O que eu comprei na Black Friday: este eyeliner da Benefit.

INSTAGRAM | Novembro 2014

Novembro foi um mês difícil. Apesar do meu aniversário absolutamente fabuloso, o mês dividiu-se em duas partes e em dois tipos de momentos: os complicados e os fantásticos. Foi um mês instável que, apesar de tudo, me ensinou muita coisa. Talvez Novembro esteja destinado a ser assim: incrível, preocupante, sufocante, cheio de trabalho e de bons amigos.

Recordarei sempre Novembro como o mês em que me partiram o coração mas, este ano, apesar do sufoco, dos momentos menos bons e do medo, foi diferente. Em Novembro completei dezanove anos (e fiz toda a gente sentir-se mal por fazer "só" dezanove anos), tive um bolo delicioso e presentes incríveis, chorei mais vezes do que aquelas que gostaria, senti-me mal em várias situações, fotografei a Barbearia Vasconcelos e a Estudantina de Braga, andei absolutamente exausta - fisicamente e emocionalmente - concretizei alguns objectivos e trabalhei intensivamente para a Faculdade. Foi um mês ambíguo e pouco tranquilo mas com muitas saídas e conversas (algumas de chorar a rir e outras mais sérias). Novembro de 2014 serviu, essencialmente, para preparar trabalhos e sentir quem deve estar ao meu lado. Espera-me um Dezembro de muito trabalho e, com alguma sorte, de muitos risos entre amigos, jantares e música de Natal.


Apresento-vos a música mais ridícula que ouvi nos últimos tempos. Juro que não entendo tantas partilhas!

TEMPO DE ANTENA | Amem-se

"Nos dias de hoje temos assistido a imensos casos de body shaming. Será por culpa das revistas e dos anúncios televisivos que nos mostram mulheres perfeitas e sem qualquer tipo de falha? Da sociedade que nos tenta impingir que determinado tipo de corpo é que é bonito? Talvez. Mas a culpa é também dos que nos rodeiam, sejam familiares, amigos, companheiros, mulheres ou homens. 

Criticar alguém por ser magra parece ser socialmente aceite e parece não existir mal nenhum em dizer “pareces um cabide/esqueleto”; “será que não sofres de anorexia?” mas criticar alguém por ser gorda ou dizer “estás muito gorda”, “pareces uma baleia” já é um tabu, uma ofensa. A sociedade em geral não tem a percepção de que os comentários ou as bocas maldosas doem e podem causar estragos.

Temos de meter na cabeça de uma vez por todas que não existe nenhum tipo de corpo perfeito, isto porque o que pode ser ‘perfeito’ para uns pode não o ser para outros. Todos nós somos reais! Chega de ver frases como “mulheres com curvas é que são mulheres reais”. Então e as outras? São o quê? Plástico? Desenhos animados? Os seres humanos não nascem iguais, ninguém é igual a ninguém. Todos vimos a este mundo com características físicas únicas que nos tornam bonitos à nossa própria maneira. Chega de comparar corpos, chega de querer ter um rabo igual a X ou um par de mamas igual a Y. Não vai acontecer. 

É tempo de começarmos a aceitar a imagem que vemos ao espelho, de amarmos o que temos incluindo os nossos defeitos. Somos únicos neste mundo, nunca vai existir ninguém igual a nós e é isso que faz com que a diversidade seja uma coisa maravilhosa. Afinal qual era a piada se fôssemos todos um bando de clones? Amem-se e amem a figura que vêem em frente ao espelho, seja ela qual for. São felizes? Então que se lixe a opinião dos outros."



Patrícia, TheJuicyGlambition.

Amor é... eu estar a trabalhar num projecto importante e ele preparar chá para mim na caneca que eu quero sempre roubar.

SWEET CAROLINE | "Não Sei"

Tenho dificuldade em comunicar quando o assunto sou eu mesma. É-me muito difícil expressar - através de palavras - sentimentos, emoções e vontades. Pediram-me em jeito de desafio que contrariasse essa tendência e que escrevesse exclusivamente sobre mim e eu cheguei à conclusão que sempre preferi descrever-me através das minhas pessoas. Descrevo-me pelas minhas atiudes, pelas reacções que tenho, pelos momentos bons e maus que passo mas sempre baseando-me nas minhas relações. Afinal, não é isso que faz sentido? Não somos o que somos porque recebemos e damos o que recebemos e damos? Não fazemos o que fazemos por causa das experiências que vivemos? Posso estar completamente enganada mas, para mim, ser capaz de me rever nos meus amigos e na minha família é bom. E defino-me assim.

