TEMPO DE ANTENA | Ensino Superior: Ciências da Nutrição

"É difícil iniciar um post sobre algo em que passamos a vida a falar, especialmente se formos universitários e passarmos a vida a resmungar e a festejar cada momento académico. Quem lê o Bobby já sabe o meu B.I. académico, estudo Ciências da Nutrição (que não é o mesmo que Nutrição e Dietética, a seu tempo lá chegamos) e frequento (ou acabei de terminar) o 3º de 4 anos de licenciatura na Universidade Lusófona de Lisboa. 

Vamos a esclarecimentos simples, escolhi uma privada porque a única pública para Ciências da Nutrição é no Porto, altamente longínquo de minha casa e preferi a Lusófona porque choco com algumas das particularidades da Egas Moniz e porque se fosse fazer o caminho todo para a Atlântica, mais valia concorrer para o Porto. Ainda dentro da comparação de cadeiras apesar de FCNAUP (Porto) e Lusófona terem quaaaaaaaaase a mesma unidade currícular, houve algumas cadeiras na Lusófona que me apaixonaram por serem únicas (como é o caso de Nutrição e Desporto) e outras no Porto que me fizeram torcer o nariz como Histologia, que em contra balança fizeram-me preferir a Lusófona, perto de casa e com cadeiras que me agarravam a expectativa. 

Falei ali em cima que não é o mesmo que Nutrição e Dietética e este é um assunto que eu sinto que vale (muito!) a pena abordar aqui no Tempo de Antena porque é a questão mais clássica do pessoal que está mais virado para este curso; Qual é a diferença? Porque é que dizes que só há pública no Porto quando há mil faculdades a ter Nutrição e Dietética e vocês fazem todos o mesmo? 

Bom, não é bem assim. Ciências da Nutrição é um curso que existe apenas em Universidades (pública ou privadas) e que vos forma para serem Nutricionistas. Já Nutrição e Dietética apenas existe em Politécnicos e vai formar-vos para serem Dietistas. Os dois supostamente deveriam exercer funções diferentes mas a maior parte das vezes isso não é cumprido e costumam fazer usurpação de funções, portanto, a Ordem dos Nutricionistas este ano já avançou com algumas declarações de que vai passar a haver só uma profissão: Nutricionista, coisa que concordo porque só em Portugal é que há esta distinção de profissões que fazem quase o mesmo. Mas não é de admirar já que esta área tem uma importância muito recente (e uma visibilidade ainda mais recente). Serve este parágrafo para vos avisar de que faz todo o sentido verem bem, se alguma vez quiserem enveredar nesta área, que curso querem e que por vezes ter nomes parecidos pode ser uma rasteira e que não é tudo a mesma coisa! Não tenho a certeza do futuro do curso de Nutrição e Dietética nem o que vão fazer quanto a isso mas se brevemente só houver a profissão de Nutricionista eu creio que a única forma de assim se assumirem é com uma licenciatura em Ciências da Nutrição. Mas aguardemos (ou pelo menos eu vou estar atenta) aos futuros desenvolvimentos. 

