Thirteen

QUOTIDIANO | Palavra-Chave: Mulher

Depois da euforia da passagem de ano, dos pratos a partirem e dos abraços apertados e sinceros, caiu-me a ficha e fiquei desanimada. Não tive um início de ano ideal e Janeiro foi um mês complicado para mim - tão complicado que exigiu a duplicação da medicação, cartas negras em cima da mesa e um jogo de cintura equilibrado para conseguir lidar com a pressão, a ansiedade, o medo, a incerteza, a falta de experiência, o cansaço extremo. 2017 não começou bem mas, no fundo, eu acreditava que iria melhorar - para mim e para os meus. Porém, olhando para trás, posso dizer-vos com segurança que isso não aconteceu. 2017 não foi um ano espetacular.

O falecimento dos meus tios, as visitas constantes ao hospital, o aperto no processo de compra de casa, os picos de ansiedade e frustração, as mudanças na medicação, a incerteza profissional. Em 2017 apanhei alguns sustos e fui confrontada com algumas situações que não pensava viver tão cedo ou tão intensamente e, admito, fiquei de rastos. Levantei-me sempre, é certo, mas 2017 teve muitos nós na garganta, muitos murros no estômago e muitos baldes de água fria. Chego ao final do ano completamente exausta e com a certeza de que 2018 será bem melhor - é para isso que trabalho, pelo menos.

Mas como nenhum ano é constituído apenas por momentos negativos -  muito menos o ano de alguém que tem as necessidades básicas satisfeitas diariamente - foco-me naquilo que aconteceu de bom: a II Gala Legião de Ouro, os jantares feitos pelo Gui, as compras imprevisíveis para uma Carolina com uma personalidade bem vincada, a compra do MEU apartamento, o crescimento do blogue, o contrato de trabalho, as viagens, os concertos, o lançamento de uma coleção associada ao Thirteen.

No meio de muito trabalho, 2017 trouxe-me uma viagem a Madrid, os regressos ao Porto, várias visitas a Lisboa, uma semana na Ericeira e uma passagem pela Lourinhã. Em 2017 regressei ao NOS Alive (e que incrível foi!) e pisei pela primeira vez o chão do Coliseu de Lisboa para ver The National. Tendo em conta que comecei o ano sem expectativas de viagens, não podia estar mais feliz pelas oportunidades fantásticas que agarrei de imediato. Sou mais feliz quando viajo e estou consciente de que celebrei essa felicidade em diversas circunstâncias - sou uma sortuda e trabalho muito para que essa sorte prevaleça.

Em 2017 terminei o meu Estágio Profissional e assinei um contrato de seis meses na mesma empresa (e, em Novembro, esse mesmo contrato foi renovado). Fiz uma formação em Redes Sociais e outra em Email Marketing, comecei a trabalhar em e-commerce, trabalhei bem mais do que oito horas por dia e fui muito feliz no projeto que ocupou 90% das horas que passei no escritório.  Na empresa onde trabalho nem tudo é ouro sobre azul - há algum local onde o seja? - mas quando trabalhamos num projeto que nos motiva e quando fazemos aquilo que nos apaixona tudo o resto é secundário e suportável. 

2017 trouxe-me uns óculos graduados e também novos desafios e algumas novidades blogosféricas. As publicações focadas em mim e no meu guarda-roupa foram uma constante, os postais enviados para os meus leitores foram escritos com o maior dos carinhos e as parcerias começaram a fazer parte do meu quotidiano. Nos últimos doze meses estive presente em diversos eventos enquanto blogger e conheci algumas caras que acompanho há já algum tempo.

2017 foi um ano que me obrigou a lidar com situações que eu não pensaria lidar tão cedo - e termina de uma forma quase estranha e depressiva - mas mostrou-me, uma vez mais, que estou rodeada pelas pessoas certas e que sou capaz de me afastar das pessoas tóxicas. No geral, 2017 não foi um ano fácil mas, ainda assim, foi um ano que me provou que sou mais forte do que aquilo que penso e que sou capaz de enfrentar as adversidades, de estar ao lado dos meus nos momentos mais arrepiantes (e nos mais felizes também) e de me adaptar a cada situação sem nunca perder todas as características que me transformam na Carolina que sou. Cada vez mais mulher. Agora, que venha 2018 - estou ansiosa que 2017 termine!