Sei do que gosto e do que não gosto duma forma quase automática. Sei o que sinto relativamente às minhas pessoas - e àquelas que me são indiferentes - mas não sei descrever sentimentos - nem mesmo quando os tento escrever - quando o assunto sou eu, em exclusivo. Não sei responder quando me perguntam o que se passa e não sei descrever-me para além do aperto no peito e da respiração pesada quando algo está errado. Não sei. Nunca soube. Talvez um dia descubra. Por enquanto, sei o que me faz bem e o que me faz mal. Sei com quem posso contar quando o dia custa mais um bocadinho a passar e conheço os que constroem sem hesitar o meu porto seguro. Se me perguntarem o que sinto sobre mim mesma ou quais são as sensações predominantes, eu não sei responder.

Pink Roses
Mc Donalds vs Burger king

O mundo divide-se entre as pessoas que vão ao McDonald's e as que preferem o Burger King.

ESTÁGIO | Não Gosto Disto. E Agora?

Quando decidi entrar nesta aventura do estágio voluntário fi-lo com o objectivo de enriquecer o meu currículo - praticamente vazio até agora - e com o propósito de conhecer um pouco melhor o mercado de trabalho. No entanto - e apesar de continuar a achar que o sector do Turismo é o meu sector - não estou a gostar desta vertente das Agências de Viagens e isso, de certa forma, preocupa-me. 

Sinto que isto - de ficar todo o dia sentada numa cadeira com os olhos postos no computador ou entre apontamentos e papéis - não podia ser menos Carolina. O Turismo é tão dinâmico e interessante que esta sua vertente, apesar de essencial, me parece chata e aborrecida. Fazer pesquisas de voos, montar pacotes turísticos, trabalhar com códigos, sugerir pacotes de operadores e fazer comparações de hotéis entre mapas e pontos de interesse... Não sei. Não gosto. Não tenho perfil para agente de viagens e o trabalho nada tem a ver comigo ou os meus objectivos profissionais. Espero durante as próximas semanas ser capaz de lidar melhor com as minhas tarefas mas, por enquanto, a minha visão a longo prazo baseia-se numa só acção: vou fugir das agências de viagens de forma supersónica assim que tiver oportunidade.

LUCKY 13 | Pseudo-Pausa

Os últimos dias têm sido complicados (ou uma verdadeira tortura, como preferirem) e por isso as publicações no blogue não têm sido tão pessoais (ou frequentes) quanto isso. Sinto que passei a olhar para este espaço como um refúgio repleto de memórias que valem a pena recordar e, nesse sentido, deixei de registar as coisas menos boas, os problemas e as situações terríveis que me acontecem. Não escrevo sobre as minhas chatices, sobre as discussões ou sobre os dias que pretendo esquecer porque não quero ser um alvo fácil nem quero recordar esses momentos daqui a um ano. E se porventura o faço de forma excepcional, sei que não acontece de forma directa e explícita. Não quero transformar o blogue num muro das lamentações depressivo - nem faz sentido que o seja - portanto prefiro ausentar-me no que diz respeito aos textos mais emotivos, sentimentalistas, pessoais e menos generalistas. Haverá publicações de vez em quando mas não tantas como aquelas a que estão habituados diariamente. Porque se tudo está em pausa, o blogue também deve estar. E é assim que tem nexo para mim.

Moment.
100 Likes | Tumblr - image

Facto: não fumo mas tenho sempre um isqueiro na mala.

COLEÇÃO | Stella McCartney & Canon

No final de 2014 surge a mala ideal para transportar as Matildes deste mundo. Em tons pastel e num formato menos aborrecido que permite que a mala seja usada no nosso quotidiano, Stella McCartney dá vida aos desejos consumistas das fotógrafas (amadoras ou profissionais) que gostam de levar a câmara para todo o lado mas que odeiam bolsas feias em tons de verde tropa e alças que arranham os ombros despidos. 

Chama-se Linda, tem o nome da mãe da designer, faz parte duma edição limitada de mil exemplares e será vendida num pack em parceria com a Canon por 1200 libras. Em Inglaterra a Canon EOS 100D branquinha e a Linda poderão ser encontradas a partir deste mês (no Harrods e no Selfridges) e eu cá acho que vão haver muitas Matildes  felizes pelo planeta fora.


