GUARDA-ROUPA | Inspirações vs Réplicas

No mundo da moda há muita coisa que me causa confusão mas confesso que há um tema que me incomoda particularmente: a fraca distinção social entre "inspiração" e "réplica".

Sejamos realistas: um inspired product traduz-se como uma nova versão de um artigo que outra marca lançou (sem etiquetas falsas e nunca exactamente igual) mas uma réplica é, inegavelmente, uma cópia detalhada que inclui logótipos e elementos patenteados. As lojas de fast-fashion democratizam os modelos popularizados pelas marcas de alta costura ao utilizar materiais mais em conta, pormenores distintos e etiquetas completamente diferentes (quem não se lembra das sapatilhas com salto de Isabel Marant que começaram a ganhar terreno graças às novas versões que apareceram em todas as lojas mais acessíveis?) mas as carteiras vendidas nas barraquinhas do S.João são apenas falsificações que promovem uma economia paralela.

Quando compramos um inspired product não passeamos a falsa-marca nem tentamos enganar quem passa por nós na rua. Porque se compramos uma carteira na Zara não esperamos o acabamento duma peça Dior por muito semelhantes que sejam esteticamente. Não há sobreposições de interesses. Não há ilusões. As marcas de fast-fashion não são concorrentes das marcas de alta costura e mesmo que as primeiras tentem trazer até nós os icónicos casacos e modelos de malas, nós sabemos que não estamos a pagar por algo imaginário. O público-alvo não é sequer comparável.

Quem recorre às réplicas, afinal? Honestamente, uma vez que os modelos das peças são de fácil acesso - nem que seja uns meses mais tarde graças aos tais inspired products - e uma vez que a qualidade não entra na equação, a minha resposta é só uma: as pessoas que recorrem às réplicas são aquelas que querem parecer ou transmitir algo que não são e que não têm. Nunca entendi bem essa necessidade de possuir uma mala Chanel pelo estatuto e, talvez por olhar para as minhas peças de sonho como um objectivo e um medidor de sucesso financeiro, nunca compreendi o orgulho de possuir um Rolex falsificado. No mundo onde vivo, a cópia total - tenha o nome que tiver - ainda é considerada crime e eu não contribuo para o sucesso de esquemas mal contados.

Gosto de algumas marcas menos acessíveis e há certos artigos que me fazem babar, porém torço de imediato o nariz às lojas facebookianas que publicitam a quatro ventos as suas "réplicas perfeitas". Adquirir um produto apenas pelo possível estatuto que ele me poderia dar aos olhos alheios não faz sentido para mim. Compro um artigo pela originalidade, pela qualidade dos materiais, por se enquadrar nos meus gostos pessoais, pela valorização da inovação que surgiu em tempos e que originou a sua democratização. Independentemente das minhas razões e independentemente de fazer compras em lojas mais ou menos acessíveis há algo que ninguém pode negar: não compro réplicas e não contribuo para economias paralelas. O grande sistema da contrafação não cresce à minha custa.

8 comentários:

  1. Também não gosto muito de réplicas de malas e assim... Mas adoro peças inspiradas e bons dupes em maquilhagem :)

    http://rustorstardust.blogspot.pt/ **

    ResponderEliminar
  2. Por isso é que me irrita profundamente ir à Seaside e ver 'Vans' e 'All Star' por todo o lado que não passam de cópias medíocres, apesar de parecerem praticamente iguais. Até a marca vem escrita no mesmo sítio, só que em vez de 'Vans' ou whatever, diz 'Seaside'. Prefiro pagar 60 euros por umas All Star verdadeiras, do que 20 euros por umas falsas. Não me sinto bem, parece que eu própria viro uma wannabe. Há que prezar a originalidade e a qualidade. Tudo bem que a marca também se paga, mas prefiro pagar aos criadores do que a um grupo de pessoas que ganha 20 euros porque copiou o trabalho de alguém.

    ResponderEliminar
  3. Na minha opinião, réplicas são e serão sempre tentativas falhadas de cópias. Mas sem dúvida que em termos de maquiagem, existem dupes bastante apelativos e que ficam perto das formulas originais. Beijinho,

    http://theeyesofamermaid.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  4. Concordo plenamente. Nunca comprei réplicas nem tenciono vir a fazê-lo.

    ResponderEliminar
  5. Eu não consigo gostar de todo o tipo de réplicas de all star, não dá. Tenho uma mala antiga que é uma copia da chanel 2.55 (não me importava nada de ter uma) mas não é por fingir ter ou não, gosto mesmo do modelo da mala :)

    ResponderEliminar
  6. Não concordo com um dos comentários feitos acima. Percebi perfeitamente a distinçao que fizeste e não gosto, pessoalmente, nem vejo sentido em produzirem uma imitação de uma mala Channel e estamparem lá um logotipo exatamente igual, copiado. Outra coisa diferente é por exemplo, e como até já te tinha falado, as lojas mais comuns como a Seaside terem modelos parecidos às All star e às Vans devidamente identificados como Seaside. É uma maneira desse estilo ou tipo de produto chegar a toda a gente, porque nem todos podem dar 60 ou 70 euros por um par de sapatilhas e não vejo problemas a levantar quando vemos que alguém leva umas sapatilhas parecidas a Nike nos pés mas que digam Oysho ou whatever :) sou a favor do mercado disponibilizar produtos similares a menor preço, não do mercado paralelo que os copia literalmente.

    ResponderEliminar
  7. Sou completamente contra réplicas e não sou capaz de as usar. Se não tenho capacidade para comprar uma verdadeira, não faz sentido comprar réplica só para "enganar o ceguinho", como popularmente se diz. Tive conhecimento, que os designers que trabalham na Parfois viajam pelo mundo, vêm as coleções das malas de alta costura e depois tentam reproduzi-las mas com materiais mais baratos.

    ResponderEliminar
  8. Concordo com o teu ponto de vista e acrescento, o facto de tantas pessoas andarem por aí com réplicas (por vezes até muito bem conseguidas e a custarem o preço de um produto Zara ou semelhante) prejudica não só a marca que foi imitada (lá se vai a exclusividade) como quem compra a réplica, pois de tanto banalizarem determinado modelo, esse deixa de ser algo único e que valha a pena ter.
    Quanto a réplicas de maquilhagem, é uma coisa que, pessoalmente, não gosto de todo. Eu não tenho dinheiro para comprar todas as paletes da Naked, mas por favor, nunca compraria uma réplica com tantos outros produtos originais e mais baratos por aí. Primeiro porque não sei as condições em que estão as sombras das réplicas e se foram devidamente testadas, depois porque as cores não são bem as mesmas e a qualidade está bem longe de se aproximar da original. Afinal, querem uma palete pela qualidade, ou pelo package? Da mesma forma que não gosto de marcas que ganham notoriedade por fazerem apenas duples de produtos muito conhecidos. Não concordo com essa atitude e por isso não compro produtos dessas marcas.

    ResponderEliminar