Thirteen

SOCIEDADE | 5 Tipos de Enterrados: A Bebedeira

O Sentimental. Faz declarações de amor à namorada, agarra-se aos amigos, utiliza frases feitas, divulga lamechices e, com um bocadinho de jeito, ainda derrama uma ou outra lágrima. A quantidade de álcool no sangue dá-lhe para ser emotivo, para dizer aquilo que nunca teve coragem de dizer, para admitir que está chateado com alguém e para pedir desculpa quando isso faz sentido. O Sentimental pode ser muito querido - e ter piada ao mesmo tempo - mas também pode ser difícil de aturar, especialmente se repetir eternamente uma montanha de lamentações.

O Chato. Não há muito mais a dizer. O Chato é isso mesmo: chato. Consegue ser uma mistura de todos os tipos de enterrados com uma particularidade muito própria: não diz nada de jeito, arrasta as palavras, agarra-se a toda a gente, empurra pessoas que não conhece, tenta convencer o pessoal do bar a dar-lhe bebidas de borla - sem resultados, claro - e é capaz de afugentar toda a gente. É chato. Muito chato.

A Histérica. Um tipo de enterrado normalmente associado aos seres humanos do sexo feminino com vozes agudas que latejam no cérebro de quem as ouve. A Histérica é aquela enterrada cujo tom de voz é proporcional ao número de bebidas ingeridas. Quanto mais bebe, mais canta. Quanto mais bebe, mais grita. Sempre da forma mais irritante possível, habilitando-se a levar um estalo daqueles que a rodeiam em frente às barracas ou nos concertos.

O Bailarino. Bebe para perder a vergonha e dança até as pernas não aguentarem mais. É, provavelmente, o tipo mais divertido de todos - a par com alguns dos indivíduos mais sentimentais - e consegue pôr toda a gente a rir e a dançar. Quando a música é má, ele dança. Quando é boa, dança ainda mais. Mistura estilos, inventa passos e, se for preciso, consegue pôr um grupo inteiro a acompanhar uma coreografia que ele próprio criou naquele momento.

O Zombie. A quantidade de álcool no sangue serve para dormir em pé e esquecer tudo aquilo que viveu naquelas horas. Começa a festa de olhos semicerrados e pronuncia palavras arrastadas mas termina a noite na Gata na Saúde quase em coma alcoólico. É normal encontrar o Zombie adormecido num canto, rodeado de vomitado sem que isso lhe cause confusão. É o tipo de enterrado mais vulnerável - os amigos podem fazer dele gato-sapato e tirar fotografias para a posterioridade que ele não vai resmungar nem tão pouco reparar. Qualquer um dos tipos mencionados anteriormente podem ser o Zombie se não forem capazes de conhecer bem os limites do seu organismo e se optarem por continuar a beber desenfreadamente. Pessoalmente costumo chamar-lhe Miserável por motivos óbvios mas acredito que Zombie seja um nome mais comum.

Trust me, you can dance. Throw Pillow by Sara Eshak

[Esta publicação não engloba os grupos de sóbrios nem aqueles que ficam apenas alegres.]

9 comentários:

  1. Pelos vistos, há de tudo no enterro!

    ResponderEliminar
  2. Ahah eu posso ser esses vários tipos quando tenho sono xD o sono é a minha bebedeira

    ResponderEliminar
  3. Ainda não descobri qual o meu tipo porque só fiquei ligeiramente alegre uma vez na minha vida, mas vi muiiiitos zombies (na wall of shame, como eu lhe costumo chamar - perto da entrada) e aturei muiiiiitos chatinhos...

    ResponderEliminar
  4. É o meu primeiro enterro e estou a adorar, já vi de tudo mas os meus preferidos são os sentimentais xD

    ResponderEliminar
  5. Aturei o meu namorado a queima toda em modo sentimental xD

    R: Vai ver Carolina, eu gostei. O meu namorado veio comigo, não gosta muito deste género de filmes e até gostou :)

    ResponderEliminar
  6. Eu sou sentimental e bailarina dependendo da quantidade de álcool ingerida xD

    ResponderEliminar
  7. Ora bem descobri que sou a bailarina e chata :) Há de tudo realmente e isso é que torna-se um verdadeiro enterro. beijinho

    http://giselapascoal.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Eu sou sem dúvida o bailarino e o meu namorado o sentimental, ás vezes é chatinho

    ResponderEliminar