Law

Ter quatro professoras a Direito do Turismo implica fazer quatro frequências. Na primeira tive 14, vamos lá ver como correm as próximas...

INSTAGRAM | Março 2014

Março sempre foi um dos meus meses favoritos. Os primeiros dias de sol, a dança, as fotografias bonitas e os momentos imprevisíveis são sempre uma constante nesta altura do ano e desta vez não foi excepção. As comidas gordichonas, o desporto, os passeios e as mil e uma ocupações que me deixam verdadeiramente feliz foram comuns e acho que já há muito tempo que não me sentia tão bem (ainda que também tenha tido uns dias piorzitos). Os meus problemas de ansiedade ainda não me deixaram em paz mas há muitas coisas que me ajudam a minimizá-los e, em Março, isso notou-se na perfeição. 

Uma viagem de última hora até Lisboa durante quatro dias (e, no regresso, a felicidade de passar por Aveiro para comprar ovos moles), o concerto dos Silence 4 (que merece uma publicação!), a mudança de tarifário, os jantares, os cafézinhos, os trabalhos intermináveis, o estudo, a compra do traje académico... Tive direito a tudo (incluindo alguns problemas que também fazem parte) e isso faz-me ver que tenho vivido e aproveitado bem os meus dias. Há coisas que supostamente deviam ter ficado para trás que ainda fazem parte do meu quotidiano - e que ainda não fui capaz de eliminar - mas tem sido tudo muito mais fácil e ter os amigos certos ao meu redor é, sem qualquer dúvida, o factor essencial para que eu não perca a minha sanidade mental. Foi um mês preenchido que me trouxe muitas coisas boas que sempre superaram aquelas mais nojentinhas. Agora, que venha a loucura do mês de Abril, a Street Mob Dance, a Páscoa, o chocolate Kinder e os dias solarengos!


Um dia hei-de ir à Serenata Monumental de Coimbra. Não este ano mas um dia.

GUARDA-ROUPA | Habemus Traje!

Não "um" mas sim "O" traje académico. O meu. O que me vai acompanhar durante os próximos anos e momentos significativos. O que me vai proteger da chuva, o que me vai magoar os pés e o que me vai fazer gastar rios de dinheiro em collants que sei que, nas minhas mãozinhas, se vão rasgar com facilidade. Comprei-o hoje. A experiência não podia ter corrido melhor - com um desconto significativo por termos feito a encomenda em grupo - e eu não podia estar mais contente com esta aquisição.  Tive a minha mãe e o meu pai presentes para me encherem de elogios portanto não podia ter pedido mais nada. Para casa comigo vieram os sapatos (da nova geração, almofadados, para nem tudo ser tão horrendo como o aspecto), os collants, a camisa, a gravata, a batina, a saia, a capa, a pasta e ainda três emblemas que não irei coser quando chegar a altura. Quando o vesti parecia uma estudante universitária a sério e, para ser sincera, gostei de me ver assim ainda que aquele conjunto não tenha o formato ideal. Nunca pensei. O traje nacional faz agora todo o sentido para mim e eu sinto orgulho por tê-lo no armário à espera do dia em que o vou poder usar. Será uma verdadeira honra.

No dia 9 de Maio irei trajar oficialmente ao lado das pessoas que me são mais queridas naquela faculdade. Estar em pé de igualdade com as pessoas que me acompanharam ao longo desta nova etapa da minha vida - e que fizeram parte do meu quotidiano duma forma inacreditável - será incrível. Seremos oficialmente um grupo uniforme e isso fascina-me. De saia travada serei apenas mais uma trajada mas farei parte dum grupo sobre o qual sinto orgulho (e que nada tem a ver com as ceitas que a TVI defende a todo o custo enquanto uma música melancólica toca como pano de fundo). A minha primeira Serenata como estudante daquela academia será, sem qualquer dúvida, um momento marcante e viver isso ao lado das pessoas que me fazem ir para a faculdade todos os dias sem resmungar faz todo o sentido. Um dia governaremos o mundo juntos e seremos incrivelmente espectaculares a desempenhar tal tarefa.

