Thirteen

QUOTIDIANO | Palavra-Chave: Aprendizagem

Em 2013 escolhi a palavra mudança para classificar os doze meses que lhe pertenceram e em 2014 optei pela palavra intensidade porque achei realmente que era o vocábulo que melhor combinava com os 365 dias que vivi. Em 2015, aprendizagem é a minha palavra.

2015 foi realmente o ano em que descobri mais sobre mim própria, sobre os meus objetivos, sobre as minhas relações e sobre o mundo. E podia perfeitamente abordar com detalhe cada um destes pontos mas prefiro, em vez disso, focar apenas aquilo que merece destaque. Como a nossa primeira viagem a dois, os passeios por Terras de Sua Majestade, o fim-de-semana prolongado em Lisboa e os dois dias em Verim. Como os Festivais de Tunas - o LIRA, o FITU e o CELTA -, o meu primeiro (verdadeiro) Enterro da Gata, a Gala de Fim de Ano e a Ceia de Natal da UCP (com direito a elogios inesperados). Como o concerto do David Fonseca e as viagens de carro em boa companhia e ao som de Coldplay. Como o casamento da Lili e do Filipe. Como o meu vigésimo aniversário e a festa surpresa que conseguiram preparar para mim, as flores e chocolates que recebi e os balões com números que sobreviveram mais tempo do que o previsto (e que ainda estão no meu quarto).

As pessoas não são infinitas. A minha ansiedade não me define. Fotografar muito não é um defeito. Escrever faz bem à alma. Massa Carbonara combina com todas as estações do ano. Os verdadeiros amigos não cobram, compreendem. Os meus limites são estabelecidos por mim. Londres é uma cidade ainda mais bonita do que aquilo que eu me lembrava. "Não" é uma resposta tão válida como "Sim". A família é insubstituível. Não há nada mais enriquecedor do que uma viagem. A organização treina-se. Pedir ajuda não é sinónimo de fraqueza. Menos é mais. Nem todas as pessoas são bondosas. O positivismo é meio caminho andado para o sucesso. O amor mede-se pela inclusão da outra pessoa nos nossos planos futuros. Gostar de celebrar o meu aniversário não me transforma numa pessoa egoísta. Todos os dias são bons mas nem todos os momentos o são. As cartas de amor não passam de moda. Há muito para descobrir em cada passo, em cada respiração, em cada conversa, em cada texto, em cada gesto.

2015 foi o ano da fotografia, da moda, da informática e da luta por um Cortejo marcante e divertido. Foi o ano dos trabalhos, das frequências, dos exames, dos projetos e dos dias de sol. Foi o ano dos cupcakes, das francesinhas e dos detalhes decorativos espalhados pelo quarto. 2015 foi o ano em que três inconscientes me escolheram como Madrinha de Praxe e o ano em que senti que tinha dado tudo - e mais um bocadinho - na minha vida académica. Em 2015 eu conheci muita gente, chorei baba e ranho durante a Serenata (com a certeza de que chorarei o triplo no ano que se avizinha), partilhei capas negras, fui baptizada pelo João, fiz um álbum de memórias londrinas, fui alvo das melhores declarações de amor, fotografei muito, mantive o meu quarto arrumado, consegui comprar o meu MacBook Pro e mais uma máquina fotográfica instantânea (Lomo Instant Camera), usei uma agenda até ao fim, cuidei de mim mais vezes e escrevi muito no blogue. Em 2015 eu tirei a carta de condução, alcancei resultados fabulosos na Faculdade, perdi-me entre pipocas e filmes, dei mais importância à Cultura, à Família e ao Amor e transformei-me numa pessoa mais organizada, mais destemida e mais consciente. Em 2015 eu corri riscos, saí da minha zona de conforto, fui a uma entrevista e cresci muito como pessoa, como aluna e como mulher. No último dia do ano, eu tenho muito orgulho em mim mesma. 

2015 foi o ano dos amuos, das gargalhadas, das partilhas de bebidas frescas, da edição de imagens, das roupas novas, das saídas até às tantas, dos novos espaços, dos sorrisos, das estradas sem trânsito, do nó na garganta, dos passeios bonitos entre luzes de Natal, dos medos, dos sustos, das músicas cantadas em uníssono e das saídas vitoriosas entre caminhos duvidosos. Em 2015 eu disse "não", eu venci uma guerra depois de muita luta, eu dei corda às sapatilhas, eu trabalhei por mim, comecei um novo tratamento para a ansiedade, dediquei-me e senti que merecia tudo o que de positivo me aconteceu. 2015 foi o ano das pequenas grandes conquistas pessoais e o ano em que mais aprendi. Estou preparada para receber 2016 e as etapas que se avizinham.