SAÚDE | What You Actually Need to Know to Help Me With My Anxiety

"I can’t explain my anxiety. I can try, but I would fail. Not because I don’t know every little detail about it, but because the details never come together to form a full picture. I can list all of my triggers. I can tell you how my panic attacks feel. I can even discuss in depth how hard it is to worry about everything all the time. But, you still wouldn’t get it. Not because you weren’t trying to get it, but because my anxiety isn’t something you can talk about for five minutes and then suddenly become an expert on. However, knowing the small details about my anxiety will help me. So, even though I know you will never truly be able to understand what it feels like to be trapped in a bathroom stall, trying to will yourself out of an anxiety attack, or know how it feels to wake up exhausted after a full night of worrying, I will still try my best to explain what my anxiety feels like.

1. You know when you take a sip of a drink and then someone makes you laugh, and now you are left with a mouthful of liquid you are trying not to spit out at everyone in front of you? That’s how I feel all the time. I refuse to burden anyone with the task of cleaning themselves up after I spit out all of my anxieties and worries at them. It may make me feel like I’m going to choke on all of my pent-up emotions, but better that than shamefully having to help them wipe up the mess I’ve caused.

2. Yes, I think my anxiety is a burden to other people. No, I am not ashamed of the fact I have anxiety. There is a difference between refusing to put the weight of the world on someone else’s shoulder and not wanting anyone to know you are strong enough to carry the world on yours.

3. My anxiety is different than someone else’s. No two minds think alike, so why would anyone expect two mental illnesses to be the same? What works for some people may not work for me. Please don’t get offended if I stray away from the hug you are trying to give me or block out your words of advice. I’m not trying to be rude, that is just not how I cope.

4. I get quiet when I am facing a trigger, not because I don’t want to talk about it, but because I am afraid that with each breath I lose trying to explain how I am feeling, I will become weaker, and being weak doesn’t help fight the monsters I am facing.

5. I love coffee. My anxiety doesn’t. So, when I am mad that I haven’t had my cup of coffee in the morning, it probably has more to do with the fact I let my anxiety determine what I did with my life, and that is disappointing.

6. Being afraid is a part of my life. I fear so much that, sometimes, I even fear not being afraid.

7. I love being in social situations… for about an hour, and then it seems like the walls start to close in on me. I will try to stick it out for as long as I can, but if I leave a party early, it’s because everyone has sucked all of the air out of the room and now I’m left with none.

8. Every day, I look at the semicolon tattooed on my right index finger and the teal ribbon on my left arm and remind myself of how far I have come. I’ve made it farther than I ever thought possible, and my anxiety and depression were part of the experience. Without them, I wouldn’t be where or who I am today. That is something I will never forget.

9. My anxiety and depression is like that gift you hate, but end up using. Like, I wish I didn’t get this stupid back scratcher, but now it’s two in the morning and I have an itch at the bottom of my back and now I feel myself thanking whoever was ridiculous enough to buy me it. The same goes for my anxiety. I mean, sometimes when I am struggling so much I can barely breathe, I loathe whoever thought it would be funny to give me the gift of anxiety. But, then, after I am done having a panic attack or finishing up a horrendously bad day, I realize just how strong I am, and my anxiety has helped me figure that out. I can hold my head up high knowing that even though I have anxiety and depression, I am strong enough to fight and keep going every single day.

Like I said, my anxiety isn’t something you can become an expert on in the span of five minutes or one article. However, that’s not what this is meant to do. You understanding what makes me or anyone who lives with anxiety tick can help you and them. You don’t need to be a professional to lend a hand to someone who needs it. So, don’t feel the need to know everything about someone’s anxiety, because even if you just know a little of the small details, you will still find a way to help them. Even if it’s just standing with them as they fight alone."


Texto de Renee Sanchez (AQUI).

VIDA PROFISSIONAL | De Mãe Para Mãe

Não escrevo muito sobre os projetos em que trabalho mas desta vez não consegui resistir: o De Mãe Para Mãe tem um novo design e uma nova loja onde podem encontrar (quase) tudo para os pequeninos (desde o nascimento até aos três anos de idade - e, em alguns casos, para crianças maiores também). Foi este o projeto que me fez apaixonar pela área do e-commerce e, estando tão ligada a esta loja - que representa uma GIGANTE parte dos meus dias -, não podia deixar de a partilhar convosco. Depois de muita luta, de muitas horas de trabalho, de uma direta sempre a trabalhar, de muito esforço... o novo De Mãe Para Mãe está online!

