a pagar-me o aparelho e tudo o que envolve que não é nada barato. O que ganho de bolsa é para pagar as propinas e pouco mais.
    Mas enfim, eu já estou habituada às injustiças deste mundo e esta é uma delas.

    ResponderEliminar
  6. Acho que toda a burocracia das bolsas de estudo é necessário contudo não é 100% eficaz. Este ano vi pessoa a ganharem-na que nem precisavam muito e pessoas que realmente precisam a não receberem nada...mas estamos num pais que incentiva a fuga ao fisco e ainda por temos um ordenamento jurídico que deixa passar levemente estas situações. Isto é um assunto que ultrapassa a esfera acadêmica. Reflete certos ângulos da sociedade portuguesa.

    ResponderEliminar
  7. concordo perfeitamente. não estou dentro do assunto no que toca às universidades publicas, mas sei que na universidade católica a bolsa é atribuída através da redução das propinas mediante a média do aluno, como referes que gostarias que fosse, apesar de neste caso não ter propriamente a ver com o rendimento, mas sim com os estudos em concreto. beijoca*

    ResponderEliminar
  8. Tenho um amigo meu sem bolsa, um ano parado por causa disso porque ficou sem redimentos a meio do ano lectivo e ficou em divida com a universidade e nem capazes de elaborar um plano para o aluno estudar com bolsa e ir pagando a divida. Um aluno de excelencia... que mesmo não estando inscrito tem frequentado as aulas teóricas...
    E vejo gente com bolsa que vem de carro proprio todos os dias que moram ao lado da fac e que resolvem nao fazer cadeiras porque dá trabalho. A vida é demasiado injusta

    ResponderEliminar
  9. É revoltante. Falo mesmo por mim - não que viva mal, com necessidades, mas somos três filhos em casa e, embora hoje os mais velhos já trabalhem, já foram épocas em que os três estudavam, só o meu pai trabalha e nunca tive nada. Somente porque o meu pai é trabalhador independente e temos casa própria. Custou-me muito ver ao longo do tempo pessoas com altíssimos rendimentos e todas as regalias.

    ResponderEliminar
  10. Conheco uma rapariga que não merece a bolsa que tem. Os pais ganham bem e ela tem o descaramento de gastar mais de 50 euros todas as vezes que sai, para não falar que admite roubar dinheiro à avó.

    ResponderEliminar
  11. Eu acho que as pessoas que não precisam de bolsa de estudo deviam deixar de ser tão egoístas e pensar um pouco nos outros... Há pessoas que precisam mesmo de bolsa de estudo e não têm! Isso é revoltante. Eu nunca me candidatei sequer à bolsa de estudo porque tenho noção que há imensas pessoas que precisam mais. Há muitas injustiças na atribuição de bolsas :\

    ResponderEliminar
  12. Por estes lados isso também acontece. Eu tinha direito á bolsa, já que não o meu pai faleceu há uns anos, no entanto nem sequer me candidatei a ela. Não tenho necessidade e felizmente sou capaz de pagar os meus próprios estudos sem ter que recorrer a ajudas do estado. Não me parecia correcto que eu, que não preciso dela, a tivesse e quem realmente a necessita não a tenha.
    Não percebo como grande parte dos bolsistas não percebe isso.

    ResponderEliminar
  13. É realmente uma injustiça e o mais triste é que muitas vezes as pessoas que realmente precisam por vezes não têm porque as bolsas disponíveis já foram outras pessoas.

    Acho que os comprovativos são necessários no entanto não é um sistema eficaz visto que quem tem falta de carácter consegue sempre arranjar forma de alterar a situação.

    Ainda te digo mais, de tudo o que já ouvi o que mais me chegou foi os pais de uma colega que se divorciaram (apesar de ainda estarem juntos) só para que os três filhos tivessem direito a bolsa pois passaram a declarar que os filhos viviam só com a mãe (que era quem tinha o ordenado mais baixo). Sim são 3 filhos a estudar mas digo-te que esse colega era raro o dia que não almoçava e jantava fora e as noites em que não ia sair. Isso para não falar das roupas novas sempre a aparecer e gadgets de último modelo.

    Acho que acima de tudo a educação começa em casa e as pessoas deviam ter o mínimo de consciência e sensibilidade para ponderarem se precisam mesmo.

    Estou no último ano de faculdade e é a primeira vez que vou concorrer à bolsa. E, se me tivesse candidatado, nos anos anteriores teria recebido no entanto a minha mãe sempre me ensinou que enquanto se consegue não se pede e que existem pessoas em situações muito piores e acho que este pensamento que está correcto mas que falta a muita gente.

    (e candidatei paga a totalidade da propina mas quando começar a trabalhar devolvo o dinheiro à Universidade.)

    ResponderEliminar
  14. Infelizmente é uma realidade neste país...e não me parece que vá mudar tão cedo. O pior é que essas pessoas serão os politicos, juizes, doutores de amanhã.

    ResponderEliminar