12 comentários:

  1. Gostei tanto, mas tanto do que escreveste! Ha aqui coisas que eu própria poderia ter escrito e desejo-te tudo de bom para este 2016! :)

    ResponderEliminar
  2. Adoro as tuas retrospectivas anuais e nunca me decepciono! Foi um ano incrível Carol para uma pessoa incrível com tu e espero que tenhas imenso orgulho em todas as tuas conquistas. Bom ano, Carolina! :)

    ResponderEliminar
  3. É tão engraçado ler este texto e ir recordando as tuas publicações sobre os mais variados assuntos aqui referidos. Só mostra que, de uma forma ou de outra, o teu blogue e as tuas palavras acabam por marcar. Aprendemos com os teus erros, rimos das tuas histórias e parece que vivemos juntos os momentos que aqui referes. Foi bom acompanhar-te em 2015, mesmo com todos os altos e baixos. Deixei de vir cá tantas vezes nestes últimos meses, mas continuo a acompanhar-te diariamente. E é bom ver o teu crescimento. É bom perceber quando não estás a cem por cento e quando estás mais motivada do que nunca. Nota-se, assim, que és transparente. E, enquanto blogger, não te podemos pedir mais nada. Parabéns Carol! E um bom 2016. Vai ser incrível :)

    ResponderEliminar
  4. Que texto maravilhoso, Carolina. Um ano resumido, tão, tão bem...com tudo de bom e de mau - e com muita aprendizagem e, claramente, crescimento. Que 2016 seja ainda melhor! <3

    Jiji

    ResponderEliminar
  5. Não estavas a brincar quando disseste que 2015 foi um ano de aprendizagens. Depois de ler este texto magnífico, fico bastante feliz por ver que o ano te tenha corrido bem, te tenha ensinado a ser uma pessoa melhor, mas que acima de tudo, te tenha feito aperceber que vale sempre a pena sorrir, mesmo quando estamos num momento mau.
    Desejo-te um 2016 mais feliz e que ele te ensine muitas mais coisas.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. não conseguia escolher apenas uma palavra para este ano, mas sem dúvida que aprendizagem foi uma das palavras que caracterizou este ano.

    ResponderEliminar
  7. 2015 foi bom mas espero que tenhas um 2016 ainda melhor :)


    www.asofiaworld.com

    ResponderEliminar
  8. Imagina o que chorarias se tivesses um curso de 6anos... o que chorarias😉

    ResponderEliminar
  9. Ainda bem que esta foi uma das 20 publicações que mais gostaste de escrever, pois já me tinha esquecido como esta teve tanto impacto e nem sequer é sobre mim. Aprendizagem. Não pelas mesmas razões, mas 2015 foi também um ano em que aprendi imenso sobre mim, em que percebi o que posso fazer melhor por mim e pelos outros. Aprendi que devemos sempre saber como estar sozinhos, mas não estamos necessariamente sozinhos no mundo, na vida, no dia-a-dia. Aprendi que o laço familiar que tenho com a minha mãe e com a minha irmã só está lá devido ao enorme amor, à grande compaixão e à eterna preocupação que nos une. Aprendi que a felicidade também residia na possibilidade de ter um irmão (que agora tenho). Aprendi a ouvir o meu instinto no que se trata de percurso escolar/académico. Aprendi que a faculdade é desafiante, mas, se nos dedicarmos e esforçarmos, obtemos os resultados que pretendemos.
    Aprendi a amar melhor, a sorrir melhor, a ajudar mais, a abraçar muito, a chorar o que preciso de chorar, a cantar com a pessoa do lado, não a deixando jamais caminhar sozinha.
    E, com imensas das tuas publicações como esta, aprendi a reflectir mais e a ouvir o que a minha mente tanto fala!
    Por isso, obrigada Carol, por estares desse lado e ajudares pessoas como eu, deste lado, que muitas vezes se perdem, porém, encontram o caminho de volta neste cantinho! 😊
    Um beijo.
    Joana.

    ResponderEliminar