Thirteen

ATUALIDADE | Sexta-Feira, 13.

Está instalado o pânico na Europa. É normal. Todos temos consciência de que somos uns privilegiados e que o mundo não é um lugar totalmente seguro mas este cantinho Ocidental costumava ser. E eu acho que é por isso que, neste momento, há uma união tão forte deste lado do mundo. Não é egoísmo. Não é uma questão de raça. Paris é uma cidade próxima cujas ruas conseguimos pisar depois de duas horas de voo e vê-la assim - frágil e débil - dá-nos outra perspectiva perante actos tão negros e violentos. Não significa que não nos importemos com a Síria, o Iraque ou a Tailândia, significa apenas que essa passou a ser uma realidade próxima. E é assustador. Se o lado mais seguro do mundo já não o é, onde vamos encontrar conforto e segurança?

Quando vi as notícias, fiquei sem reacção. Tive medo, fiquei insegura, elaborei mentalmente mil e uma questões. Mas não tive reacção e não disse nada. Tive pesadelos todos os dias - ou todas as noites - desde então. Os atentados da passada sexta-feira em Paris deixaram marcas - em mim, na Europa, no Mundo - e por muito que me digam que o Bem vence sempre, neste momento eu não sinto isso. Não sinto.

Eu estava em Lisboa quando ocorreram os atentados e apesar de saber que Portugal é um país privilegiado, não consegui deixar de pensar no que aconteceria se houvesse uma emergência da mesma dimensão. Longe do meu ambiente e das minhas pessoas, eu só conseguia pensar no quão difícil deve ser viver numa Capital, não pelo trânsito ou pela confusão mas pela susceptibilidade e reconhecimento internacional. Quão difícil será aprender a viver numa cidade segura que, de repente, deixa de o ser?

4 comentários:

  1. O mundo começa a ser um local assustador. Já vivi em Paris, é a minha segunda casa. E custa-me ver o que fizeram aquela linda cidade

    ResponderEliminar
  2. É horrível. Também tenho tido alguns pesadelos e não é uma coisa muito normal em mim...
    Eu adoro Paris e tanto agora como em Janeiro, na altura do ataque a Charlie Hebdo estava a planear ir lá. Mas se já nem aqui me sinto segura, nem imagino lá.
    Quanto aos comentários de não ligarmos a outros problemas no mundo e focarmo-nos só no que acontece na França, há pessoas que não percebem (ou não se sensibilizam tão facilmente) que é por uma razão familiar, quase toda a gente tem família em França e porque é uma realidade mais próxima, alias, é na Europa, é normal que as notícias tenham isso mais em conta...

    ResponderEliminar
  3. Paris é das minhas cidades de eleição. já lá estive várias vezes e tenciono lá voltar. a namorada do meu irmão estava lá, tinha chegado de manhã. fiquei super assustada. se fosse eu, provavelmente estaria no centro àquela hora, porque quero sempre ver Paris à noite. passei o fim de semana super assustada, não conseguia dormir, não conseguia sequer estar sozinha em casa. agora estou mais calma :)

    ResponderEliminar