A entrevista sobre a Estudantina de Braga já pode ser vista AQUI.
Candys

Ninguém me quer enviar uma taça cheia de gomas?

FOTOGRAFIA | Estudantina de Braga: O Ensaio

A Estudantina de Braga foi criada em 2007 e é uma tuna masculina constituída por elementos de diversas universidades (incluindo a minha). Na semana passada (a propósito deste Projecto) fui fotografar um dos seus ensaios e depois de seleccionar as minhas fotografias favoritas não podia deixar de as partilhar convosco.

Por serem imagens de "backstage" tinha planeado fotografar a preto e branco e rapidamente percebi que seria mesmo o registo mais adequado uma vez que a sala tinha uma luz artificial que não me agradava e o espaço também não era o mais bonito. No entanto, penso que as circunstâncias até promoveram, positivamente, um registo diferente daquilo que eu previa, mais focado no que realmente importa: o grupo. Não deu para pensar em imagens muiiiito artísticas mas estou satisfeita com o resultado e, durante a próxima semana, poderão ver algumas delas neste blogue (assim como outras mais coloridas e detalhadas). Resta-me dizer obrigada à Estudantina de Braga e informar os meus leitores que podem ver aqui mais informações sobre ensaios, músicas originais e actuações se estiverem interessados. 


CathInTheCity | Stylista.no

É quando não posso escrever no blogue que tenho mil e uma ideias para publicações. Vida triste.

AMOR | Oops!

Mais do que da sua colecção de camisas e do seu perfume inconfundível que eu adoro, eu gosto mesmo é da forma como ele entrelaça os dedos no meu cabelo enquanto me abraça, me dá beijinhos na testa e me faz sentir protegida. Há coisas impagáveis e poder encostar-me no peito dele sabendo que serei bem recebida é uma delas. Por muito que eu diga que sim, não foram os chocolates Kinder e os filmes da Disney que me conquistaram.

Foram as teorias mirabolantes, os sorrisos envergonhados, os olhares tímidos e as partilhas de capas negras que, felizmente, continuam presentes. São essas coisas que me fazem escolhê-lo todos os dias e eu não deixo que isso mude ou que desapareça. Ele tem a capacidade de me fazer rir às gargalhadas quando o meu mundo está prestes a desabar e isso vale mais do que qualquer ovo Kinder que ele me possa comprar. Escolho-o sempre. Mesmo que isso implique ter que partilhar as barrinhas do melhor chocolate do universo.

Love
Tumblr

Quaaaaaaaase de fim-de-semana!

19º ANIVERSÁRIO | O Bolo

E se há dois anos tive direito a uma Chanel 2.55 e se no ano passado recebi um saco da Carolina's Secret, este ano o meu bolo de aniversário foi muito mais simples e igualmente delicioso. Bolo de chocolate com recheio de brigadeiro, cobertura de brigadeiro, M&Ms e barrinhas Kit Kat. Toda a gente adorou e toda a gente saiu cá de casa com um par de quilos a mais. A minha festa de aniversário costuma ser conhecida pela quantidade exorbitante de comida deliciosa (que não sobra porque há gordichões que vêm de várias partes do país e do mundo) e este ano não ficou aquém das expectativas sendo que o bolo também lhes deu algumas alegrias. Gosto de ver os meus amigos felizes. E se para isso tiverem que engordar, tanto melhor!


Vocês não tiveram direito a bolo mas adorei as mensagens que me foram deixando aqui e noutras redes sociais. São os melhores! Obrigada.

Uma vez, num bom dia original, recebi esta imagem. E rio-me sempre que me lembro disso.

SWEET CAROLINE | Por Favor?

Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Não aguento mais. Quero que esta sensação passe duma vez por todas. É pedir muito? Não aguento mais.

A R T | via Tumblr

A próxima publicação deste blogue será sobre a Estudantina de Braga, uma Tuna que conhecemos bem. O que acham da ideia?

