TEMPO DE ANTENA | Ensino Superior: Análises Clínicas e Saúde Pública

"No secundário perguntavam-me o que queria seguir, eu respondia sempre Medicina, aliás, era o que respondia desde sempre. A minha média não era nada má e tinha a ideia de me candidatar a Medicina Naval... até chegar a altura dos exames. Ainda hoje não sei porquê, mas um dos exames necessários correu-me tão mal que tive que começar a pensar em virar-me para outro curso. 

Queria algo na área da saúde, isso era certo, mas quando olhava para os cursos que existiam... Não tinha muito tempo para escolher. Sabia que enfermagem não ia ser, nunca me imaginei a exercer essa profissão, embora fosse umas das escolhas mais óbvias de quem quer ingressar na área. 

Acabei por escolher Análises Clínicas e Saúde Pública. Não sabia nada do curso, sabia que era o que aquelas senhoras (isto porque a maior parte são mulheres) faziam quando temos análises para fazer e muito menos me via a viver no Algarve, em Faro, mais precisamente. 

Hoje, a um ano de terminar o curso, digo-vos que foi a melhor coisa que fiz, tanto candidatar-me a este curso que aprendi a gostar, como sair de casa dos pais e ir estudar para “fora”. 

Vou começar por falar-vos da cidade e da Universidade que escolhi. Faro, capital do Algarve. Delimitada pela Ria Formosa, onde eu adoro passear e tirar fotografias no momento do pôr-do-sol, com a marina e espaços verdes que merecem visita. Especialmente nos dias de calor, gosto de visitar a parte antiga que tem muitos cafés com esplanadas com vista para a Ria. No verão, a cidade enche-se de turistas, como seria de esperar e verdade seja dita, na época de exames do 2º semestre é muito difícil ficar em casa a estudar quando temos várias praias mesmo ali ao pé. Além de que viver em Faro não é tão caro como em alguma outras cidades. 

A Universidade do Algarve tem na cidade de Faro três campus: Campus da Penha (politécnico), Campus da Saúde (politécnico) e Campus de Gambelas (universitário) e ainda um campus em Portimão. É conhecida internacionalmente especialmente nas áreas de ciências do mar, gestão turística e biotecnologia. 

Agora o curso. São quatro anos de licenciatura e, na Universidade do Algarve, os primeiros três anos são de teórica e o último é um ano inteiro de estágio curricular (este planeamento pode mudar de Universidade para Universidade). A parte boa deste curso é que ao terminar a licenciatura podemos começar a exercer a profissão, o que não acontece em outros que exigem especialização. Nos primeiros três anos passamos pelas anatomias e fisiologias, patologias, químicas e bioquímicas, genética e investigação na área da saúde, sendo estas as cadeiras mais gerais que temos, depois pela Microbiologia, Hematologia, Química Clínica, Imunohemoterapia e Saúde Pública, as áreas mais especificas. É muita matéria só para três anos, foram muitas as noites de direta, as poucas festas a que fui (há quem aproveite a vida universitária ao máximo, mas depois acaba por ficar lá mais anos do que o suposto) e dá muitas dores de cabeça. Por outro lado é um curso muito prático, com imensas aulas práticas onde podemos fazer, mexer e aprender, o que é estimulante. 

Como vos disse acima, quando escolhi este curso não tinha ideia do que se fazia. Vou-vos dar alguns exemplos: 

Na área de Hematologia, uma das minhas preferidas, aprendemos a tirar sangue uns aos outros e a analisá-lo, ou seja, estudamos as células que o compõe, desde eritrócitos, leucócitos e plaquetas, aprendemos as distinguir o que é normal e o que não é, e as patologias associadas; * Se a Hematologia é mais virada para a parte celular, a Química é mais para os componentes não celulares sanguíneos ou não só. E digo isto porquê? Porque realmente analisamos TUDO! Todos os líquidos (e não só) que estão no nosso corpo e os que saem dele são analisados. 

