Thirteen

TEMPO DE ANTENA | Ensino Superior: Filosofia

"“Filosofia? Mas querias esse curso?” “Filosofia? É para o desemprego, certo?” “Filosofia? Mas isso serve para alguma coisa?” “Filosofia? Não tinhas média para mais nada?” 

E assim começa sempre a saga de qualquer aluno de Filosofia no ensino superior, a arregalar ligeiramente os olhos e a rir-se das perguntas feitas porque sim, já as ouvimos todas antes. 

Filosofia é um curso quase mitológico, cujo preconceito começa logo no décimo ano e se prolonga pelo décimo primeiro. A disciplina tanto pode ser dada por professores de filosofia como de psicologia e o mesmo acontece na disciplina opcional de psicologia (para a qual tanto podem ser contratados professores de psicologia como de filosofia), o que, obviamente, deixa um largo espaço para dúvidas, a primeira das quais sendo exactamente para que serve o curso superior de Filosofia, se um licenciado em Psicologia pode dar as aulas desta disciplina. 

Então, para que serve o curso? Teoricamente o curso de Filosofia do ensino superior é versátil, expansivo e tem várias saídas relacionadas com relações públicas, investigação em várias áreas, ensino de Filosofia, já para não falar que depois da Licenciatura em Filosofia existe um leque extenso de Mestrados a que os alunos têm acesso (ou seja, não há obrigatoriedade de se tirar o Mestrado na área de Filosofia, o que significa amplas opções profissionais). 

Na prática, o assunto é bem diferente. Como ninguém percebe muito bem a vertente deste curso, ninguém assume o curso como mais-valia na hora de empregar. Filosofia é “estudar homens que já morreram” e as opções práticas também morrem aí. Não há estágios durante a licenciatura, porque não há protocolos – embora os nossos professores se fartem de nos tentar arranjar oportunidades. 

Não sei como será estudar este curso noutras instituições mas, na Faculdade de Letras da UP, Filosofia distingue-se por ser um curso sem trabalhos (é ver a inveja na cara de muita gente) e cujos resultados dependem inteiramente dos exames (é ver a inveja a desaparecer logo). É um curso com cadeiras de nomes que parecem aborrecidos: Filosofia Antiga, Filosofia Medieval, Filosofia Moderna, Filosofia Contemporânea, Ontologia... Estas são algumas das cadeiras com as quais vão lidar. São provavelmente os piores nomes que verão no Plano Oficial. São, no entanto, cadeiras fantásticas, cada uma com o seu valorizado contributo e cada uma dada por professores do género que nunca viram antes. Recebem 6 créditos por cada cadeira. Nem mais, nem menos. Nos primeiros 4 semestres também têm cadeiras de opção (uma por semestre) cujos únicos requisitos são que sejam cadeiras integradas na Faculdade de Letras e que o horário seja compatível com as cadeiras do curso. Há sempre alunos de Filosofia a terem uma cadeira fora do curso: em Geografia, História, Línguas, entre outros. Eu, por exemplo, escolhi Inglês. 

Há Cadeirões. Há cadeirões em todo o lado e em todos os cursos mas em Filosofia há Cadeirões com C grande. Sofre-se com o estudo da Lógica (que é muito interessante mas é tida globalmente como uma cadeira mais complicada) e sofre-se com pelo menos uma cadeira por ano. Alguns alunos dirão que depende do método de ensino do Professor, outros dirão que depende da matéria dada e outros ainda dirão que o Cadeirão X não serve para nada. Portanto leiam isto com uma pitada de sal e não pensem que as cadeiras vão todas meter medo. Por exemplo, enquanto a maioria dos meus colegas se queixavam da Filosofia e Ciência Política lá estava eu toda contente quando tinha essa cadeira. E depois acontecia o contrário com outra cadeira qualquer. Filósofos sofrem! 

Mas desengane-se quem acha que este meu discurso é pessimista porque não podiam estar mais longe da verdade! A verdade é esta: quem passa pelo curso apaixona-se. Conheci muitos alunos – de anos superiores, do meu ano, finalistas, caloiros – e não há ninguém que tenha acabado o curso sem se ter apaixonado por Filosofia. 

Filosofia não é só Sócrates e Platão, não é só Nietzsche e o seu famoso niilismo. Filosofia é abrir a mente e ver para além daquilo que existe. Filosofia é aprender a dizer que eu e mais outra pessoa podemos comer o mesmo rebuçado com sabor a morango, mas nunca vamos saber se o sabor a morango que a outra pessoa está a sentir é o mesmo que nós sentimos, por muito que achemos que sim. Filosofia é deixar o conceito de deus como homem barbudo de lado e começar a pensar em deus como um conceito completamente diferente que nada tem a ver com os sete pecados mortais. Filosofia é estudar filósofos dos quais nunca ouvimos falar, aprender que estética não é só um sentido de decoração, e aprender a escrever Wittgenstein e Kierkegaard sem nos enganarmos. Filosofia é aprender apenas porque o prazer de aprender é tão grande que não conseguimos pensar noutra forma de viver que não a busca incansável do conhecimento pelo conhecimento em si. Filosofia é aceitar que podemos não sair do curso com seguranças de trabalho, mas saímos com a segurança de que aprendemos a aprender melhor. 

