AMOR | Casamento: Sim ou Não?

Assim de repente... não. Consigo pensar em mil e uma outras formas de gastar a quantidade de dinheiro que gastaria num casamento. Não sendo muito - ou pouco - religiosa e desvalorizando um pouco as burocracias que um casamento envolve, vejo uma única vantagem num casamento: festejar. E, curiosamente, não tenho vontade de gastar milhares e milhares de euros numa celebração que facilmente pode ser substituída pela felicidade de encontrar a casa ideal, pela possibilidade de fazer a viagem dos nossos sonhos ou pelo conforto de comer pizza e jogar playstation num T0 que representa muito mais do que isso. Casar não é (nunca foi!) um objetivo de vida para mim ainda que não exclua totalmente a possibilidade de o fazer.

É um facto: adoro casamentos e fico felicíssima sempre que sou convidada para um - é uma honra acompanhar as minhas pessoas num evento que representa o início de uma etapa tão importante para elas - porém, no meu caso, não me parece algo essencial. Se algum dia eu subir a um altar com os olhos do mundo postos em mim, será porque essa celebração representa um passo muito importante para a pessoa que tenho ao meu lado. E como dizer que não quando é tão importante para ele e uma vez que gosto tanto de casamentos e desculpas para me arranjar um bocadinho mais? Simplesmente não é uma prioridade (da mesma forma como é um objetivo de vida para muita gente). Se fizer sentido quando chegar a hora, ver-me-ão vestida de branco. Todavia, serei igualmente feliz se viver numa casa à qual poderei chamar de nossa sem passar pelo processo de assinaturas - porque essa sim, é a minha prioridade nesta aventura da vida a dois.

11 comentários:

  1. Não me lembro - mesmo em miúda - de me querer casar. Sempre achei os casamentos um tédio (para uma criança passar o dia naquilo é super cansativo) e questionava os meus pais como é que os noivos tinham paciência para tirar tantas fotos e para estarem sempre a sorrir. Uns anos depois ainda cheguei a imaginar um casamento. Tudo muito simples, 30 convidados no máximo, só conservatória (visto que não sou católica e sendo assim não tem sentido ir à igreja) e um vestido de noiva especial, pelos joelhos. Hoje em dia, já na minha casa, penso que o dinheiro que não gastámos num casamento foi muito melhor usado no nosso lar. Não descarto de todo a ideia de, um dia, irmos à conservatória mas, com as leis que existem hoje em dia, daqui a dois anos somos considerados marido e mulher. E não é um papel que vai aumentar o sentimento. Esse já cá está, todos os dias :)

    O mais engraçado é que foi a minha mãe a ajudar-me com a decisão final. Disse-me, há cerca de 4 anos atrás, "escolhe... ou te dou dinheiro para ajudar no casamento ou ajudo-te a mobilar a casa". Eu tomei, para mim, a decisão mais sensata. E todos os dias me sabe pela vida poder entrar na "minha" casa.

    ResponderEliminar
  2. Sempre achei que não é um papel assinado que reforça a união entre um casal. Muito menos uma cerimónia religiosa segundo uma religião que já não me diz nada, pelo menos da forma que é proclamada. Assim como assim, não sou extremista ao ponto de dizer que nunca me irei casar. Posso mudar de ideias, mas uma coisa é certa, se o fizer será uma cerimónia 'não religiosa' e, se possível, a dois num lugar especial, nem que seja do outro lado do mundo.

    ResponderEliminar
  3. O casamento pode-de fazer só em relação à componente civil, não se tem de gastar balurdios. Se me casar, é só por aí.

    ResponderEliminar
  4. Partilho da mesma visão! Não acho que é um "dia com toda a pompa e circunstância" que irá garantir que sejamos felizes e ter um casamento feliz. O que importa é haver amor, que o resto, como o dia do casamento, são meros pormenores.

    http://cidadadomundodesconhecido.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  5. Eu e o meu namorado ainda não decidimos quanto a este assunto. Tanto eu como ele andamos num colégio religioso, frequentamos canto na igreja durante anos, e por isso ainda estamos a pensar sobre o assunto. O facto é que esse dinheiro dava pra comprar muito enxoval. Imenso até. O que gostava de fazer era casal por civil, sem festa, ir viver junto com ele, e mais tarde sim "casar" por igreja, com vestido branco e tudo. Maaaas. Só se a vida permitir.

    ResponderEliminar
  6. Sempre me quis casar um dia. Agora, não penso nisso como uma obrigatoriedade. Se tiver que acontecer, acontece (:

    ResponderEliminar
  7. Eu gostaria de me casar mas se isso acontecer será um cerimónia bem simples e os convidados serão apenas a família e amigos mais próximos. Nada de primos ou tios que nunca vi na vida e que só são convidados porque «fica bem».

    ResponderEliminar
  8. Eu gostava imenso de me casar, contudo só o farei se tiver possibilidades económicas para tal!

    ResponderEliminar
  9. Casar é fantástico, o meu casamento foi simples, mas a intensidade do amor foi e é forte

    ResponderEliminar
  10. Casar nunca fez parte dos meus planos e muito menos agora. Tal como ter filhos. De todo! São coisas que, apesar de serem consideradas "obrigatórias" pela sociedade, eu dispenso. Pelo menos agora e durante muito tempo.

    Cátia ∫ Meraki

    ResponderEliminar
  11. E quem disse que não podes viver a sensação de noiva ao assinar contrato de um t0? O que importa é celebrar a vida, nos seus melhores momentos, é sermos felizes, principalmente, sermos felizes com quem mais gostamos ao nosso lado!

    ResponderEliminar