Este é um site com duas componentes muito fortes: comunidade e loja. E, ainda que eu esteja mais responsável pela parte do e-commerce, não consigo deixar de me fascinar pelo que se constrói num site com quase dez anos de existência. Numa época em que os fóruns caem em desuso, são criadas dezenas de tópicos nos vários espaços que o De Mãe Para Mãe disponibiliza - desde o tema da gravidez à infertilidade, dos essenciais para os primeiros tempos do bebé aos problemas familiares, das sugestões para presentes às melhores receitas. Aqui criam-se verdadeiros laços de amizade; as utilizadoras apoiam-se e aconselham-se de uma forma indescritível e há até quem se tenha conhecido através do site e tenha aberto um negócio.

Para além disto - que permite a qualquer pessoa colocar dúvidas e esclarecer pontos de vista ou simplesmente desabafar ou pedir conselhos sobre temas mais delicados, divertidos, fúteis ou sérios -, o De Mãe Para Mãe inclui ainda um consultório onde médicos-especialistas respondem às questões colocadas pelos utilizadores, artigos informativos sobre as diferentes fases de vida das mães, grávidas e treinantes (nome dado às pessoas que estão a tentar engravidar), a possibilidade de venda de produtos em segunda mão e, a parte que tanto gosto me dá: a loja online.

A Loja De Mãe Para Mãe surgiu em 2015 apenas como "Loja de Fraldas". Agora, é lançada uma nova versão, totalmente renovada e com várias categorias: vestuário, brinquedos, alimentação, amamentação, livros, fraldas e muito mais! Essencialmente para grávidas, mães e crianças até aos 3 anos de idade (se têm amigas grávidas, irmãos, filhos ou primos pequenitos, já sabem!), a Loja De Mãe Para Mãe é totalmente segura e a expedição é extremamente rápida. Sou suspeita, mas posso dizer-vos que o atendimento é sempre personalizado e que as marcas e produtos são selecionadas com rigor (preocupamo-nos MESMO com as crianças que vão usar aquilo que vendemos). Philips Avent, Chelino, The Little Jasmine, Nunex, Bovi, Bioderma e Fisher Price são apenas algumas das marcas que comercializamos - se precisarem de uma motivação extra para visitar, há baleias, gatos e dinossauros (YAY!) espalhados pelo site para vos acompanhar. Ainda temos coisas para corrigir nesta nova versão, ainda não está a 100% mas o De Mãe Para Mãe é um mundo para descobrir que me faz muito feliz profissionalmente (ao ponto de passar 24h na empresa voluntariamente, para contribuir para o seu crescimento).

Neste momento, 90% dos meus dias são passados entre produtos de puericultura, artigos sobre bebés e encomendas de fraldas, brinquedos, roupas pequeninas (que amoooor!), toalhitas e cremes para o rabinho... e eu adoro o meu trabalho! É fantástico trabalhar num projeto - com pessoas incríveis! - que tem ainda tanto para dar e estou confiante de que esta nova versão - com design mais moderno e uma loja mais diversificada - será um sucesso ainda maior. Não é por acaso que o De Mãe Para Mãe é o maior portal sobre o tema da maternidade em Portugal - nem é por acaso que tem cerca de 2 milhões de visitas mensais.

EVENTO | Victoria's Secret Fashion Show 2017

Depois do desfile em Paris, em 2016, os anjos voaram até ao continente asiático e aterraram em Xangai para mais um Victoria's Secret Fashion Show, que ficou marcado pela despedida de Alessandra Ambrósio, pela queda de Ming Xi (seguida da maravilhosa atitude de Gizele) e pelo regresso de Karlie Kloss após três anos ausente. Acompanhadas pelas vozes de Harry Styles, Miguel, Leslie Odom Jr e Jane Zhang, as 58 modelos desfilaram nos seis segmentos que dividiram o desfile mais badalado do ano - Punk Angel (cujas peças foram criadas em parceria com a marca de luxo Balmain), Goddesses, Millennial Nation, Winter’s Tale, Porcelain Angel e Nomadic Angels - e encantaram as 18 mil pessoas presentes na Mercedes Benz Arena.

No espetáculo de 2017, as transições de segmento para segmento foram mais suaves e isso fez com que tudo parecesse mais pensado (apesar de, inegavelmente, o ser sempre). Ao contrário do que aconteceu no ano passado, o segmento da linha Pink - Millenial Nation - encaixou na perfeição no desfile e a marca conseguiu diversificar os materiais e cores na passerelle das purpurinas ao longo dos temas sem perder as características da marca, o divertimento e a sensualidade. Segmentos favoritos? Nomadic Adventure - inaugurado pela energia contagiante de Adriana Lima - e Porcelain Angel - aberto pela incrível Josephine Skriver (aquela que foi, para mim, a modelo em destaque em Xangai).