SWEET CAROLINE | Agenda de 18 Meses

Apesar de eu ter sido ensinada desde cedo a organizar os meus dias e a ter uma agenda no início de cada ano lectivo, a verdade é que esse hábito acabava sempre por se perder dois meses mais tarde. Nunca senti uma necessidade extrema de apontar as datas de entregas de trabalhos e de exames, os aniversários das minhas pessoas ou as minhas tarefas mais urgentes exactamente porque sempre tive uma memória capaz de reter esse tipo de informações e fazia-o nos primeiros tempos só porque era giro. No entanto, neste segundo ano de Faculdade, os projectos e os trabalhos começaram a surgir em maior quantidade e eu senti que, para me organizar em condições e preparar o meu ano desde o dia 1 de Setembro, devia comprar uma agenda funcional onde pudesse anotar todas as tarefas, reuniões, projectos, lembretes, listas e datas importantes sem ter que andar com outro bloco atrás de mim, papéis soltos na carteira ou avisos no telemóvel.

Deste modo, a minha escolha recaiu sobre esta da Moleskine que encontrei numa papelaria local durante o último Verão. Torci o nariz quando vi o preço (não sou pessoa de dar 15€ por uma agenda ou um bloco de notas) mas lá arrisquei e agora digo que, no meu caso, a longo prazo, acaba por compensar pela falta de desorganização e dores de cabeça. A agenda em questão - toda preta, para não correr o risco de me fartar dela - é uma agenda de dezoito meses (de Junho de 2014 a Dezembro de 2015) e está dividida em duas partes (para além das páginas iniciais - que incluem conversões, mapa, horários e muito mais - e das páginas finais - constituídas por folhas pautadas onde posso anotar tudo o que me apetece): do lado esquerdo estão os dias agrupados semanalmente e do lado direito estão as páginas pautadas que me dão um jeitaço. Numa altura de grande trabalho, de muitas metas a cumprir e de algumas coisas a relembrar com frequência, é um sossego ter tudo o que preciso num só local. E se esse local tiver uma espécie de compartimento onde posso colocar outros papéis (e autocolantes giros), melhor!


Como é lógico, a minha agenda é de 2014/2015.

Acabaram-se as gémeas Olsen. A Mary Kate agora parece bem mais velha do que a Ashley.

BLOGOSFERA | A Pipoca Mais Doce

A Pipoca Mais Doce dispensa apresentações. Acompanho o blogue da Ana Garcia Martins há (mais coisa menos coisa) cinco anos e continuo a gostar das novidades, do humor, do sarcasmo, da diversidade de temas e até das polémicas. Não é fácil manter um blogue durante uma década e não é fácil inovar - com ou sem equipa - os textos, o design e os conteúdos duma forma quase instantânea e sem sucumbir à vontade de mandar tudo o que está para trás para o lixo. 

Acredito que este espaço seja agora um emprego a tempo inteiro para a sua autora e acredito que funcione da maneira que conhecemos por causa de toda a equipa e de todo o seu planeamento mas gosto de acreditar também que ainda existem publicações genuínas (que fogem às encomendas) e que o humor sarcástico da Ana sustenta o seu estilo de escrita apoiado nas suas formações e nas suas experiências. Há estatísticas a manter e parceiros a agradar mas eu, enquanto conseguir achar piada às publicações mais mordazes e enquanto me rir com as suas divagações dramáticas, continuarei a ser uma seguidora do blogue em questão (coisa que já deixei de ser noutros blogues puramente comerciais). Confesso que não me identifico com os gostos da Ana mas adoro olhar para o "A Pipoca Mais Doce" como um espaço informativo, descontraído, actual e divertido que posso consultar diariamente com a certeza de que vou encontrar novidades diversas. 


Ontem já andei em modo urso polar. 

Casaco: Zara | Relógio: Parfois

LUCKY 13 | Publicações Programadas

Tenho um ódiozinho de estimação pelas publicações programadas (ou agendadas, como preferirem) e só as utilizo quando um post tem obrigatoriamente que ser divulgado naquela data ou naquela hora em particular. Gosto que o blogue acompanhe o ritmo do meu quotidiano e gosto de ser eu a carregar no botão mágico ainda que de vez em quando recorra aos rascunhos previamente preparados. Manias. O piloto automático - como gosto de chamar ao sistema em questão - não faz sentido para mim e portanto é natural que o meu blogue seja imprevisível em termos de temáticas e frequência de publicações.

