Thirteen

AROUCA, PORTUGAL | Passadiços do Paiva

Se estiverem a pensar em fazer o percurso dos Passadiços do Paiva, há três coisas que precisam de saber: 1) não é um percurso que possa ser feito por qualquer pessoa - especialmente crianças (é proibida a entrada de carrinhos de bebé) ou adultos com maiores dificuldades -, 2) é necessário marcar a visita e comprar os bilhetes com alguma antecedência e 3) é um percurso absolutamente maravilhoso para quem gosta do contacto com a Natureza. Não é um local que possamos visitar num dia aleatório - tem de ser planeado - mas vale muito a pena.

E antes de vos falar da experiência e do percurso propriamente dito, quero deixar aqui uma lista de objetos que me parecem básicos e essenciais, sobretudo nesta época do ano: água (que podem comprar também ao longo do percurso - há vários cafés e barraquinhas), protetor solar, roupa fresca e confortável (incluindo roupa de praia se quiserem dar um mergulho no rio), calçado igualmente confortável, lanche, bilhetes de acesso ao percurso, toalhitas e mochila (não só para poderem levar todas estas coisas mas também para terem onde guardar o lixo - por favor não contribuam para a poluição de um local tão bonito e fascinante). 

Os Passadiços do Paiva localizam-se na margem esquerda do Rio Paiva, no concelho de Arouca. O percurso de 8700 metros estende-se entre as praias fluviais do Areinho e de Espiunca, encontrando-se, entre as duas, a praia do Vau. Este é um percurso para quem gosta de desafios, de desporto, de ar puro e do contacto com a Natureza e para quem, ao mesmo tempo, não tem medo de transpirar e de se sujar - é inevitável, o pó é uma constante.

Fiz o percurso dos Passadiços do Paiva num só sentido (Areinho - Espiunca) na companhia da minha mãe - a minha eterna companheira de aventuras. Fizemos algumas paragens breves para apreciar a paisagem, para tirar fotografias e para respirar com calma e demorámos cerca de duas horas e qualquer coisa a chegar ao fim do percurso. Começando em Areinho, a única situação mais cansativa está logo no princípio: a subida dum número significativo de escadas. Depois, o percurso é relativamente simpático e linear - ainda que com alguns desníveis - e, quem não quiser, não tem de o completar, pode simplesmente sair na Zona de Lazer e Recreio do Vau. A caminhada é feita maioritariamente nos passadiços de madeira mas também há zonas em terra batida (daí o pó). Não é necessário atravessar a ponte suspensa para completar o percurso porém recomendo vivamente que o façam pela perspetiva e pela paisagem (nota: não há nada do outro lado, é preciso passar a ponte duas vezes).

O percurso dos Passadiços do Paiva integra agora o Geoparque de Arouca - classificado como Património Geológico da Humanidade pela UNESCO - e é realmente obrigatório para quem gosta de atividades ao ar livre, de se sentir desafiado, de observar a biodiversidade local. As águas límpidas do rio Paiva e os cinco geossítios - Garganta do Paiva, Cascata das Aguieiras, Praia Fluvial do Vau, Gola do Salto e  Falha de Espiunca - são o bónus.

















11 comentários:

  1. Gostei muito Carol! Referiste tudo o que é importante. Fiz exactamente o mesmo percurso e adorei :)

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia, mas fiquei com vontade de visitar.
    kiss na cheek

    ResponderEliminar
  3. Estou há taaaanto tempo a querer fazer esse percurso! Ainda ontem falei disso - acho que vou aproveitar uns dias de férias em Setembro para o fazer com temperaturas um pouco mais baixas :) dúvida: dá para levar para lá comida ou tem que se comprar nos cafés? Tem zonas de merenda? *

    Jiji

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Podes levar comida, sim. Não tem zonas de merenda mas há várias sombras ao longo do percurso onde podes parar para almoçar. Vi vários grupos a fazê-lo (:

      Eliminar
  4. Nem imaginas o peso que me tiras-te de cima! ainda à uns dias publiquei um post no blogue a dizer o quanto tinha medo da ponte, mas se afinal e um "desvio" só para ver paisagem já fico mais descansada....pensei que a ponte era uma passagem para o resto do percurso que vinha do outro lado do rio... :) uffaa

    ResponderEliminar
  5. É um dos meus objetivos fazer os passadiços, mas em pleno verão não arrisco.

    ResponderEliminar
  6. Além de tudo o que disseste, dava só mais um conselho: Se forem pessoas pouco tolerantes ao calor, tentem marcar para uma altura em que as temperaturas estejam mais frescas... Fazer isto debaixo de 40ºC foi sem dúvida um desafio.

    Fiz o percurso Espiunca-Areinho-Espiunca, de uma ponta à outra, e não me arrependo nem um pouquinho. A minha mãe sofreu um bocado nas escadas, mas, à vinda para cá (equivale ao percurso que fizeste), depois das escadas deu para ela recuperar o fôlego e não parar abruptamente.
    Mergulhar depois de 8700m para lá e depois de 8700m para cá foi, definitivamente, o que me soube melhor.
    É um percurso giríssimo, cheio de ar natural e paz. Recomendo.

    Sabes o que me intriga muito Carol? Como conseguiram construir aquilo ali no meio do nada...

    ResponderEliminar
  7. Um percurso que adorava fazer. Infelizmente, devido aos incêndios várias partes do mesmo arderam. Agora terei que esperar até que tudo se resolva :o

    ResponderEliminar
  8. Por acaso é algo que gostava muito de fazer... infelizmente os passadiços arderam nestes últimos dias. A ver se os reparam ou não.
    http://blog-flor-mar.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  9. quero muito fazer mas acho que não vai ser este verão!

    ResponderEliminar
  10. Parece ser um percurso perfeito para se fazer com uma boa companhia!

    A Vida de Lyne

    ResponderEliminar