Na Microbiologia, estudamos as bactérias, parasitas, vírus, fungos e, como sempre, as patologias associadas. Podemos semeá-las em laboratório, vê-las crescer, identifica-las e, posteriormente, determinar qual o antibiótico (no caso das bactérias) é o mais eficaz. 

A Imunohemoterapia, outra das minhas áreas favoritas, está relacionada com as recolhas e transfusões de sangue. Desde o estudo do sangue do dador até ao doente. Para mim, esta é a área onde temos uma maior responsabilidade em mãos, não é que as outras não tenham, mas... nem sei explicar, é realmente uma área muito bonita e talvez onde estamos mais próximos do doente. 

Por fim, mas não menos importante, temos a Saúde Pública. Estudam-se os alimentos, desde as adulterações que os comerciantes e/ou fabricantes fazem tanto a nível de valor nutricional, como no aspeto ou mesmo nos prazos de validade (por causa destas cadeiras já deixei de comer muita coisa que anda a ser vendida). Tenho também a parte das águas, tanto de piscinas, das praias, de furos ou mesmo aquela que é para consumo humano e, como uma professora minha diz citando alguém: “Quem se engana numa análise de sangue ou urina pode matar uma pessoa, quem se engana numa análise de água para consumo pode matar centenas. Nos laboratórios dos hospitais tratam-se as tragédias pessoais, nos laboratórios de saúde pública evitam-se as tragédias populacionais. Se os últimos não fizerem bem o seu trabalho, não haverá hospital suficientemente grande para acudir a todos”

Para aqueles que estão a pensar candidatar-se a este curso ou a Anatomia Patológica, Citológica e Tanatológica, tenho uma informação importantíssima para vocês. Ambos os cursos fundir-se-ão dando origem a um novo curso chamado Ciências Biomédicas Laboratoriais, não só na Universidade do Algarve, como em todas as outras que têm um dos dois cursos. Na verdade é algo que, para mim, faz sentido. Os cursos são, em parte, muito semelhantes, sendo que diferem nas áreas especificas. Com o novo curso, o leque de oportunidades será maior, uma vez que ficamos com acesso a duas carreiras, além de que vai ser mais fácil obter reconhecimento no estrangeiro."

Parasitological test in microbiology section 💩💉

 Jéssica, Aluna do Terceiro Ano da Licenciatura em Análises Clínicas e Saúde Pública na Universidade do Algarve. 

[Se tiverem dúvidas ou questões podem deixá-las na caixa de comentários. A Jéssica irá responder às vossas perguntas no mesmo espaço assim que possível.]

8 comentários:

  1. Respostas
    1. Ainda não me arrependi de o ter escolhido :)

      Eliminar
  2. Eu nunca estive interessada em enveredar por uma área ligada a saúde como carreira profisional... Embora, em pequena e porque via uma prima minha, queria ser veterinária. Mas passou. No entanto, esta temática de análises clínicas, o sangue e principalmente a microbiologia interessa-me bastante... mas apenas como um saber comum, de cultura geral. :)

    R: O meu curso é Licenciatura em Relações Internacionais, na Universidade do Minho.

    ResponderEliminar
  3. R: Posso dar! Não vai ser é o mais positivo... eu acho! :) Como faço? Escrevo e envio-te pelo facebook ou assim?
    Obrigada pelo "boa sorte". Uma eu aposto que vai para a época especial mesmo, mas o exame de hoje até que correu bem... a não ser que eu estivesse muito errada no que andei a escrever. Estou farta de ser estudante, hahaha

    ResponderEliminar
  4. Se estivesse a ingressar este ano, decididamente era esse o curso a que me candidatava. Especialmente pela fusão com anatomia patológica, citológica e tanatológica.

    ResponderEliminar
  5. Não conseguia ir para esse curso, eu e as agulhas hehe

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelo que os meus professores nos dizem, não é obrigatório a parte das picadas e das agulhas... Pode-se ficar só mesmo pela parte laboratorial.

      Eliminar
  6. Era uma das minhas opções, caso não entrasse na primeira. Acho muito interessante :)

    ResponderEliminar