Thirteen

TURISMO | Turismo da Morte

O "Turismo da Morte" é um segmento relativamente recente que se prende com a (i)legalidade da Eutanásia; é o acto de viajar para outro país - onde a Eutanásia é legal - com o objectivo de recorrer ao suicídio assistido. É um tipo de Turismo muito popular na Suíça, por exemplo, e nada tem a ver com visitas a cemitérios (a isso chamamos "Necroturismo"). O doente terminal viaja com a sua família à procura duma morte digna (prática à qual não tem acesso no seu país de origem) e evita os tratamentos dolorosos e as dificuldades que a sua patologia acarreta.

Contudo, existem países - como a Holanda, se não estou em erro - onde a Eutanásia é legal apenas para os seus residentes (os cidadãos do país podem recorrer à Eutanásia mas os estrangeiros não podem viajar com esse objectivo) e existem ainda outros onde a Eutanásia é totalmente ilegal - como acontece em Portugal. No primeiro caso funciona como uma espécie de salvaguarda política que evita algumas situações internacionais e a questão que se coloca é só uma: será correcto validar ou negar o acesso à Eutanásia pela nacionalidade do cidadão que a procura?

Confesso que ainda não tenho uma opinião bem formada sobre este assunto. Já ouvi opiniões contraditórias sobre a Eutanásia e o "Turismo da Morte" mas ainda não fui capaz de apoiar inteiramente nenhuma das teses. É um tema delicado que envolve questões éticas, financeiras, políticas e culturais e se por um lado sou a favor da legalização da Eutanásia (com protocolos e regras bem definidas), por outro a questão do "Turismo da Morte" deixa-me um pouco apreensiva pelo simples facto de ser muitas vezes vista como um negócio privado.

9 comentários:

  1. Desconhecia totalmente o conceito de turismo da morte...

    Beijinhos :)
    http://those-colorful-words.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Por acaso, há alguns dias atrás li um livro que falava sobre isso. Eu estou como tu, não tenho uma opinião formada sobre o assunto, por um lado compreendo quem recorre a este tipo de serviços para pôr fim à sua vida, mas por outro lado não gosto que hajam pessoas a ganhar dinheiro à custa do sofrimento de outros.
    Beijinhos,
    Cherry

    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar
  3. Não conhecia este conceito, e sinceramente fiquei surpresa. Não por ser contra a eutanásia, porque acredito que isso é uma decisão que as pessoas que estão em sofrimento é que podem tomar. Mas fazerem disso um negócio é algo que não sei bem em que pensar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acaba por ser polémico nesse sentido uma vez que, apesar de ser um negócio, se baseia em dar a oportunidade de escolha a quem não o pode fazer no seu local de residência. As opiniões dividem-se exactamente por causa deste ponto e honestamente duvido que alguma vez haja uma tese consensual...

      Eliminar
  4. Eu pessoalmente sou a favor que a eutanasia possa ser legal em portugal mesmo que seja como o aborto... acompanhados de psicólogos e afins... A nossa vida como o proprio nome o diz: é nossa. Devíamos poder fazer aquilo que achamos mais correcto. Acho tantas mortes tão indignas. Enfim... isso é outro tema. Não me choca propriamente este tipo de turismo. Acho um bocado estranho ser chamado de "turismo" mas é na verdade uma viagem. Se a pessoa e a familia tem essa ideia então força. se o nosso pais não corresponde ás expectativas então é procura-las outro local. Seja sobre que questão for...

    ResponderEliminar
  5. Fui pesquisar o que era turismo de morte quando o referiste numa publicação anterior mas fique mais esclarecida com esta tua publicação :) Eu sou a favor da eutanásia, mas é estranho pensar nisso como um negócio :s

    ResponderEliminar
  6. Não fazia a mínima ideia do que era o Turismo da Morte... Quando li o título do teu post até fiquei a pensar que seriam tipo visitas a locais onde morreram imensas pessoas (tipo ao campo de concentração de Auschiwtz). Mas faz sentido que seja para pessoas que querem uma morte medicamente assistida por não quererem sofrer mais. Este tema é bastante delicado...

    ResponderEliminar
  7. fez-me lembrar as questões ligadas ao aborto e a ter que se viajar para fazer isso. Também não tenho uma opinião formada, mas algo me diz que este assunto vai ter que ser trazido à baila por cá e não vai demorar muito.

    ResponderEliminar