Trajes, dos bonitos | Flickr – Compartilhamento de fotos!

As Janelas da Minha Alma. Os meus olhos que mudam de cor e de brilho e que me caracterizam melhor do que qualquer outra coisa.

GOSSIP | A Separação de Chris Martin e Gwyneth Paltrow

It is with hearts full of sadness that we have decided to separate. We have been working hard for well over a year, some of it together, some of it separated, to see what might have been possible between us, and we have come to the conclusion that while we love each other very much we will remain separate. We are, however, and always will be a family, and in many ways we are closer than we have ever been. We are parents first and foremost, to two incredibly wonderful children and we ask for their and our space and privacy to be respected at this difficult time. We have always conducted our relationship privately, and we hope that as we consciously uncouple and coparent, we will be able to continue in the same manner. - escreveu Gwyneth Paltrow no seu site não só em seu nome mas também em nome de Chris Martin. Depois de onze anos de casamento e dois filhos (Apple, de dez anos e Moses, de oito), Chris Martin e Gwyneth Paltrow deixam de ser o exemplo de casal ideal. Resta-nos desejar-lhes felicidades e esperar que chegue uma nova música dos Coldplay.

Love.
🍔🍟🍗

A minha combinação "pseudo-nojenta" favorita reflecte-se através de... Batatas fritas (do McDonald's) e Sundey de Caramelo. Qual é a vossa?

VIDA ACADÉMICA | O Valor do Traje

Por tudo o que mudou, por tudo o que aprendi nos últimos meses e por tudo o que tenho experienciado nesta nova etapa da minha vida, tenho a certeza que não irei "trajar por trajar". Sei que mereço representar aquilo que defendo contrariando os estatutos e a estupidez de quem se acha superior sem o ser. Se há um ano atrás eu dizia que nunca ia vestir aquela saia travada ou calçar aqueles sapatos de velhota, agora sei que o vou fazer com todo o orgulho do universo. Sinceramente, quero ter a oportunidade de ensinar a alguém os verdadeiros valores da Academia, da Praxe (mesmo que os transmita fora dela) e do Traje. Quero fazer parte do grupo dos que simbolizam a uniformidade e quero mostrar ao mundo que o poder não se baseia na roupa mas sim no conjunto de ideais que a envolvem.

Afirmo também, sem hesitar, que o Traje Académico Nacional faz sentido para mim. Tenho plena noção que defendo os valores correctos e sei que os terei bem presentes sempre que abotoar os botões da camisa branca antes de pedir ao meu pai que me faça o nó na gravata que levarei ao pescoço. Sei que verei sempre aquele coordenado como "O" Traje e não como "um" traje qualquer. Sei que, aos meus olhos, será sempre um todo e é com alegria que digo que, neste momento, faz todo o sentido para mim ter a oportunidade de trajar ao lado das minhas pessoas.

E como estamos na altura das aquisições académicas, o meu conselho é só um: se não se identificaram com aquilo que acabaram de ler, não o comprem. Não sejam "atrajados mentais" (a melhor expressão que a Helena usa!) que vestem o fatinho preto sem lhe atribuirem o sentido incrível e especial que ele merece. O traje não serve para nos dar poder nem estatuto e é, também, uma responsabilidade. Lembrem-se disso.

Choices, choices, choices | via Tumblr
✿ S h i n y ♔ B e t t y ✿

Não gosto nada do novo layout do Facebook. É demasiado "tumblresco" para mim.

