Thirteen

CINEMA | He Named Me Malala [2015]

No Dia Internacional da Mulher, que sentido teria escrever sobre outro filme ou documentário que não aquele que foi transmitido pela FOX Life há dois dias atrás? Nenhum. No Dia Internacional da Mulher, só faz sentido escrever sobre uma Mulher que se destaca apesar da tenra idade, que converge em si os valores de Humanidade mais puros e que, para além de ter sido considerada uma das "100 Personalidades Mais Influentes do Mundo" pela revista Times, venceu justamente o Prémio Nobel da Paz em 2014.

Malala Yousafzai foi baleada pelos talibãs por defender que todas as crianças deveriam ir à escola, independentemente do seu sexo. E o documentário sobre esta ativista paquistanesa e a sua vida - primeiro no Paquistão e, atualmente, em Inglaterra - acorda-nos para uma realidade diferente ainda que já tenhamos consciência dela. 

"He Named Me Malala" é um documentário linear que nos cativa pelos depoimentos, pelas reconstituições e pelas animações e ilustrações - tão bonitas! - representativas do passado. As narrações, o poder da educação e da informação, a sorte de ter uma família compreensiva que nos incentiva a lutar por aquilo em que acreditamos, as dificuldades que nós - portugueses/europeus - nem sequer pomos em causa nas nossas rotinas... Tudo isso está presente em "He Named Me Malala" e é incrível como a história nos é contada duma forma muito inocente e bondosa sem nunca perder a atrocidade dos factos. Somos constantemente surpreendidos com detalhes inspiradores e todo o documentário é bastante realista. Malala é uma rapariga normal com uma personalidade vincada - e vontade de bater nos irmãos - mas também é muito mais do que isso; mais do que uma rapariga normal, Malala é uma Mulher corajosa, lutadora e sem maldade no coração.

Em "He Named Me Malala", para além de nos ser explicado o porquê de Malala ter este nome - daí o título escolhido -, acompanhamos o seu apreço pela escola, a sua vontade de mudar o mundo, o apoio familiar, os acontecimentos trágicos no Paquistão - e não só - e a vontade de fazer a diferença e de regressar ao país de origem. Com momentos de humor inseridos em cenas estratégicas e uma calma atípica, "He Named Me Malala" trouxe-me algumas novidades e encantou-me sem nunca me deixar esquecer o seu objetivo principal.

"He Named Me Malala" tem um caráter emocional forte. Obriga-nos a reflectir sobre a sociedade em que nos inserimos, sobre a sorte que possuímos, sobre o mundo no qual vivemos. No Dia Internacional da Mulher, que sentido faria não escrever sobre alguém que luta pela educação de todas as Mulheres do planeta? Aplausos.


Publicação escrita em parceria com a FOX Life Portugal.

8 comentários:

  1. Ela é mesmo fantástica.
    Há uma entrevista feita pela Emma Watson que vale tanto a pena. <3

    ResponderEliminar
  2. já quero, vou buscar. Já li alguma coisa sobre ela, e até pensei em comprar o livro. Gente que quebra barreiras me emociona!

    abraço.

    ResponderEliminar
  3. Foi um dos documentários que mais me marcou. Ela é uma mulher tão forte e determinada a lutar por aquilo em que acredita, acho que todos nós - mulheres e homens - nos devemos deixar inspirar por ela :)

    ResponderEliminar
  4. Nunca vi o documentário, nem se quer sabia da existência dele! Felizmente existem blogues que me dão a conhecer imensas coisas, e possibilidade de as poder ver!

    ResponderEliminar
  5. Também o documentário e gostei imenso! Já tinha uma pequena noção da história da Malala e este documentário aprofundou os meus conhecimentos! Deveras uma rapariga inspiradora!

    ResponderEliminar
  6. Ainda não tive oportunidade de espreitar, espero que consiga ver no fim-de-semana. Pelas críticas, palavras e desabafos que já vi creio que é um filme com um valor imenso!

    Beijinho :) *

    ResponderEliminar
  7. Quero imenso ver este documentário!!!

    ResponderEliminar