Nutrição é um curso que, ao contrário do que a maior parte imagina, tem muitas, muitas áreas. Pensem só que a alimentação é um conceito global que envolve quase tudo à nossa volta. É natural que as pessoas associem a nutrição apenas à clínica (tratar gordinhos, magrinhos, fazer dietas) mas há tantos caminhos pelos quais podemos enveredar... Temos o controlo de qualidade da comida, onde podemos trabalhar em laboratório para garantir que os alimentos têm os ingredientes necessários, ou até experimentar novos alimentos, temos a indústria onde, por exemplo, reformulamos fórmulas de alimentos ou bebidas para algo mais saudável sem perder o sabor ou a qualidade, ou garantir que os alimentos não sofrem qualquer alteração até chegarem às vossas casas. Pode também fazer controlo de rótulos de embalagem. Outra vertente é a Gestão, onde podemos ser gestores de equipas de cozinha, catering, serviços de alimentação e onde fazemos a revisão dos espaços, vemos se os equipamentos têm garantia de que podem funcionar para nos serviços de restauração vocês consumirem os alimentos sem risco e fora de contaminação, ou de contratação de pessoal, ou revisão das ementas e das receitas das ementas, de quanto devem servir no vosso prato, que tipo de molhos, a disposição... Tudo isto é feito por um nutricionista. Também podemos arriscar na área desportiva ou hospitalar clínica ou até mesmo, se quisermos elevar o nível de possibilidades, podemos actuar para companhias aéreas e espaciais. Alguém tem de garantir que a comida do espaço não se estraga nem arruína os nossos astronautas, certo? Não convém que um astronauta ou piloto se sinta mal por causa do almoço, correcto? Quem trata disso? Nós. Existe também uma área mais ligada ao ensino e às comunidades, onde podemos ir a escolas, centros de idosos, clubes desportivos, o que quer que seja, dar palestras sobre nutrição, para quem gostar mais de públicos e desafios ou então a política, onde podemos actuar activamente junto com o ministério da saúde em novas directivas ou acções ligadas à nutrição enquanto saúde pública. Discutir mercados de alimentos e estabilidade ambiental, ou os custos de prevenção de doenças ligadas à nutrição VS custos de tratamento, medidas nas escolas e comunidades para combater a fome... Os nutricionistas estão lá para isso. 

Até agora a minha cadeira mais penosa foi Imunologia (sistema imunitário), não por causa da matéria, que adorei, mas sim por causa do método de avaliação (do teste em si), que era bastante exigente. A que mais gostei foi política e desporto mas entre isso apanham Fisiologia, Anatomia, Inglês, Bioquímica, Deontologia (Ética/Legislação), Farmacologia e muitas mais. É uma área para a qual devem considerar ir se gostam de saúde, do mundo da alimentação em geral e há imensos caminhos por onde podem enveredar. A empregabilidade em Portugal ainda está longe de ficar estagnada (o pessoal de indústria implora por nós), é um assunto global para o qual se podem dirigir para qualquer parte do mundo (toda a gente come) e, pelo menos falo pela minha instituição, somos muito bem instruídos, com uma vertente prática muito extensa, fora as actividades extra como as jornadas entre Universidades, as palestras e os próprios convites da Ordem para que tenham papel activo, ainda mesmo como estudantes."


Inês, Aluna do Terceiro Ano da Licenciatura em Ciências da Nutrição na Universidade Lusófona de Lisboa. 

[Se tiverem dúvidas ou questões podem deixá-las na caixa de comentários. A Inês irá responder às vossas perguntas no mesmo espaço assim que possível.]

24 comentários:

  1. ingles? que coisa mais parva. os alunos já é suposto terem um nivel bem avançado e solido de ingles
    só se vê em privadas essa estupidez

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aprendes inglês técnico relacionado com o teu curso, e essa ideia de que toda a gente vem com inglês avançado é uma ideia muito falsa. Imensas pessoas que com 12o não falam um fósforo de inglês. E não, cadeiras de inglês não é só uma estupidez de privada, informa-te primeiro.

      Eliminar
    2. Os alunos devem ter níveis avançados de inglês, mas uma boa instituição não deve dar esse ponto como garantido. Contudo, quando uma licenciatura tem uma cadeira de inglês, geralmente são abordados temas virados para a área, para que os alunos possam estar em contacto com expressões e palavras "próprias" - neste caso em concreto - da área da nutrição. Falar inglês fluentemente e estar adaptado a expressões típicas de uma área cientifica são coisas totalmente diferentes. Portanto não considero uma "coisa parva" mas sim um complemento indispensável ao curso, visto que é uma área com possibilidades de emprego "além fronteiras" pois como diz a Inês "toda a gente come"

      Eliminar
    3. Eu quero tirar um curso de inglês técnico relacionado com o meu curso, é bastante importante e adorava que já estivesse incluído no plano de estudos da minha universidade.