O Lucky 13 - sendo pessoal, generalista e nada famoso - permite-me ter este equilíbrio. Posso publicar quando me apetece sem obrigações, posso ir de férias sem ter que pensar que vou perder visitantes, posso publicar dez vezes num só dia e posso ter ideias brilhantes enquanto estudo. Gosto disto assim. Esta descontração permite-me continuar deste lado e impede-vos de olhar para mim como uma personagem de um livro mau que sabemos exactamente como vai acabar. O blogue acompanha o meu estado de espírito, o meu trabalho e as minhas ocupações - mesmo que não o faça de forma explícita - e eu gosto disso. O meu silêncio pode dizer tanto como um texto de vinte parágrafos. E saber que só eu conheço as verdadeiras razões da minha ausência - ou da minha presença - permite-me olhar para este espaço como exclusivamente meu.

Deskscape in honor of today's blog post on Self Love! Check out www.strangecharmed.com
Love

Foi na noite de sexta para sábado que ouvi as palavras mais importantes, amorosas e inesperadas do mundo. E não podia ter sido melhor.

19º ANIVERSÁRIO | #CarolinaAniversariante

A semana do meu aniversário é a minha semana preferida e, este ano, passou num ápice. Estive sempre rodeada de pessoas maravilhosas, recebi mensagens queridas e abraços genuínos, ouvi mil vezes a canção dos "Parabéns" (e reclamei sempre) e, entre muitas fotografias (algumas publicadas, outras nem por isso), não houve nada nem ninguém capaz de estragar a minha felicidade ou a minha boa disposição. Tive direito a beijinhos, miminhos e presentinhos e não podia estar mais grata por ter os amigos, a família e o namorado que tenho. Tenho a certeza que a Matilde guardou imagens melhores e prometo, no futuro, uma fotografia do bolo mas hoje partilho as publicações mais importantes do meu Instagram. Porque as pessoas são mesmo a melhor parte do meu aniversário.

Untitled

E agora... Fiestaaaaa!

TEMPO DE ANTENA | Para Ti

"Se houve coisa que aprendi nestes últimos anos foi que por mais que queira esquecer o passado existe sempre algum detalhe que me fará reavivar a memória. Com isso, também aprendi que com o tempo e alguma persistência é possível ir esquecendo, vivendo melhor com os meus erros, que em certa altura pareciam harmless, ou com certas acções que estariam sobre controlo mas que rapidamente estavam tudo menos isso. 

Como provavelmente todos vocês, eu também não sou uma pessoa perfeita. Se já errei? Errei e muito. Se já menti? Menti bastante. Se já fui cúmplice de uma mentira? Fui e também não foi pouco. Se já causei sofrimento a alguém? Já. A mais que uma pessoa e até indirectamente. Se me sinto culpada, ou arrependida? Claro que sim. Se há algum tipo de desculpa? Não propriamente. 

Há certas coisas que fiz sem razão explicável. Fiz porque sim. Porque gostava, porque confiei, porque era nova e parva e não tinha, e provavelmente ainda não tenho, bem consciência dos meus actos. Actos esses que me trouxeram, e trazem, consequências. Consequências com que estou a aprender a viver. Se é fácil desprender-me de pessoas, memórias, sentimentos? Não é nada fácil, mas é mais fácil que meter na cabeça que já não sou a mesma pessoa que era há 4 anos que fui há 4 meses ou há 4 dias. Estou a aprender, estou a crescer e estou a esfarrapar-me toda psicologicamente pelo caminho. Se voltava atrás e faria muitas coisas de maneira diferente? Faria, mas infelizmente isso ainda não é possível portanto peço desculpa a quem magoei, mesmo que indirectamente. Peço desculpa a quem sofreu e ainda sofre por acções e atitudes com que alinhei. Atitudes maldosas e estúpidas que ainda hoje estou a pagar por elas. Sou culpada e apercebi-me que a culpa é uma das coisas mais difíceis de se lidar, mas vou tentando. Vou tentando porque eu já não sou a mesma pessoa que era há 4 anos, há 4 meses ou há 4 dias. Vou deixar o passado no seu lugar, e quando ele ameaçar reavivar a memória vou ignorá-lo. 

Para a pessoa que vai entender exactamente do que estou a falar, estarei disponível para conversar com o fim de encerrar o assunto e deixá-lo exactamente onde devia de estar: no passado."



São 19h e já me cantaram os parabéns para aí quinze vezes. Em várias línguas. Socooooorro! Nunca sei o que hei-de fazer!

