SWEET CAROLINE | "Tu importas."

No final de Outubro deparei-me com uma situação inédita que me marcou profundamente. Mexeu com a minha ansiedade, com a minha autoestima, com a minha saúde, com a minha autoconfiança, com a minha atitude perante o espelho e os outros. Nunca o confessei mas, por dentro, fiquei miserável e essa foi uma fase difícil porque me levou a questionar tudo aquilo que construí, tudo aquilo que sou, todas as minhas atitudes, todos os meus passos, objetivos, gestos e riscos.

Contudo, ao mesmo tempo, apesar da minha posição nitidamente enfraquecida e em desvantagem, eu decidi que não ia deixar que a situação se repetisse - nem comigo nem com mais ninguém. Ninguém tem o direito de me amedrontar, de me intimidar, de me envergonhar, de me inferiorizar, de me difamar. Não. A minha idade ou a minha condição de estudante não são um livre-trânsito para faltas de respeito. Não. Eu não deixo que me rebaixem, ainda que tenha medo das consequências. Não. Eu mantenho a postura e não faço alaridos - muito menos quando sou apanhada de surpresa - mas enfrento a batalha e dou luta. Com medo? Sim. Com um coração a mil? Sim. Com esperança? Sempre.

Ganhei a guerra. Encabecei uma mudança sem sequer me aperceber disso e em retrospectiva aprendo que o estatuto não protege ninguém das consequências quando a maldade lhe está entranhada na pele e a vontade de ser superior atinge proporções absurdas. Eu tenho mais força do que aquilo que imagino ter e a minha consciência será sempre uma mais-valia contra aqueles que se olham como detentores da verdade e do mundo. Escolher não ficar calada foi a decisão mais difícil que tomei este ano mas foi também a mais correta e os resultados estão à vista tanto para mim como para muitas outras pessoas que jamais serão obrigadas a passar pelo mesmo.

Saí vitoriosa da situação por estar rodeada de pessoas fabulosas mas também porque a minha vontade de colocar um ponto final numa idiotice sem nexo falou mais alto. Já não era só eu em jogo, eram os meus amigos, os amigos dos meus amigos, os amigos dos amigos dos meus amigos. "A união faz a força". E eu acho que nunca me tinha sentido tão protegida. Foi uma chapada de luva branca.

6 comentários:

  1. Por muito desagradáveis algumas situações sejam, e por muito mal que fiquemos com elas, muitas vezes fazem-nos descobiri forças que nem sabíamos que tinhamos. Vamo-nos abaixo, mas quando o instinto de sobrevivência fala mais alto saímos vitoriosas, e com a auto-estima reforçada :)
    Quase que nos deixam a tentação de pensar que afinal até valeu a pena :)

    http://apelequehabitoblog.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  2. Ainda bem que não baixas te a cabeça!

    ResponderEliminar
  3. Nunca baixar a cabeça nem nunca baixar os braços!
    Todas estas situações menos boas ajudam-nos a crescer e a ficar mais fortes e mais confiantes!

    ResponderEliminar
  4. Carolina... a maneira como te descreveste neste texto é a ideia que eu tenho de ti. És forte, lutadora e corajosa. Continua assim!!

    ResponderEliminar
  5. O que quer que tenha acontecido tomaste a decisão certa, a verdade é que "tu importas" é basicamente das melhores frases que devemos ter em mente nestas situações.

    ResponderEliminar