      Eliminar
    4. Primeiro que tudo dá-me pena ver comentários destes. Ignorância misturada com arrogância fica tão mal... Para alguns cursos é importante melhorar/desenvolver o inglês. É óbvio que é uma cadeira que vale menos. Eu estudo no IST e a minha faculdade tem cursos (não é o caso do meu) que têm inglês técnico e não é uma faculdade privada.

      Eliminar
  2. Se só vai passar a existir uma profissão (nutricionista), o que vai acontecer aos dietistas ou aos politecnicos que dão a formação? Quem fez/esta a pensar fazer esse curso vai perder o titulo de licenciado e etc? Não entendi bem essa parte...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo, na verdade eu não te posso responder a isso porque essas decisões futuras fazem parte da Ordem dos Nutricionistas, à qual eu ainda não pertenço nem faço qualquer tipo de legislação ou regulamento. Com certeza que, quando as coisas ficarem definitivas as alterações serão anunciadas, por enquanto, como disse, vamos aguardar. A minha função no tempo de antena foi partilhar uma perspectiva do que é o curso de Ciências da Nutrição e diferenciar cursos que são diariamente metidos no mesmo saco. A escolha de qual curso cabe à própria consciência de cada aluno e o futuro da profissão e cursos é da consciência da Ordem :)

      Eliminar
  3. o teu FB do blog nao ta a funcionar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No meu computador está tudo bem mas vou tentar ver se se passa alguma coisa. Obrigada pela informação (:

      Eliminar
  4. É um curso que acho imensamente interessante, mas não me vejo numa área de ciências, porque nem é algo que goste assim tanto. Adoro a forma como a Inês fala do curso dela, deveras apaixonante!

    ResponderEliminar
  5. fizeste mal em nao ir para o porto. ganhavas outra maturidade, ficavas mais mulher e tinhas um melhor ensino, mais exigente e que ficava bem no CV . aprenderiam muito, todos vós que ficam na casinha dos papás no conforto e comodidade, pois o facilitismo é "melhor".. muito perdem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este tipo de comentários não te dá mais maturidade nem capacidade de ser mais mulher ou homem que eu. Muito menos carácter.

      Eliminar
    2. Fiquei na casa dos papás por não haver possibilidade para algo diferente e com isso aprendi a gerir melhor o meu tempo porque trabalhava enquanto estudava e porque perdia duas horas do meu dia na viagem casa-universidade-casa. Queres falar em facilitismos?
      Esta gente muito gosta de se achar superior -.-

      Eliminar
  6. Temos várias cadeiras em comum (sendo as minhas, claro, relacionadas com os animais). Escapar a histologia foi uma boa opção eheh Muita sorte para ti Inês :)

    ResponderEliminar
  7. Fantástico só ter descoberto agora que andamos na mesma Universidade! Foi óptimo saber um pouco mais do curso da Inês :)

    ResponderEliminar
  8. Faltava alguém desvendar, finalmente, as várias opções dos nutricionistas! Adorei a forma como a Inês falou do curso :) algo suspeito da minha parte, visto frequentar a FCNAUP! Óptima decisão em fugires de Histologia, Inês :p

    ResponderEliminar
  9. Dá gosto ver a paixão com que falas do teu curso, Inês. Não deixes que aspectos como faculdade, etc definam a futura nutricionista que um dia serás. É certo que esses factores podem ser bastante condicionantes mas o que realmente faz um bom profissional é o esforço, a sabedoria, o trabalho e não apenas a instituição. Parabéns pelo texto :)

    ResponderEliminar
  10. E parabéns a ti Carol, esta fusão do tempo de antena com os textos sobre cursos teve um resultado muito bom :)