No continente asiático, o Fantasy Bra - Champagne Nights Fantasy Bra, avaliado em dois milhões de dólares - foi apresentado por Lais Ribeiro no segmento Goddesses e a nossa Sara Sampaio abriu Winter's Tale mostrando ao mundo que está na Victoria's Secret para ficar. Com muita pena minha, Alessandra pendura as asas sem ter tido o destaque merecido no seu último VSFS - acreditei, até ao dia do desfile, que ela iria ser a primeira a pisar a passerelle - mas sem dúvida que a sua energia esteve presente, assim como a emoção de se despedir após 17 desfiles (e Candice Swanepoel esteve perfeita na abertura do espetáculo, apresentando o primeiro coordenado da colaboração VS x Balmain).

A série que tenho acompanhado mais recentemente com o meu pai: "Young Sheldon".

LISBOA, PORTUGAL | A Última de 2017

Perdi a conta às vezes que estive em Lisboa este ano. Sete? Nove? Dez? Doze? Não faço ideia. Em contextos distintos, entre viagens de trabalho, concertos e visitas à minha irmã, foram raros os meses em que não pisei as ruas da nossa capital. Em 2017, comecei a ver Lisboa como um local seguro, como um refúgio onde me sinto bem. É tão perto de casa e, ao mesmo tempo, tão longe daquilo que faz parte das minhas rotinas que, de certa forma, me faz falta de vez em quando. Quando sinto o peso nos ombros e o nó na garganta, entro no comboio e saio na Estação de Santa Apolónia. 

Comecei Dezembro sufocada, exausta, com vontade de me enclausurar em casa e de não sair até o ano terminar. Para contrariar essa vontade terrível e espairecer, vou passar (mais) uns dias com a minha irmã. Os planos são simples: encher o Artur de mimos (e irritá-lo um bocadinho também), adormecer no sofá, beber chá, conhecer novos lugares (recomendam algum?), passear muito, fotografar, ver a iluminação de Natal, comer panquecas e cereais e, claro, descansar depois de tantas horas de trabalho, preocupações e dias intermináveis. O último episódio de #CarolinaEmLisboa2017 começa amanhã!


Instagram: @carolinanelas

Mais sobre Lisboa: 5 Dias na Capital | Museu do Design e da Moda (MUDE) | Tartine | Parque das Nações | Oceanário de Lisboa | Hamburgueria do Bairro | Jardim da Estrela | Karl's Cookies | Noobai Café | Pistola y Corazón | Casa de Fernando Pessoa | Lx Brownie | Sr. Guilho | A Padaria do Povo | Belém | Museu da Eletricidade | Ristorante Pizzeria Valentino | Centro Cultural de Belém (CCB) | Pois, Café | Fundação Saramago (Casa dos Bicos) | A Luz de Lisboa || Cidade Natalícia | Miss Japa | Museu Nacional do Traje | Museu Nacional do Teatro e da Dança || Pop Cereal Café | Lisboa Story Centre | Museu Nacional de História Natural e da Ciência || Hikidashi | Nannarella || A Cultura do Hambúrguer | Atalho Real | Artisani | Castelo de São Jorge | Museu Nacional dos Coches | Pavilhão do Conhecimento || Leitaria Lisboa

É NATAL! Para o Namorado

Entre clássicos e presentes mais modernos, escolher o presente perfeito para o namorado pode ser uma verdadeira dor de cabeça! Não tenho um namorado esquisito neste campo mas admito: comprar presentes para o Gui começa a ficar difícil (especialmente porque o rapaz decidiu nascer no dia 28 de Dezembro e eu compro sempre duas prendas nesta altura). Este ano tenho uma surpresa muito especial na manga e, se o mundo colaborar, o Gui vai adorar o presente de aniversário (decidi que o mais especial fica para dia 28). Se vocês, por outro lado, ainda não sabem ao certo o que oferecer aos vossos rapazes, aqui ficam mais algumas sugestões.

É NATAL | Para a Irmã

O presente da minha irmã é, normalmente, o mais simples de comprar. Se houve anos em que ficava com dúvidas, agora sou capaz de olhar para uma peça e saber imediatamente se ela vai gostar. Confesso que comprei os presentes de Natal todos no mesmo dia mas, como não podia deixar de ser, o primeiro a ser comprado foi o da minha irmã - este ano optei por algo totalmente diferente dos anos anteriores, com um significado mais profundo.

