Thirteen

POLÍTICA | Presidenciais: Quais são os critérios? Serão suficientes?

Ser português - ou portuguesa -, ter mais de 35 anos e recolher um número mínimo de 7500 assinaturas é tudo o que um cidadão - ou cidadã - precisa para se candidatar à Presidência da República. Mas não será este um cargo demasiado importante para se limitar a três critérios tão vagos? As opiniões dividem-se. Se por um lado há quem defenda que todos os cidadãos devem ter acesso ao mesmo conjunto de oportunidades, por outro lado há quem diga que é absurdo não haver mais critérios ou uma seleção mais restrita na hora de aceitar candidaturas. 

Confesso que eu própria estou ainda um pouco dividida nesta questão. E talvez por isso seja precipitado abordar este tema. No entanto, em época de campanha eleitoral e no meio de tantas discussões, não consigo deixar de colocar em cima da mesa algumas perguntas a fim de perceber a minha posição. Faria sentido limitar as candidaturas? Faria sentido criar critérios mais apertados? A formação académica e a experiência profissional deveriam ser entraves às candidaturas dos interessados? Eu acredito que sim. Um - ou uma - Presidente da República tem de cumprir certos parâmetros. A Presidência da República - ou doutra coisa qualquer - não é brincadeira.

12 comentários:

  1. Sinceramente acho que falta qualquer coisa nos critérios para os candidatos a PR, mas tal como tu, ainda não sei o que falta. Acho que ainda não sou o suficiente madura para falar destes assuntos.

    ResponderEliminar
  2. Eu também me sinto dividida com essa questão... Mas tenho mais argumentos que me fazem achar que são poucos os critérios!

    ResponderEliminar
  3. Acho absurdo terem critérios tão... superficiais!? Principalmente quando isso implica custos para o país... sim, porque cada candidato deixa a sua folhinha de "inscrição" e leva um prémio de milhares (?) de euros consigo para fazer a sua "campanha". Logo por aí, tinha de haver mais limitações! Exijam gente que já tenha algum tipo de experiência com política, que já tenha sido deputado ou o que for, sei lá... mas assim não!

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que não deve haver demasiados critérios, que acabem por levar a só uma restrista 'elite' se possa candidatar mas acho que esses três critérios são muito vagos! Penso que a presidência da república é um assunto demasiado sério para que qualquer pessoa se possa candidatar!

    ResponderEliminar
  5. A meu ver antes de um politico ou não se candidatar a qualquer trabalho representativo do estado devia ter um escrutínio às suas contas, trabalhos passados, estudos académicos e tudo mais... em vez da sua vida privada. Interessa-me saber se descontou tudo o que devia, ser não cometeu nenhum crime fiscal mais do que se a mulher tem qualquer doença, se a traio ou se os filhos fizeram x ou y. Casos Sócrates e casos relvas em que pagaram para ter a licenciaturas são bons indicativos de quem não devia ter cargos públicos! Não acho necessariamente que se devia ter um curso para governar mas acho que se o tem, tem-se de perceber se foi tirado legalmente.

    ResponderEliminar
  6. Julgo que outro requisito é ter votado em todas as eleições, alguém que se absteve não se pode candidatar à Presidência (mas pode aos restantes cargos). Concordo que o cargo não é nenhuma brincadeira, mas creio que não é por ter critérios menos vagos que vamos arranjar melhores presidentes. Alguém com imensos cursos tanto pode ser bom como mau. No entanto percebo que te questiones relativamente a isso, parece ser demasiado simples. Pessoalmente quero é presidentes independentes, honestos e capazes, não preciso de um que tenha imensos cursos ou imensa experiência política (até porque, como acho que a história política do nosso país nos tem demonstrado, isto não quer dizer rigorosamente nada). Quanto ao dinheiro que sai do Estado não me parece que seja grave, porque no fundo só os que têm mais de 5% de votos é que ganham qualquer coisa a seguir - e nas presidenciais conseguir 5% é difícil, os votos acabam sempre muito concentrados em duas (nestas eleições, provavelmente três) pessoas.

    ResponderEliminar
  7. Tenho que concordar contigo. Formação académica e prova de idoneidade para mim seriam essenciais - o problema é como fazer essa prova...porque sem isso, caímos sempre no mesmo: as campanhas eleitorais transformam-se em circos e não em discussões sérias. Boa questão, bem levantada!

    Jiji

    ResponderEliminar
  8. Eu acho sinceramente apenas três critérios é pouco (contando também o 4º de ter sempre votado). É um cargo demasiado importante e demasiado sério para estar restrito a apenas três "coisinhas"...

    ResponderEliminar
  9. Eu, tal como tu, ainda me sinto um pouco dividida relativamente a esta questão... No entanto, começo a acreditar que devia haver mais critérios. Quais? Não sei bem...
    Beijinho*

    ResponderEliminar
  10. Eu também concordo! o Presidente da República é a figura mais importante do país, é ele que tem o maior poder, deviam ser colocadas mais restrições, para o cargo ser ocupado por pessoas competentes. Confesso que apenas este ano é que soube que basicamente qualquer pessoa pode se candidatar ao cargo..

    ResponderEliminar
  11. Os critérios são poucos, são, vê-se bem nestas eleições. Que palhaçada, com todo o respeito.

    ResponderEliminar
  12. Para dizer a verdade, nunca tinha pensado muito sobre isso, mas depois de ler aquilo que escreveste tenho de concordar. os critérios são, de facto, bastante vagos, no entanto também fico um pouco dividida porque isso até pode trazer algumas vantagens.

    ResponderEliminar