Thirteen

TEMPO DE ANTENA | As Últimas Coisas

""Se ao menos eu soubesse que não ia existir outra oportunidade", mas nós nunca sabemos, não é verdade? Infelizmente, não temos essa capacidade que era capaz de dar jeito para que nunca tivessemos de lidar com os conhecidos "e se's". Nós nunca sabemos das últimas coisas. Não sabemos se este é o último beijo, se aquele é o último abraço ou se aquela foi a última despedida. Achamos sempre que vai haver mais. Achamos sempre que vamos ter outras oportunidades. Despedimo-nos rápido porque estávamos com pressa e tínhamos de correr para apanhar o comboio. 

Lembro-me de uma noite fria em que eu estava de partida no dia seguinte. Despedi-me de uma pessoa com um beijo rápido e virei costas. Passados dois minutos, se tanto, enquanto caminhava fui assombrada por um pensamento rápido: "E se este foi o nosso último beijo?". Acabei por não dar grande importância e segui. Por mil e um motivos (ou só mesmo porque tinha de ser) as condições mudaram e aquele acabou por ser, efectivamente, o último beijo. A partir desse momento sei que disse a mim mesma que nunca mais iria deixar que o mesmo voltasse a acontecer. 

Na teoria parecia simples mas na prática tornou-se absurdo! "Fingir" que cada beijo, cada abraço, cada "coisa" era a última não funcionava. Foi com a experiência que percebi que não podemos querer ter o mundo nas mãos. Há coisas que fogem ao nosso controlo. Agora é raro ir-me embora de um sitio que me fez feliz e despedir-me. Não costumo olhar para trás como fazia em tempos. Tempos em que ficava parada minutos a tentar absorver tudo, o cheiro, a imagem, o toque daquele espaço. Ontem saí da praia e não me despedi do mar. Há uma semana dei um beijo e não o dei como se fosse o último. Soube-me a "ate já". Talvez até nem tenha sido. Talvez tenha sido mesmo o último beijo, mas se foi, foi um bom último beijo."

eleganceisaquestionofpersonality:

http://eleganceisaquestionofpersonality.tumblr.com/

12 comentários:

  1. Os textos da Sofia já me são familiares e sinceramente tive saudades de ler um texto da sua autoria. Ela escreve de forma sincera e sobre temas que de certa forma nos tocam. :)

    ResponderEliminar
  2. Por isso é que temos de aproveitar sempre tudo ao máximo! :)

    ResponderEliminar
  3. Adorei este raciocínio. Muitas vezes encontro-me aprisionada em pensamentos semelhantes. O sentimento de perda de algo importante é uma constante. Por isso, acho que devemos mesmo aproveitar as pequenas coisas. :)

    ResponderEliminar
  4. Aiii, gostei tanto! Sofia, volta a escrever no teu blogue, as tuas palavras são deliciosas!!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  5. É a melhor forma. E a vida regressa e vai e volta de novo...

    ResponderEliminar
  6. Obrigada mais uma vez pelo convite, Carolina e obrigada a todas pelas palavras! Talvez volte a escrever no blog, ando a pensar nisso :)

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito!
    Há que tentar tirar o melhor proveito de tudo. Nem tudo depende de nós, não dá para garantir que será ou não a última vez. :) *

    ResponderEliminar
  8. ai só descubro coisas bonitas por aqui

    ResponderEliminar