Se ainda não encontraram o presente ideal para a vossa, ficam as minhas sugestões. Para as irmãs que gostam de maquilhagem, para as que gostam de passear, para as que gostam de cinema, para as que gostam de ler e para as que gostam de fotografia... há uma opção para cada uma delas. Uma vez mais, tentei explorar diferentes orçamentos com a certeza de que nem todos se encaixam nos gostos da minha irmã mas que com certeza se enquadrarão nos gostos de muitas irmãs pelo mundo fora. Se oferecessem algo desta lista às vossas irmãs, elas iriam gostar?
Para mais informações sobre cada sugestão, cliquem nas imagens.

BLOGOSFERA | Oh Maria!

Acompanho o "Oh Maria!" há muito tempo. Não me recordo bem como o encontrei - terá sido pelo Instagram? Não faço ideia! - mas foi, sem dúvida, uma descoberta feliz e uma lufada de ar fresco. Tanto que, depois deste tempo todo, continuo a par das novidades e leio atentamente as publicações que surgem com uma regularidade que me surpreende. Este é um blogue real, genuíno e despretensioso e é isso que me cativa e me faz regressar (mesmo quando não me identifico a 100% com algum tema ou publicação). 

Com a gravidez da Maria - e posteriormente com o nascimento do pequeno Martim - fiquei ainda mais fã do "Oh Maria!". A autora soube - e sabe! - gerir os conteúdos de uma forma inteligente e estratégica, sem perder a sua essência e sem que o espaço se transforme num "baby blog" - que me perderia enquanto leitora. As temáticas abordadas são cada vez mais diversificadas e, mesmo não estando na mesma fase de vida, consigo identificar-me muito com a Maria, com o seu gosto pelo marketing, pela honestidade com que escreve as suas opiniões e pela dedicação que demonstra em cada texto. Não deve ser nada fácil ter um bebé de três meses e continuar a trabalhar afincadamente no blogue mas a Maria consegue fazê-lo (muito) bem - só fazia sentido partilhar este espaço bem cuidado convosco.

É NATAL! Para o Papá

Assim de repente, acho mesmo que este é o presente que me dá maior dor de cabeça. Este ano despachei os presentes todos no mesmo dia - na mesma hora, até! - e por isso correu tudo bem mas, por muito que me custe admitir, normalmente o presente do meu pai é comprado já próximo do dia de Natal. Sei que ele ficará feliz com qualquer que seja a minha escolha mas gosto sempre de lhe oferecer algo que sei que lhe será realmente útil.

Há vários tipos de pais - tantos quantos há de homens - mas, nesta seleção de presentes, tentei abranger um bocadinho de cada um: o mais formal, o que gosta de tecnologia, o que aprecia a gastronomia portuguesa, o desportivo (...). O meu pai nunca calçaria as sapatilhas da Adidas, por exemplo, mas sei que seria muito feliz com o smartwatch da Huawei, por exemplo (e não, pai, infelizmente o meu orçamento não dá para tanto e o teu presente não é este). Tenho a certeza que os vossos pais, assim como o meu, são únicos e merecem presentes à altura - alguma destas sugestões se encaixa naquilo que eles gostariam de ter no sapatinho?

Para mais informações sobre cada sugestão, cliquem nas imagens.

É NATAL! | Para a Mamã

Pediram-me que desse algumas sugestões de presentes e eu gostei da ideia. Não é algo que faça habitualmente mas tendo em conta que este ano estou super-em-modo-natalício, faz todo o sentido colocar em prática este pedido. Decidi, no entanto, dividir este pedido em várias publicações, uma para cada pessoa. Os preços, cores e estilos serão variados - vou tentar abranger os diferentes tipos de personalidades - e espero, com isto, ajudar-vos na saga dos presentes se ainda não riscaram todos os que têm na lista de compras.

Começamos por aquele que, para mim, é um dos presentes mais planeados: o da mãe. A minha mãe é única e especial - acredito que pensem o mesmo das vossas - e por isso, apesar de ser relativamente fácil oferecer-lhe algo que goste, fico sempre muito indecisa na hora de comprar. Há tantas coisas giras nas lojas que é difícil chegar a uma conclusão sem nos questionarmos se será mesmo o presente ideal para alguém a quem devemos tanto. Ficam algumas sugestões:
Para mais informações sobre cada sugestão, cliquem nas imagens.