TEMPO DE ANTENA | Ensino Superior: Relações Internacionais

"Como nota introdutória, quando estava no 9º ano e, vejam bem, isso já tem muitos anos, tive que tomar uma das decisões mais difíceis da minha vida. Eu acho que uma pessoa com 14 ou 15 anos não tem bem ainda a noção daquilo que quer da vida, quanto mais tomar uma decisão que afectará e condicionará a escolha de um curso de ensino superior no futuro. Embora eu gostasse muito de todas as disciplinas - menos Educação Física... “Vai, gordinha!” - optei por escolher "Ciências Sociais e Humanas" pois seguir algo relacionado com “Ciências e Tecnologias” iria tirar a História de mim… e, para quem me conhece, sabe que eu adoro História e não poderia terminar a minha relação com ela no 9º ano. 

No fim do 12º ano do curso de Ciências Sociais e Humanas e com uma média de quase 16 valores, candidatei-me ao ensino superior. Aquilo que eu pretendia era enveredar pelo curso de Ciências da Comunicação porque gostava de escrever e, pensava eu, daria uma óptima jornalista ou repórter e adoraria ter uma coluna de crónicas num jornal local… Carrie Bradshaw, too much? Contudo, entrei na minha segunda opção, apenas. A média do ano 2008 em CC esteve altíssima e eu fui, automaticamente, colocada na segunda opção. Licenciatura em Relações Internacionais, na Universidade do Minho. (Universidade do Minho porque abandonar a minha cidade não era algo que queria fazer). 

No ínicio e meio conturbada, aceitei a ideia e fui inscrever-me. Não sabia bem o que esperar mas sabia que a História estaria bem presente e, além do mais, trazer-me-ia a possibilidade de aprender novas línguas. Isso trouxe-me algum conforto. 

O pior veio depois. A Licenciatura em Relações Internacionais é basicamente um curso ligado a várias áreas de ensino. Tem história, sim senhor. Tem línguas, sim senhor! Mas tem também economia, comércio exterior, ciência política, filosofia de ideias políticas e sociais, marketing, áreas do Direito e, obviamente, o estudo das Relações Internacionais entre Estados que envolve a diplomacia. 

Ainda me lembro do meu primeiro ano. Via os meus colegas super apaixonados com a cadeira de História das Ideias Políticas e Sociais e Ciência Política e eu ali… a sentir-me dentro de um barco, num mar desconhecido e sem saber direito onde atracar. Quando me perguntaram qual seria o meu objectivo com o curso, lembro de responder a mesma coisa que outra miúda só para parecer bem… mas, na realidade, não sabia. E nem tenho a certeza se sei hoje. 

O curso de Relações Internacionais tem saídas profissionais ligadas à carreira diplomática, carreiras políticas e um trabalho nas instituições europeias é algo que pode ser cativante. Além disso, a gestão de empresas com o título de “Gestora de Relações Internacionais”, também seria bonito. Por causa das novas línguas aprendidas, o ensino é uma carreira aceitável… assim como empregos na área da tradução. E, pela sua vertente económica, trabalhar em bancos ou outras instituições financeiras é outra das opções. Fica estendido o ensino e a investigação a todas as áreas, também. 

Em suma, o curso apresenta um leque tão variado de saídas profissionais que - com a esperança de eu vir a encontrar-me - decidi ficar. Foi pelas línguas e pela História, não aquela a que estava habituada, mas por uma História das Relações Internacionais e da diplomacia que fui aguentando. Porque, sinceramente, eu não poderia odiar mais tudo relativo a economia e comércio internacional. Até as cadeiras de Direito eram mais suportáveis. 

