AMOR | O Resto

Saber que ele confia em mim e que é capaz de partilhar comigo os seus dramas e receios conforta-me e dá-me alguma segurança. O nosso mundo não gira em torno da nossa relação - nem isso seria aceitável - e saber que ele me procura para contar novidades, partilhar desgostos e chatices ou pedir opiniões é algo que me alegra exactamente porque me mostra que sou mais do que a pessoa que lhe dá abraços.

Sempre comecei as minhas relações e os meus projectos sem pedir conselhos a terceiros. Sempre fui muito consciente, responsável e dona do meu nariz nesse sentido. Dei os passos que achei que devia dar, correspondi às intenções alheias da forma que achei que devia corresponder e sempre fui discreta, por mim, por respeito, por ter pouco de concreto para expressar e porque não fazia sentido para mim partilhar algo que nem eu sabia o que era ou se iria - ou não - funcionar.

Saber que ele me vê como alguém de confiança - com opiniões (im)parciais sobre os seus dilemas  - é algo que me aquece o coração. Foram essas exactas características que passei a associar à sua figura e sentir que podemos conversar durante horas sobre decisões profissionais ou académicas mas que podemos - da mesma forma ponderada e séria - referir os nossos medos, sonhos, metas e preocupações é algo que me conquista todos os dias. Somos mais do que aquilo que sentimos um pelo outro e é óptimo que os restantes elementos do nosso ambiente nos unam sem que sequer nos apercebamos disso.

8 comentários:

  1. É tão bom termos todo esse à vontade com a pessoa que está ao nosso lado. É mesmo mesmo reconfortante. :')

    ResponderEliminar
  2. espero que sejam muito felizes, isso sim é amor!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Parece amor sincero! :')^
    Felicidades!
    Beijo*
    http://i-set-my-world-on-fire.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. "Sempre fui muito consciente, responsável e dona do meu nariz nesse sentido. Dei os passos que achei que devia dar, correspondi às intenções alheias da forma que achei que devia corresponder e sempre fui discreta, por mim, por respeito, por ter pouco de concreto para expressar e porque não fazia sentido para mim partilhar algo que nem eu sabia o que era ou se iria - ou não - funcionar." não podia identificar-me mais :)

    ResponderEliminar