Filosofia é linda, poética e eterna, e como pessoa não podia estar mais satisfeita por tudo aquilo que Filosofia me ensinou. Qualquer pessoa que tenha passado pelo curso vos dirá o mesmo. Se vale a pena tirar este curso com o objectivo de empregabilidade? Depende muito daquilo que querem fazer da vida. Se o vosso futuro for em política, jornalismo, religião e questões éticas, então este curso providenciar-vos-á com fundações extremamente fortes mas deverá ser complementado com outro curso mais direccionado para a área da futura profissão. Se vale a pena tirar o curso com o objectivo de expansão da mente, do saber e de melhorar a vossa maneira de ser e estar? Sim, sim, mil vezes sim. A Filosofia ficará sempre convosco e tornar-se-ão bichinhos do saber. E saber sabe tão bem!"

!m!

Casey, Ex-Aluna da Licenciatura em Filosofia na Universidade do Porto.

[Se tiverem dúvidas ou questões podem deixá-las na caixa de comentários. A Casey irá responder às vossas perguntas no mesmo espaço assim que possível.]

17 comentários:

  1. Sempre gostei bastante de Filosofia, não era um curso que me importasse de tirar :)

    ResponderEliminar
  2. Toda a gente me diz que filosofia ou é uma treta ou é uma seca e depois deste texto, fiquei curiosa para as aulas que vou ter no secundario :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tive Filosofia no 10º e 11º e Psicologia no 12º e digo-te que são cadeiras em que se aprende muito sobre a vida. Ajudam-te a pensar, a argumentar e a decorar, se tiveres um professor como o meu! Muita gente de outras escolas comentava comigo que a filosofia que davam era muito leve, discussões nas aulas e pouco mais que isso. A minha não. Era uma disciplina que precisava de tempo e de muito estudo mas isso valeu-me um 19,7 no TI. Eu gostei. Espero que também gostes e que aprendas muito :)

      Eliminar
    2. As aulas de Filosofia de Secundário são diferentes das da Faculdade e dependem muito do tipo de professor que tiveres. As minhas também não foram nenhum picnic. :P Mas faço minhas as palavras da Sofia. Independentemente do professor que tiveres, a matéria em si dá muito que pensar e é um bom complemento ao resto do plano curricular. (:

      Eliminar
    3. O secundário vai ser o meu primeiro contacto com filosofia e todos estes comentários só me deixam mais ansiosa!

      Eliminar
  3. Também me disseram o mesmo que disseram à Leonor o ano passado, no entanto acabei por me surpreender da melhor maneira. Não é a disciplina a que tiro melhor nota, contudo, é das aulas em que estou mais atenta e saio de lá a querer saber mais sobre o assunto abordado. Não sei se é a maneira como a professora dá as aulas ou se é mesmo da disciplina em sim, mas é das minhas favoritas.

    ResponderEliminar
  4. Eu adorei ter Filosofia mas nunca pensei tirar esse curso :)

    ResponderEliminar
  5. que texto lindo! tanbém já passei pela FLUP!

    ResponderEliminar
  6. AMEI ESTE TEXTO! O amor que a Casey tem pelo seu curso... quase juro que o senti daqui, deste lado do ecrã!!!
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  7. Ela conseguiu cativar a minha atenção e demonstrar vivamente a sua paixão pela filosofia ! Muito bem!

    ResponderEliminar
  8. A minha professora de Filosofia dizia para nós tirarmos um curso que nos abrisse portas ao mundo da empregabilidade e depois filosofia que íamos aprender muito :) Parabéns pela coragem

    ResponderEliminar
  9. Filosofia realmente não teria sido uma escolha minha até porque tive sérios problemas com ela durante o secundário.

    ResponderEliminar
  10. Adorei filosofia no secundário, mas nunca tinha lido nenhum texto tão apaixonado por este curso. A ideia que se tem do curso é mesmo essa: que é um curso sem emprego, chato, que não serve para nada. Este teu texto devia estar em todo o lado, até na página da FLUP! É um curso que sempre ponderei tirar (pelo menos experimentar) mas ainda não o fiz. Obrigada pela partilha apaixonada e por abrires horizontes!

    ResponderEliminar
  11. Bem a minha professora do secundário de filosofia já a vi ser levada em colete de forças para o hospital psiquatrico. Nunca gostei das aulas dela, nem dela... sempre a achei maluca... aparentemente devia ser mesmo tanto que foi internada xD mas reconheço que é uma area de falta muito. As pessoas actualmente não se questionam, não pensam... tem tudo logo mastigadinho e depois nao sabem formar opiniões. Mas é tão bom ver a paixão pelo teu curso!!!!

    ResponderEliminar