BLOGOSFERA | La Lugarteca de Braga

Passei mais tempo a tentar decidir qual o separador temático a colocar nesta publicação do que propriamente a escrevê-la. A verdade é que o blogue que vos apresento hoje - acabadinho de criar - é um dos projectos da minha turma para a cadeira de Espanhol. Não é um blogue meu mas é um blogue que tem contribuições minhas (fotografias como estas, textos, ideias). O objectivo deste projecto passa por desenvolver o idioma estrangeiro mas também pela apresentação da cidade de Braga aos possíveis turistas espanhóis pelos olhos de quem percorre as ruas diariamente e tenta criar uma ligação diferente e mais profissional com a cidade. 

No entanto, um blogue escrito por muita gente poderia dar confusão e, portanto, há cinco blogues geridos por cinco grupos e que se especializam em cinco temas diferentes: Diversión y Cultura, Los Invisibles, Lugares con Encanto, Comer y Beber e Rutas y Senderos. No entanto, todos se reúnem no blogue principal (ESTE). É certo que todas as páginas são escritas em espanhol mas também é verdade que todas têm uma linguagem acessível e muitos pontos positivos que colmatam a possível falta de interesse que poderia surgir graças à semi-barreira linguística. Fotografias da nossa autoria, opiniões, histórias e algumas informações valiosas que não estão presentes nos guias da cidade (que podemos encontrar no Posto de Turismo, por exemplo) são apenas alguns dos argumentos que poderão servir de ponto de partida.

A mim e ao meu grupo de trabalho calhou-nos a parte dos "Invisibles". Esta é uma temática que vai muito além do Turismo e que foca essencialmente a população da nossa cidade. Nada de politiquices, celebridades ou pseudo-famosos; apenas pessoas comuns - como nós - que têm histórias para contar e que dão vida à cidade com os seus negócios, artes, formas de vestir e emoções. Se estas minhas palavras vos despertaram algum sentimento de curiosidade, visitem o blogue principal - La Lugarteca de Braga - e, em particular, a nossa página: Los Invisibles. Sigam, comentem e acompanhem-nos pelas ruas da cidade de Braga enquanto reparam em pormenores engraçados e dão atenção a pessoas especiais. Já agora, digam-me o que acharam e o que pode ser melhorado por todos!


O Instagram - @lalugartecadebraga - será actualizado a partir da próxima semana sendo que, à sexta-feira, estará por minha conta.
MD - Alessandra Ambrosio | via Tumblr

Hoje é o meu dia! Parabéns a miiiim!

SWEET CAROLINE | Felicidade (In)Dependente

Quando a minha relação anterior terminou eu decidi que não ia deixar que a minha felicidade dependesse de terceiros. Coloquei todas as esperanças em mim mesma e comecei a ver a vida duma forma diferente, mais descontraída, mais relaxada e mais directa (sem falinhas mansas ou desespero desnecessário por quem me prejudica). Entre trabalhos para a Faculdade, momentos com amigos e publicações blogosféricas, percebi que não havia mais ninguém a controlar a minha vida - e a minha felicidade - senão eu mesma. Até que percebi também que essa definição de felicidade independente não era mais do que uma utopia mal contada.

Por viver em sociedade dependo inevitavelmente - duma forma ou doutra - das pessoas que me rodeiam e o truque está apenas no quanto me deixo afectar pelas situações externas. Não seria capaz de ser feliz sozinha mas isso não faz de mim uma marioneta manipulável. Preciso - como se se tratasse duma necessidade tão óbvia como comer, dormir ou respirar - de comunicar, de receber mimos, de discutir, de abraçar e de partilhar mas entrego-me apenas a quem me faz bem.

Sou cautelosa. Incluo as outras pessoas na minha vida mas não lhes dou poder para destruir o meu positivismo. A minha felicidade pertence-me e eu controlo as minhas próprias emoções porque ninguém tem o direito de me fazer sentir mal. Se há situações que me desmotivam e respostas que me preocupam? Sem dúvida. Faz parte. Há dias que me correm mal e há situações que me entristecem? Claro. Mas a forma como as encaro é comigo e ninguém, no mundo, tem a minha autorização para me inferiorizar. Há desilusões, confusões e discussões que me afectam? Mais do que aquilo que deveriam. Mas a minha felicidade depende de mim e são poucas as pessoas por quem me permito chorar.