CINEMA | Amanda Knox: Murder On Trial in Italy [2011]

O argumento de "Murder on Trial in Italy" foi realizado para a televisão (mais precisamente para o canal Lifetime) e acabou por se tornar numa longa-metragem interessante que tem o objectivo de pôr as pessoas a pensar sobre o que realmente aconteceu numa história verídica que envolve estudantes no estrangeiro e um homicídio. Será que Amanda foi mesmo responsável pela morte de Meredith? Será que o seu namorado foi cúmplice? Será que há personagens envolvidas que nunca levantaram qualquer suspeita? A dúvida está sempre presente. Não é um filme incrível mas faz-nos questionar tudo. Obriga-nos a pensar sobre as notícias que foram sendo divulgadas nos últimos anos, causa-nos confusão e obriga-nos, ao mesmo tempo, a tirar as nossas próprias conclusões sobre os factos que vão sendo apresentados. Capta a nossa atenção e isso dá-lhe logo uns pontos extra. Um filme tem de me entreter e este conseguiu fazê-lo.

A sua estrutura narrativa - talvez por ter sido um filme criado com o objectivo de ser transmitido no pequeno ecrã - faz-nos lembrar uma reportagem ou até mesmo um longo episódio duma novela mas isso não é necessariamente mau. Por outro lado, os cenários, a imagem e a curta duração dos acontecimentos fazem com que não haja espaço para grandes manobras e, na minha opinião, podemos até dizer que há um tom superficial associado à forma como o conteúdo do filme chega até nós. Não se aprofunda a personalidade das personagens, não se aborda a relação familiar ou de amizade entre elas e não se apresenta nenhum perfil pessoal bem definido sobre ninguém (a personagem principal, por exemplo, vai saltitando entre a imagem de assassina e vítima porque não temos informação sobre a sua mentalidade nem mesmo sobre o seu historial).

Quando o filme termina continuamos com dúvidas relativamente à resolução judicial ideal exactamente como acontece na história da vida real que lhe é correspondente. Houve um crime e essa continua a ser a nossa única certeza mas a verdade é que não fazia sentido inventar um fim para uma história que ainda está inacabada. É um filme que, apesar de tudo, merece ser visto. Não sinto que tenha sido tempo perdido e, apesar de não ter o adorado de morte (humor negro?!), gostei. Fiquei a ter mais conhecimentos factuais sobre este homicídio, pelo menos.



Publicação escrita em parceria com a FOX Life.

Eu disse que estava a ficar doente, desejei boa sorte e recebi esta resposta. Amigos parvinhos são assim.

GUARDA-ROUPA | Pulseira Bimba Y Lola

Recebo sempre um presente dos meus pais pela altura da Páscoa e este ano não foi excepção apesar de ter chegado ligeiramente mais cedo do que o normal. Pedinchei pelo traje académico - que será adquirido este mês se tudo correr bem - mas eles foram mais longe e ofereceram-me também duas pulseiras da Bimba Y Lola que se completam da melhor forma possível e que têm tudo a ver comigo. Não encontrei as duas no website - e sou demasiada preguiçosa para as fotografar - mas achei que valia a pena mostrar aquela que encontrei. Sou completamente apaixonada por pulseiras e ver que estes peixinhos vieram nadar para o meu pulso faz-me sentir sortuda por ter ao meu redor pessoas que me conhecem na perfeição. Esta fofinha é versátil e simples mas diferente e, deste modo, é exactamente aquilo que eu idealizo para os acessórios que me vão acompanhando no meu quotidiano nada monótono. Presto atenção aos detalhes mas odeio exageros portanto parece-me que esta pulseira foi uma excelente opção. Gosto da sua delicadeza. E gosto ainda mais de a ver em mim.

Travel around the world

Se pudessem ir para qualquer lugar neste momento, para onde iriam?