    ResponderEliminar
  11. Gosto imenso deste tipo de posts dá para ter toda uma ideia de areas que á partida só temos ideias pré concebidas. É tão bom ver gente que (numa publica ou numa privada) está contente com a sua escolha e ansiosa pelo que o futuro a reserva. xD
    Mas lendo aqui alguns comentários uma pessoa até fica com receio do seu nivel de maturidade. Então não é que havendo o meu curso no porto numa faculdade de igual prestigio ou inferior eu fui uma menina e preferir candidatar-me a uma faculdade que vejo da janela do meu quarto em casa dos meus pais e à qual chego em 5 mim de carro? Começo a deprimir e a achar que não estou a viver a expriencia universitária como deve de ser. Quão mais maravilhoso seria ir gastar dinheiro numa casa universitária no porto? Quão mais interessantes seriam os meus post?! Oh pah sou mesmo uma menina.
    Carol, desculpa-me a ironia. Desculpa ter descido ao nivel mas há certas coisas que leio que mais parece que a pessoa resolveu chupar um limão e vir a correr para o teclado -.-
    Tomara em publica ou privada, longe ou perto as pessoas sejam realizadas, tenham emprego e possam ter a vossa vida. O resto é acessório!

    ResponderEliminar
  12. Olá, boa tarde. Tudo bem?
    O meu nome é Daniela. E desde já peço desculpa pela invasão. Estava a fazer umas pesquisas, e esbarrei-me com este fantástico blogue.
    Ando na luta de escolher a Egas Moniz, ou a Lusófona. Gostava de saber a tua opinião Inês...A razão de teres posto de lado a Egas Moniz. Pfvr...e agradeço a atenção. Beijinhos e que Deus abençoe a tua carreira

    ResponderEliminar
  13. Olá, boa tarde. Tudo bem?
    O meu nome é Daniela. E desde já peço desculpa pela invasão. Estava a fazer umas pesquisas, e esbarrei-me com este fantástico blogue.

    Ando na luta de escolher a Egas Moniz, ou a Lusófona para Ciências da Nutrição. Gostava de saber a tua opinião...A razão de teres posto de lado a Egas Moniz.
    Pfvr...e agradeço a atenção.
    Beijinhos e Deus abençoe a tua carreira ^^

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá D Gomes! Na altura decidi-me pela Lusófona pela estratégia local (a Egas é na outra margem) e porque, naquela altura só a Lusófona tinha Nutrição no Desporto, que é uma cadeira que me interessava imenso e que me poupa os imensos cursos extracurriculares que colegas meus de outras Universidades estão a fazer neste momento para estarem a par daquilo que eu já sei e fui avaliada... Mas acho que já não vais encontrar o mesmo dilema que eu, uma vez que colegas minhas da Egas disseram-me que o curso lá foi remodelado e para o ano já há Nutrição no Desporto. O meu conselho? Visita às Universidades e, se conseguires, fala com pessoas próximas de ti que estejam a frequentar as duas instituições. No final o que importa é que te sintas bem onde estás, já que vai ser a tua casa (no mínimo) durante quatro anos. E eu senti-me em casa na Lusófona :)

      Eliminar
  14. Obrigado pela rapidez da resposta. Eu moro mesmo na margem. Mas estava comparando as disciplinas em uma e outra. Confesso que as disciplinas na Egas Moniz parecem me tranquilizar mais. Porque verifiquei que na Lusofona tem a minha "disciplina de socorro": Inglês :p
    Mas ja li em uns comentários acima que, fugis-te da disciplina de Histologia.. Podes me explicar o que é?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamento dizer-te que, mesmo que fujas à cadeira, o inglês tem uma presença gigantesca neste curso e nesta área (como na maior parte de Ciências). Os artigos vão ser-te quase sempre apresentados em inglês assim como muitas aulas e bibliografias para consultares, seja em que Universidade for. Começa a treinar e a ler muito! :)
      Histologia é uma cadeira sobre tecidos de animais, plantas ou humanos. Anatomia dos tecidos, se é que possamos chamar assim. Neste curso, normalmente, o foco é em histologia humana mas no momento de decisão não achei que a cadeira tivesse, para Nutrição, a utilidade que justifica a sua dificuldade "tradicional". Anatomia, na minha opinião, chega.

      Eliminar