Untitled
♥

E ontem, apesar das reclamações de quem dizia que era demasiado cedo, entre músicas de Natal colocámos as decorações natalícias na AE.

VIDA ACADÉMICA | Há (Quase) Sempre Tempo Para Tudo

Desde que ingressei no primeiro ano de Faculdade fui aprendendo a aceitar com equilíbrio e juízo todos os convites que me interessam e a agarrar todas as oportunidades que são vantajosas para mim. O Ensino Superior é muito competitivo e isso nada me diz mas, por outro lado, essa competição desnecessária faz com que eu seja obrigada a procurar outros métodos, a investir mais em mim e a ter a vida activa de que tanto gosto. Mesmo que isso por vezes se traduza em exaustão e cansaço, sinto orgulho por saber que não desperdiço momentos e que sou capaz de me dividir entre os diferentes grupos de amigos, as oportunidades profissionais, as obrigações académicas, o blogue e as saídas ou os jantares de Faculdade.

Esta nova etapa (que vai quase a meio sem eu saber bem como) ensinou-me a viver melhor e, numa semana menos boa, achei que devia registar esta minha capacidade de distinção e de selecção. Eu saio à noite, converso sobre séries e temas actuais, estou com o meu namorado, vou a conferências e seminários, faço trabalhos, estou com os meus amigos, estagio nos meus dias livres e não falto às aulas. Ter aprendido - logo no princípio - a equilibrar a vida académica, a vida pessoal e a vida social sem esquecer o meu futuro foi uma das minhas maiores conquistas e este é um ensinamento que levo para a vida. Ainda tenho muito que aprender mas equilíbrio é a palavra-chave. Sempre.

Saijis: Last week's photo diary
Wow

Os Fantasy Bras do VSFS deste ano serão usados pela Adriana Lima e pela Alessandra Ambrosio. Opiniões?

AMIZADE | Transparência

Prezo muita coisa nas relações que tenho com os meus amigos, familiares e namorado mas a transparência, a honestidade, a sinceridade e a confiança são, sem sombra para dúvidas, a base de tudo o resto.

Eu sei que estou rodeada de pessoas que não têm qualquer problema em criticar-me de forma construtiva e também sei que eles não me vão apontar o dedo só porque sim. Esta transparência que nos permite dizer o que pensamos com a segurança de que não vão haver amuos ridículos e chatices indesejadas dá-nos segurança e permite-nos ser nós mesmos sem condicionantes parvas. Há dias muito maus mas saber que os meus amigos são capazes de aturar os meus dilemas e de me aconselharem sem falinhas mansas e com a maior das sinceridades mas sem brutalidades absurdas, faz com que eu saiba o verdadeiro valor da amizade mesmo quando a distância está garantida.

Keep on the good work :) | via Tumblr

Tenho que fazer três trabalhos até segunda-feira e ainda não consegui concentrar-me em nenhum. Maldito cérebro. Maldito coração.

INSTAGRAM | Outubro 2014

Outubro foi, no geral, um bom mês. Comecei novos projectos, fiz arrumações - no quarto, na agenda e nos meus próprios pensamentos -, fui ao Lego Fan Event com o Gui, jantei num restaurante chinês, comi gelados deliciosos, fui à recepção ao caloiro (da minha Universidade e da Universidade do Minho) e fui ao Porto numa visita rápida para uma conferência. Fotografei muito, a família ganhou novos membros e o blogue andou actualizado. No entanto, mentiria se dissesse que Outubro foi um mês fácil. Não foi. Fiquei ansiosa e nervosa muitas vezes, dormi poucas horas e apanhei alguns sustos. Mas superei sempre as dificuldades e é isso que importa.

Outubro foi um mês paradoxal. Fui à Praxe e trajei com orgulho, regressei à Faculdade e fiquei atolada em trabalhos. Foi um mês de gargalhadas intensas, saídas e amuos. De muitas ocupações e algumas mudanças. De agenda cheia e momentos magníficos. De dificuldades em respirar e de abraços tranquilizantes. Estou exausta mas guardo com carinho as palavras que ouvi, os aniversários de pessoas importantes e as oportunidades que agarrei sem hesitar. Espera-me um Novembro trabalhoso e cheio de mimos, presentes, amigos e sorrisos - ou não fosse Novembro o mês do meu aniversário apesar de ser, também, um mês muito intenso ao nível académico.