Thirteen

VIDA ACADÉMICA | Praxe: Essencial à Integração?

Mesmo sendo defensora da tradição académica no âmbito das actividades praxísticas - porque sou de forma inegável e ninguém afirma o oposto - acho sempre a maior parvoíce quando me dizem que a Praxe se define como a linha que separa a integração da exclusão e a amizade da solidão numa nova etapa de estudos.

Toda a minha vida fiz amigos e estabeleci relações por mim mesma, de forma natural e sem recorrer a actividades dirigidas por alunos mais velhos. Fi-lo como qualquer um de vocês, com maior ou menor dificuldade segundo a minha personalidade e os meus valores. E portanto coloco em causa tal argumento e uso uma frase bastante simples para sossegar quem tem medo de ser excluído pelas suas convicções relativamente à tradição: é uma questão de personalidade. Nunca, em Faculdade alguma, a Praxe pode ser vista como o único meio para atingir o bem-estar académico e social. Acredito que seja um meio extremamente eficaz - caso contrário não a defenderia como defendo - mas com certeza não será essencial para toda a gente.

Agora, se penso que a Praxe é uma grande ajuda quando chegamos a um local novo e não conhecemos ninguém? Sem dúvida. Porque é que vou demorar um mês a conhecer alguém se posso fazê-lo logo no primeiro dia e ter histórias para partilhar logo na segunda semana? Porque é que hei-de me limitar à minha turma ou a um só curso se posso conhecer gente doutros anos, doutros cursos e talvez até doutras faculdades? A Praxe não nos integra na Faculdade mas permite-nos conhecer pessoas que nunca nos dirigiriam a palavra se não partilhássemos esses momentos todas as semanas. E só por isso já vale a pena. A Praxe vale pelas pessoas. Pelos valores. Pelos ensinamentos. Mas sobretudo pelas pessoas e pela união e laços que se vão criando. Pelas histórias de amizade. Pela entreajuda. Pelas histórias de amor.

(100+) Tumblr

18 comentários:

  1. Eu desisti na Praxe logo no primeiro dia porque não gostei da minha, mas acredito que seja uma ótima ferramenta para conhecer pessoas, assim como outros grupos académicos :)
    http://rustorstardust.blogspot.pt/ **

    ResponderEliminar
  2. A minha praxe foi horrível e as pessoas que lá estavam eram super ocas. Mas isso é na minha faculdade em que as praxes são super mal organizadas, e só são durante uns dias. O meu namorado adora a praxe dele.

    ResponderEliminar
  3. A praxe, se for bem realizada ajuda-nos a conhecer novas pessoas. Mas concordo contigo. Ao longo do meu percurso académico fiz amigos na faculdade que nada tiveram a ver com a praxe.

    ResponderEliminar
  4. Essencial não é. Mas ajuda, sem dúvida e adorei ter sido praxada mas adorei muito, muito mais praxar. Fiz mais amigos nessa posição, diverti-me mais. Foi... muito bom, momentos que guardarei para sempre! :)

    ResponderEliminar
  5. Ora aí está uma grande diferença: integrar nada tem a ver com conhecer pessoas. Gostei!

    ResponderEliminar
  6. estou completamente de acordo contigo e espero entrar em Portugal para poder passar pela experiência! :)

    ResponderEliminar
  7. Concordo contigo a mil por cento, ou talvez mais ;)
    Fui e sou muito feliz na praxe, fiz amigos dentro e fora dela e tive experiências espectaculares!

    ResponderEliminar
  8. No meu curso toda a gente se dá bem e toda a gente se integrou bem, quer seja da praxe ou não. Claro que o facto de termos passado todos pelo mesmo durante um ano faz com que tenhamos uma maior cumplicidade, mas essa não é de todo a única forma de o fazer. Continuo a achar que as pessoas têm uma ideia errada sobre o que é verdadeiramente a praxe. E acho que só quem chega ao fim e passa por todas as experiências, ensinamentos e valores é que consegue perceber isso (ainda que em alguns casos isto não seja verdade)

    ResponderEliminar
  9. Olha... disseste TUDO! Concordo a mil com o que acabaste de escrever!

