Thirteen

VIDA ACADÉMICA | Decisões Difíceis

Quando me inscrevi para os Exames Nacionais de 12º ano estava em pânico. Não pelos exames propriamente ditos - que eu sabia que tinha que realizar para terminar o Secundário - mas porque me recusava a escolher um curso pela média que eles ditavam. Eu sabia que queria ir para a Universidade e sabia que precisava de me candidatar ao Ensino Superior para me sentir realizada mas não sabia qual era a licenciatura capaz de preencher os meus interesses e não queria - de todo - ser obrigada a reduzir as minhas opções apenas por causa de um número.

E era nesse sentido que ficava assustada sempre que me falavam em Exames Nacionais. Porque a pressão de tomar a decisão acertada me afectava mais do que aquilo que seria aceitável e, só de pensar que a hora de escolher o meu futuro estava próxima, eu ficava em pânico. Podem-me dizer que é normal ficar preocupada mas eu digo-vos que reagir da forma como eu reagia - e da forma como ainda reajo perante planos a longo prazo - é tudo menos normal.

Fazer uma candidatura ao Ensino Superior é difícil. Não porque o programa falha muitas vezes nos primeiros dias mas porque é um passo de adulto, de evolução e de crescimento. É a escolha de um caminho em detrimento doutros. É decidir ficar na cidade de sempre ou cair de pára-quedas numa localidade nova. É enfrentar um mundo novo com a graça duma criança e a força dum adulto. É equilibrar, inegavelmente, as nossas duas facetas, o possível e o impossível, os interesses e o trabalho, as notas e os sonhos, o esforço e o talento. Por isso é normal sentir medo, ficar em pânico - até certo ponto -, fazer planos e colocar hipóteses substitutas em cima da mesa. 

Mas se me permitem o conselho de quem já passou por aí: analisem tudo. Sejam críticos e não excluam opções por causa de opiniões alheias. É o vosso futuro. A vossa escolha. A vossa meta. O vosso objectivo. Público, privado, ciências, artes ou letras. Vocês sabem o que é melhor. Mesmo que o descubram no último dia, vocês só querem o melhor para vocês próprios. E é por isso que como estudantes e jovens, devem ser as pessoas mais críticas, conscientes e sensatas perante as decisões que têm pela frente. Sigam os vossos instintos mas nunca - em momento algum - coloquem a racionalidade de parte. Por muito que vos iludam e vos digam que sim, nenhuma Faculdade é um mar de rosas. Nenhuma.

12 comentários:

  1. Ando stressadissima por causa disso :/

    ResponderEliminar
  2. Vou ter muita coisa em conta, quando me candidatar ao ensino superior, but first, matemática.

    ResponderEliminar
  3. Nice blog dear, follow me and i Follow you back, kisses

    ResponderEliminar
  4. Eu escolhi o curso do 10º já a saber o curso que queria no ensino superior, mas tinha imenso medo de não ser o que esperava. Mas aconteceu o contrário: apaixonei-me ainda mais pela minha área :)
    Não, vou para o mesmo continente, mas para o Norte xb Canadá!

    ResponderEliminar
  5. Ahahah escolhi por me fazer lembrar o verão xb Mas o Brasil não deixa de ser um sonho!
    Assim o farei :)

    ResponderEliminar
  6. Eu acho que decidir o futuro aos 18 ou 19 anos é cedo. Entrei num curso que me desiludiu e acabei por me licenciar noutra coisa totalmente diferente. Temos é de ter consciência das nossas escolhas e assumir o que é melhor para nós na altura. E perceber que o que queremos hoje pode não ser o que queremos amanhã :)

    Carolina | [en] joy. by C.

    ResponderEliminar
  7. Gostei do texto mas eu este ano tenho de me decidir e não sei se o consigo etou á nora com isto ttudo beijinhos

    ResponderEliminar
  8. O truque é mesmo abstrair-nos do que os outros dizem como "vai para aquele curso" ou "vem comigo para este curso" ou "quero que vás para aquele curso". Isso comigo não funcionou. É verdade que andei uma temporada a sentir-me perdida porque não sabia bem o que queria. Fiz listas com possíveis cursos, coloquei as escolas que mais me interessavam e cheguei a analisar tudo como deve ser, até planos curriculares analisei. Aos poucos e poucos a minha lista foi diminuindo e, talvez tenha sido o destino, só me restaram opções ligadas com turismo. Não podia estar mais contente com a minha escolha e quando penso em turismo o meu coração bate forte e é isto mesmo que me faz feliz :)

    ResponderEliminar
  9. Se matemática deixar este ano irei ingressar no Ensino Superior. Já sei o curso que quero seguir (apesar de ter medo de vir a não gostar) e até os locais onde gostava de estudar, mas sei lá, cada vez fico mais nervosa!

    ResponderEliminar
  10. Sem dúvida, Carolina. Devemos ponderar bem tudo, mas o sonho e o que realmente gostamos deve falar mais alto.

    ResponderEliminar
  11. É tão bom saber que não sou a única que tem este tipo de ansiedades em relação ao futuro que me reserva. Eu estou prestes a fazer 18 anos e estou no meu último ano do Secundário mas, apesar de ainda agora ter começado já me sinto a sufocar por não saber se quero ingressar no mundo do trabalho ou se o meu desejo é frequentar o Ensino Superior. O meu claro objetivo é trabalhar no que realmente me faz feliz e que faz sentido na minha vida. Desde pequena que tive uma paixão pela música e tudo o que a envolve mas tive que decidir e estou num curso de Restauração mas desde o segundo ano que sinto cada vez mais que não é isto que me completa.
    Espero que seja capaz de descobrir o que quero e de certa forma ler as tuas histórias sobre o que passas ou passaste esclareceu-me um pouco mais. :D

    ResponderEliminar