POLÍTICA | A Aprovação do Casamento Precoce e da Violação no Matrimónio

Esta semana foi aprovada no Iraque uma proposta de lei que permite o casamento de meninas de nove anos e a violação das mulheres (independentemente da sua idade) dentro das quatro paredes que definem o matrimónio. O diploma que poderá transformar-se efectivamente numa lei está agora no Parlamento e o facto de ser "um crime humanitário e uma violação dos direitos das crianças" não parece alterar grande coisa nas mentes mesquinhas e vazias que defendem uma coisa deste tipo. Se o diploma for realmente validado apenas o pai da menor terá o direito de aceitar ou recusar uma proposta de casamento para a filha mas a verdade é que isso não protege a maioria das crianças que serão forçadas a casar com homens que, com certeza, terão idade suficiente para serem seus avôs ou, em casos (ainda mais) extremos, bisavôs. Quando casadas, as meninas e as mulheres passam a ser legalmente obrigadas a terem relações sexuais com os seus maridos sempre que estes desejarem e não há uma única cláusula que as proteja. Há quem diga que sim, que há um parâmetro que diz que, nesta situação, será também implementado o direito ao divórcio a partir dos nove anos de idade mas a mim não me parece, de todo, suficiente. Vamos lá ser realistas: que criança de nove anos é que sabe o que é um divórcio se viver numa realidade que não lhe mostra que estar casada com essa idade não é uma coisa assim tão normal quanto isso?! Como é que uma criança pode retaliar a sua realidade se não conhece outra melhor?!

Fui pesquisar mais sobre a "Lei Jafari do Estatuto Pessoal" porque me recusei a acreditar que isto ainda acontecesse em pleno século XXI mas admito que fiquei bastante desiludida. Mesmo que esta ideologia não chegue a ser transformada numa lei definitiva, revolta-me que, num mundo que se diz tão desenvolvido, ainda haja coisas deste tipo a serem colocadas em cima da mesa. Indigna-me que uma ideia destas chegue sequer a projecto-lei ou que tenha oportunidade de ser debatida. Preocupa-me o futuro das pessoas que não chegam à informação e ao conhecimento que lhes dá protecção. Onde é que já se viu legalizar a violação quando existem Direitos Humanos que a contrariam de forma nítida? Onde é que já se viu enviar para o Parlamento um projecto-lei que define as condições da amamentação ou o número de noites que um marido deve passar com cada uma das suas esposas? No Iraque, pelos vistos. Mas que mania é esta de facilitar a poligamia ou de arranjar leis que se traduzem num impedimento à liberdade das mulheres ou num atentado aos direitos das crianças? E porque é que a comunicação social internacional não faz pressão sobre este tema? Porque é que não é um assunto divulgado e criticado se é mais pertinente do que os golos que o Ronaldo marca num jogo do Real Madrid? O Ministro da Justiça iraquiano diz que o projecto-lei oferece "garantias de base para manter os direitos e a dignidade das mulheres" e isso incomoda-me. Como é que ainda há alguém a pensar assim em 2014? Como é que estas pessoas não conseguem ver que este tipo de afirmações vão contra tudo o que a Declaração Universal dos Direitos Humanos defende? Preocupam-me as ideologias radicais que cegam os seus adeptos. Na minha inocência de quem vive no lado ocidental e minimamente civilizado do mundo, apenas pergunto: o que é que estes extremistas andaram a fumar antes de inventarem projectos-lei? Não há outra forma de o dizer: estas situações metem-me nojo.

Same love ...

O meu bilhete para o Optimus Alive diz que eu só vou poder entrar no recinto às 17h01. Mistérios da vida.

CABELO | Escova de Cabelo: Tangle Teezer

Tangle Teezer é uma escova única que desembaraça o nosso cabelo sem qualquer esforço ou dor. Diferencia-se das restantes por ser constituída por dois tipos de dentes maleáveis com dois comprimentos distintos e por ser leve como uma pluma. Para mim, pentear o cabelo (seja molhado ou seco) deixou de ser problema e agora sei honestamente que a Salon Elite (cor-de-rosa e fofinha como não podia deixar de ser) vale cada cêntimo.

Para além de me dar um jeitaço na hora de desembaraçar o cabelo, esta escova ajuda-me a poupar tempo de manhã uma vez que o faz sem grandes mariquices e sem serem precisas as 287 passagens de relaxamento das princesas. É certo que parece uma escova para cães mas acreditem que vale os 14,90€. Não posso confirmar que é boa para todos os tipos de cabelo mas posso dizer-vos que, no meu, funciona na perfeição. As expecativas foram correspondidas e eu ando feliz da vida por não ter que me irritar com os trezentos nós que o meu cabelo decide formar durante a noite. Esta pequena maravilha foi uma excelente aquisição. Recomendo!