    ResponderEliminar
  10. Pessoalmente sou contra a praxe. Acho que a ideia é excelente e que na teoria tinha tudo para correr bem, mas infelizmente na maioria das vezes acaba por ser só gritos, flexões, canções ordinárias na rua e muita humilhação. Se falarmos de jogos, conversas e actividades sem humilhação acho excelente para conhecer pessoas e criar um sistema de apoio desde o primeiro dia, mas se houver a componente de gritos e humilhação como há quase sempre, sou a primeira a dizer que não vale a pena passar por isso.

    ResponderEliminar
  11. A praxe vale ou não a pena dependendo de faculdade para faculdade. A minha só tem dois cursos por isso eu acbo por ir conhecendo as pessoas sem dificuldade. Andei uma semana na praxe e os amigos que ficaram são os que não andam nem fiz na praxe. É uma ajuda sim, mas se não existisse praxe, arranjava-se outra maneira de se conhecer as pessoas e socializar, não fossemos nós seres com necessidades sociais :)

    ResponderEliminar
  12. Não fui praxada e integrei-me super bem :)

    ResponderEliminar
  13. Eu entrei este ano para a faculdade, e visto que foi só na segunda fase, eu decidi deixar a praxe de lado porque iria roubar-me muito tempo e eu precisava de acompanhar a matéria. Mesmo sem nunca ter ido, conheci pessoas fantásticas e maravilhosas, do meu curso, de outros cursos e de anos diferentes. Dou-me bem com muita gente e, por experiência própria, posso dizer que concordo contigo. A praxe não é essencial para a integração :)

    ResponderEliminar
  14. Por muito bons que sejam os efeitos da praxe na integração e tudo mais, não acho que valha a pena passar por algumas coisas que por lá se fazem. Pessoalmente não fiz praxe, embora no início tivesse a convicção que iria fazer. Mas na prática não era o que esperava. Demorei mais tempo a conhecer as pessoas do meu curso, mas quando se conhece alguém, essa pessoa também conhece outra e assim em diante. E eu nem sou a pessoa mais sociável de sempre, mas contrariei isso e fui metendo conversa com os meus colegas.

    No entanto em alguns casos fico a pensar se a pessoa realmente participou na praxe porque queira, ou porque foi pressionada. A mim não me afectou porque me lixei para isso, mas os mais convictos na "tradição académica" da faculdade onde ando desprezavam e achavam "uns betolas" quem não participava nas suas actividades. Como se apenas o seu núcleo interessasse e o resto fossem todos uns meninos. Felizmente, eram uma minoria e quem entrou comigo, mesmo quem fez praxe, não ligou nada a isso. E correu tudo bem.

    ResponderEliminar
  15. sempre fui muito curiosa em relação às praxes. concordo plenamente contigo e acho que são um meio (claro que não é o único) eficaz para conhecermos novas pessoas. podias fazer unsposts sobre as tuas experiencias mais divertidas/estranhas das praxes, acho que seria uma excelente leitura.

    beijinhos :)

    ResponderEliminar
  16. A praxe depende de fac pra fac, mas concordo contigo :)

    ResponderEliminar
  17. Fui à praxe, fui praxante e adorei :)
    Mas tenho a dizer que a praxe varia muito de faculdade em faculdade. Vi e ouvi falar de praxes de outras universidades, ou mesmo da minha, mas de outros cursos, super pesadas e humilhantes. Mas as nossas eram à base de jogos e canções, isso sim dá para integrar!

    Tenho um giveaway a decorrer no blog, se quiseres espreita :)
    http://iminthemoodforblog.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  18. Eu desisti da praxe, fui dois dias e percebi que não tinha o espirito certo.. sinceramente hoje quando olho para os meus colegas, apesar de sentir uma certa pena de não ter aguentado mais e conhecer tantas pessoas diferentes como eles, percebo que fiz a escolha certa e que não encaixo ali. No entanto não deixei de ter amigos, claro que não foi logo na primeira semana, mas fui conhecendo pessoas e cada vez mais, tenho amigos que considero para a vida e não considero que não ter ido à praxe tenha prejudicado a minha vida social de alguma forma

    ResponderEliminar