Por razões económicas - pois estudar no ensino superior não é de todo barato - tive que abandonar o curso por 2 anos. Reingressei este ano lectivo e estou agora a licenciar-me (finalmente!). O barco está quase a atracar e apesar de tudo… do ódio pelo Comércio Internacional, pelo aborrecimento de filosofar com Thomas More, pelos pontapés que quis dar em matérias como o funcionamento da União Europeia (toda! Detalhe por detalhe) e pelo peso carregado pelo livro gigante de Direito Internacional, trago um balanço positivo: 

Aprendi novas línguas: dou uns toques no Russo, consigo compreender bem o Francês e vou falando Italiano embora falte a chance de ir praticando. O estudo tão diversificado que adquiri, abre-me portas no mundo da empregabilidade e, notavelmente, contribuiu para me tornar numa pessoa que pode falar bem (ou melhor) a respeito de várias coisas. Como disse, ainda não tenho bem a certeza se me encontrei, mas no momento… a coisa que mais vejo tirar proveito desta Licenciatura é de seguir a gestão de uma empresa. 

Enfim… Estás a pensar em entrar em Relações Internacionais? Desejo-te sorte e vontade de mergulhar neste mundo. O meu testemunho não é o mais feliz nem o mais empolgante sobre o curso mas, quiçá, o problema não é deste… é meu. Podem visitar o site para mais informações sobre o curso na mui nobre academia minhota."

Europe

Catarina, Aluna do Terceiro Ano da Licenciatura em Relações Internacionais na Universidade do Minho.

[Se tiverem dúvidas ou questões podem deixá-las na caixa de comentários. A Catarina irá responder às vossas perguntas no mesmo espaço assim que possível.]

11 comentários:

  1. Obrigada por este testemunho , como alguém que vai desistir de um curso para mudar para um curso bastante parecido com este (Línguas e Relações Internacionais) foi-me mesmo muito útil! E confesso que apesar do tom não tão positivo e apaixonado, deixou-me com ainda mais vontade de tirar este curso! É mesmo o que eu quero :)
    As maiores felicidades para a Catarina!

    ResponderEliminar
  2. Estou a adorar estes posts "Tempo de Antena", muito úteis para quem vai candidatar-se à universidade (como eu).
    Serás que podias fazer um post sobre Enfermagem? Acho que ainda não vi um por aqui. Fica a sugestão :)
    Beijinhos,
    Cherry
    http://lifeofcherryblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se encontrar alguém disposto a escrever sobre esse curso, claro que sim (: mas já perguntei na página do facebook e ainda ninguém se pronunciou... Acho que não tenho seguidores (futuros) enfermeiros /:

      Eliminar
    2. Obrigada de qualquer maneira :)
      Se para o ano continuares com estes posts, podes me contactar a mim, que eu pretendo seguir o curso de enfermagem :)
      Beijinhos,
      Cherry
      http://lifeofcherryblog.blogspot.pt/

      Eliminar
    3. Obrigada pela disponibilidade! Vou tentar arranjar um testemunho ainda este ano, de qualquer forma (:

      Eliminar
    4. Olá Carolina quanto à enfermagem ela se calhar é capaz de ajudar http://owlonmarsz.blogspot.pt/ beijinhos.

      Eliminar
    5. Obrigada Inny! Já a convidei, espero que aceite (:

      Eliminar
  3. O meu curso no tempo de antena!!
    Escolhi fazê-lo porque adoro a parte económica da história, e porque como a Catarina diz as saídas profissionais são alargadas. Também não tenho a adoração pela ciência politica ou por cadeiras como "Sistemas Jurídicos Internacionais" mas reconheço que é um complemento a cadeiras como História do presente ou Proteção Internacional dos Direitos Humanos :)
    As línguas como o inglês, francês e alemão ajudam a melhorar o currículo, e a minha faculdade (universidade de Lisboa) ainda organiza simulações (do G20, da Liga Árabe ou do Parlamento português).
    Acho que é uma questão de fazer uma pesquisa mas também pensar naquilo que o mercado de trabalho vai pedir daqui a 3 anos! :)

    ResponderEliminar
  4. Falei com uma amiga já mais velha que se licenciou em relações internacionais e ela não podia ter adorado mais. Parece me bastante interessante :)

    ResponderEliminar
  5. Como já tinha dito, foi uma honra dar o meu testemunho para o Lucky 13!
    Obrigada!

    ResponderEliminar