TEMPO DE ANTENA | O Anonimato das Cidades

"Aquilo que mais gosto de ver quando viajo são cidades. Entre prédios que dão tonturas só de olhar para cima, estradas infindáveis e turistas até mais não. Mas o que realmente me dá prazer nas cidades é o anonimato. É incrível como sou capaz de ficar horas a fio a ver pessoas passar. Gosto de reparar naquilo que envergam, a forma de andar (que pode dizer muito da pessoa!) e nos pequenos pormenores. Gosto do facto de essas pessoas para mim serem anónimas e é raríssima a vez em que o deixam de ser. É impressionante e pergunto-me muitas vezes se os mil e um olhos alheios por vezes se fixam em mim e nas minhas acções. 

É incrível como num só espaço, há tanta gente diferente, que veste roupa diferente, que pensa de maneira diferente e que nos fixa com maneiras tão próprias e tão pouco comuns. Gosto de interpretar o gesto de agarrar num gadget, de olhar para um ecrã ou de simplesmente olhar para uma montra. É algo em que reparo muito e é estranhamente engraçado tentar adivinhar a história das pessoas. "Será que é um turista que se perdeu?" "Esta aqui parece da alta sociedade, mas se calhar é da baixa e tenta passar pela alta!". 

É igualmente incrível como tenho tempo para isto. Para procurar pormenores imperceptíveis aos olhos dos apressados e dos menos atentos. Um simples agarrar numa chávena ou o gesto de ajeitar o cabelo diz tanto das pessoas e ainda bem que tenho tempo para isto enquanto descanso de uma longa caminhada ou numa paragem num café para refrescar. O anonimato das cidades fascina-me porque gosto de tentar conhecer o desconhecido que jamais irei conhecer."


Leonor, Dancing Shoes.

5 comentários:

  1. Estou totalmente de acordo contigo! O facto de se viver numa cidade transmite um certo anonimato que num meio mais rural ou mais pequeno nem sempre é possível...

    Bjxxx

    ResponderEliminar
  2. Adorei a opinião da Leonor. Tem-me surpreendido bastante esta rubrica!

    ResponderEliminar
  3. Eu adoro fazer isso :) Perco muito tempo a reparar nos diversos pormenores que tornam as pessoas tão distintas. E faço-o também na minha cidade, porque não conheço nem um terço das pessoas que cá residem.

    ResponderEliminar
  4. Também é algo que adoro nas cidades, e o facto de eu nem me preocupar se vou encontrar alguém que conheça, e nem me preocupo em parecer, simplesmente ajo como acho que me apetece.

    ResponderEliminar