TURISMO | Free Tours

Muitas são as cidades onde podemos encontrar visitas guiadas gratuitas. São uma prática cada vez mais comum - sobretudo durante a época alta - e baseiam-se num conceito muito simples: há um ponto de encontro em dias/horários previamente definidos (sem marcações ou reservas!), há uma pessoa responsável pela visita e, no fim, nenhum turista é obrigado a pagar pelo serviço (daí o nome). É habitual cada visitante contribuir com um valor à sua escolha - apelidado de donativo - mas não existe uma tabela de preços e, nesse sentido, acaba por ser uma opção para quem viaja com pouco dinheiro ou/e quer descobrir a cidade a pé com a ajuda dum guia turístico que conhece as histórias, curiosidades e lendas da localidade. 

As Free Tours têm sido bem aceites (especialmente num primeiro contacto com o destino) uma vez que este pequeno passeio dá ao visitante uma noção mais nítida da dimensão da cidade e melhora o seu sentido de orientação/localização permitindo-lhe ainda conhecer alguns pontos turísticos por um preço mais reduzido (ou a custo zero). E este tipo de visitas têm sido um verdadeiro sucesso (tanto para os consumidores como para os guias turísticos/empresas que baseiam a sua atividade nesta modalidade) por uma razão óbvia: o turista só paga aquilo que considera justo e não faz exigências ou reclamações.

No entanto, esta modalidade de visita também tem despoletado uma polémica focada em dois pontos: 1) a ausência de impostos ou taxas que acabam por promover uma concorrência desleal (porque os rendimentos obtidos não são declarados - são apenas gratificações) e 2) a competência dos guias turísticos (que nem sempre estão preparados para efectuar as visitas, podendo colocar em causa não só a credibilidade do setor mas também a perspectiva do turista perante o destino).

12 comentários:

  1. Nunca optei por free tours embora já tinha visto. Considero uma forma diferente de conhecer o local mas lá está, os contras que apontaste deixam dúvidas!

    ResponderEliminar
  2. Que engraçado, não sabia que existiam. Cá em Portugal já se tentou implementar isso? Eu acho que apesar dos aspetos contra são vantajosas, porque quem quiser uma excursão mais histórica tem noção de onde deve inscrever-se e quem quiser uma visita mais descontraída e não tiver grandes possibilidades financeiras pode aproveitar melhor o local dessa maneira :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Madalena, a "free tour" não é necessariamente mais descontraída ou com menor qualidade (até pode ser realizada por empresas da área, que já têm licenças e que vêem nesta "modalidade" uma forma mais eficaz de angariar clientes e lucros). A única diferença é que é gratuita (aceitando donativos e gorjetas). Em Portugal já existem, sim :)

      Eliminar
  3. É um conceito que já me deixou a pensar - vou visitar uma cidade que as tem em breve, e estou a considerar a hipótese, por uma questão de orçamento. Mas acho que não ficaria bem com a minha consciência se não fizesse um pagamento - caramba, é uma win-win situation. Acho mais do que óbvio que qualquer pessoa com dois dedos de testa não estará à espera de ter o mesmo tipo de serviço do que numa visita paga, que até pode acontecer, mas não pode ser exigido, mas...sei lá.

    Jiji

    ResponderEliminar
  4. Apesar dessas desvantagens, parece-me uma excelente opção para quem só quer dar um saltinho de fim de semana a uma cidade. Beijinhos,
    Sofia

    ResponderEliminar
  5. Parece-me uma excelente opção! É como ter um amigo a mostrar-nos a cidade. Não é necessariamente mau ou mal feito, e até nem significa que tenha pouca qualidade. Pode bem ser gratificante para ambas as partes!

    ResponderEliminar
  6. Parece-me que, tal como disseste, é uma boa opção para quem viaja com pouco dinheiro (e tempo). Nunca fiz nenhuma mas não me importava, provavelmente é mais relaxada, o que é bom. Quanto à questão dos impostos, é um problema que se tem colocado cada vez mais. A Uber não paga impostos e no entanto tem vindo a afirmar-se no mercado. Há uma série de novas formas de trabalho que acabam por não estar contempladas na lei e, consequentemente, não pagam impostos. É complicado e não creio que seja de condenar, ninguém está a cometer nenhum crime. A questão é que a sociedade está a alterar-se muito depressa e tem sido complicado a legislação acompanhá-la (no que respeita às questões laborais).

    ResponderEliminar
  7. Eu pagaria, sem qualquer dúvida mas acho o conceito super interessante!

    ResponderEliminar
  8. Nunca fiz uma free tour, mas é uma ótima opção!

    ResponderEliminar
  9. O melhor da blogo é pessoas diferentes, com conhecimentos diferentes e coisas para partilhar. Não conhecia e acho uma excelente ideia ^^ especialmente porque não há a obrigação de mostrar só o para turista ver... isso as vezes acaba por só por si não chegar, as cidades tem tão mais para oferecer

    ResponderEliminar
  10. Eu conheci os Wild Walkers (que fazem free tours por Lisboa e Porto cá em Portugal) quando estive em Lisboa na última vez e adorei a experiência porque eles focaram-se muito na história e características do povo português. Foi uma experiência diferente :) Conheci Alfama de uma forma bastante divertida!

    ResponderEliminar