Untitled

Dias de sol são sinónimo de boa disposição e passeio. Adoro! Por mim era Primavera e Verão todo o ano.

LUCKY 13 | O Susto da Tarde

Num momento estava a visitar blogues e a criar publicações como faço diariamente e no segundo a seguir já não havia Lucky 13 para ninguém. Oi?! Como assim?! Actualizei a página trinta vezes (que, por ser info-naba, é a única coisa que sei fazer) mas, como é lógico, não resultou. A mensagem era sempre a mesma e já me estava a irritar. Em suma, foi uma hora gasta a tentar perceber o que correu mal. Uma hora comprida, diga-se. Eu não sabia ao certo para que lado me virar ou como alterar esta nova condição de "blogue removido" mas lá decidi procurar mais sobre o assunto (obrigada Google!) e pôr fim a esta parvoíce sem sentido algum.

Quando estava prestes a desistir encontrei um artigo sobre alguém que teve o mesmo problema. A verdade é que na internet há mesmo informação sobre tudo e mais alguma coisa e quando temos alguma dificuldade informática, o mais provável é que alguém já a tenha tido também. Quando procuramos mais sobre um assunto, o mais provável é que alguém já tenha escrito sobre ele. A partilha de informação é o que mais me fascina no mundo dos blogues e, curiosamente, foi num blogue de informática que encontrei a solução. Ao que parece, este erro que invadiu a minha vida e que fez o meu blogue desaparecer assim sem mais nem menos é uma coisa mais frequente do que aquilo que eu pensava. Pesquisei mais um pouco e, no final, bastou uma mensagem e um código para confirma que o Lucky 13 não era spam e que merecia manter o seu lugarzinho. Susto ultrapassado. Blogue recuperado. Achavam que se livraram de mim? Não, não! Houve sequelas (como a publicação mais recente que foi eliminada, assim como a pasta dos rascunhos e a única publicação agendada que programei) mas podia ter sido bem pior e portanto o Lucky 13 veio para ficar. Agora vou mas é estudar Direito, que isto não é vida e este problema já me roubou tempo a mais.

dicaprio | Tumblr

E ainda não foi desta que o DiCaprio levou o Oscar. Admito que me ri quando disseram o nome do Mathew!

BLOGOSFERA | Ela Entre Eles

Um blogue que vocês já conhecem mas que eu também visito com frequência. Um blogue que é mais do que um blogue pessoal ainda que o seja genuinamente. Um blogue que cresce a cada dia que passa sem a sua autora dar por isso. Um blogue que é actualizado com frequência e que retrata todos os dramas e todas as coisas boas da vida duma jovem universitária. Um blogue como muitos outros mas que prima pela diferença por ter uma menina maravilhosa, determinada e com ideias fixas a geri-lo. A Ella é alguém que escreve sem filtros (exactamente como eu faço) e que tem opiniões bem vincadas. É alguém que não lê os textos antes de os tornar públicos sob o risco de perder a coragem ou sob o risco de os alterar o que, mais uma vez, só prova a sua sinceridade. Um blogue simples, directo e repleto de boa disposição. Um blogue que mistura a vida académica dum curso maioritariamente masculino com o bom gosto da Ella, uma apaixonada por moda, por cozinha e por viagens. Um blogue administrado por uma pessoa que possui um sentido estético fantástico no que diz respeito a trapinhos e acessórios. Um blogue que prima pelas palavras únicas e pelos temas versáteis. Uma menina com quem, surpreendentemente, me consigo identificar e com quem adoro conversar. O Ela Entre Eles é, sem mais rodeios, uma paragem obrigatória para quem gosta de todas as coisas boas da vida.


Para mim, o Jeremy Scott falhou redondamente quando se baseou no McDonald's para criar um segmento da colecção da Moschino.