Thirteen

CINEMA | Burnt [2015]

Os filmes resultam quando existe uma boa ideia, um argumento interessante, um protagonista forte e uma equipa de produção maravilhosa. É um facto. Porém, quando a esta fórmula acrescentam uma dose industrial de frases feitas e momentos óbvios, o brilhantismo do filme acaba por se perder entre histórias de amor previsíveis e conquistas aguardadas. E foi isso que aconteceu com "Burnt". Apesar de ser um bom filme e de ter características muito fortes que cativam, "Burnt" não surpreende.

Deixando de parte os clichés assumidos pela longa metragem e focando os pontos positivos, destaco Bradley Cooper - que carrega o filme às costas com competência e profissionalismo e que dá vida  ao grande ecrã através da personagem magnética e fascinante que consegue criar a cada passo - e a dinâmica de cada uma das cenas - que se desenvolvem entre tachos, panelas e aventais e ingredientes que se transformam entre discussões. "Burnt" foca o mundo da culinária duma forma crua - com zangas, dívidas, competitividade, dependências, vinganças, muita pressão, ansiedade e palavrões (Gordon Ramsay, és tu?) - mas também se desenvolve entre beijos apaixonados, críticas realistas, amizades e um bolo de aniversário amoroso.

Acredito que as personagens secundárias poderiam ter dado um encanto diferente ao filme se as suas vidas tivessem sido aprofundadas (e nem precisavam de ocupar uma parte significativa da obra cinematográfica) mas tal não acontece e por isso "Burnt" é um filme previsível. Se é bom? É. Mas não tem um argumento por aí além e o brilhantismo de Adam Jones (o chef) é limitado pelo teor da história.

Há pratos maravilhosos a desfilar em frente às câmaras, a fotografia cativa e Londres foi uma boa escolha (o que há para não gostar nesta cidade?) mas apesar de tudo isto, "Burnt" não tem uma história poderosa e se retirarmos o perfeccionismo, a magia do simples acto de cozinhar (e toda a paixão que tal gesto exige), a dedicação e a exploração das emoções, ficamos com pouca coisa. "Burnt" é uma longa metragem leve que resulta de diferentes formas porque faz com que o espectador sinta empatia com as personagens e porque foca a superação pessoal e a perseguição dos sonhos mas é um filme de fim-de-semana e, nesse sentido, não podemos ter padrões de exigência muito elevados. Se assistirmos de forma descontraída e tendo em mente estes pontos, não ficamos desiludidos. Eu, apesar da previsibilidade que lhe está associada, gostei bastante.

6 comentários:

  1. Apesar de tudo, eu até gostei do filme e da história :) Claro que é previsível e não é brilhante, mas gostei igualmente!

    ResponderEliminar
  2. Vi-o há dias e também gostei, sem dúvida que o que lhe dá aquele wow é o mundo das panelas que eu adoro

    ResponderEliminar
  3. Não gostei, sabes logo o que vem a seguir, como disseste é previsível :)
    R: Obrigada!

    ResponderEliminar
  4. Por acaso é daqueles que queria ver por curiosidade - gosto de coisas à volta de cozinha, que se há de fazer! Oh well...todos precisamos de filmes de fim-de-semana de vez em quando!

    Jiji

    ResponderEliminar
  5. Sou uma apaixonada por culinária portanto este filme está na minha lista ;)

    ResponderEliminar