Thirteen

1+3 | 13 Qualidades

Lancei o segundo tema do Desafio 1+3 com a certeza de que eu própria teria dificuldade em abordá-lo e, de forma quase automática, lembrei-me de pedir ajuda às pessoas que me rodeiam. No entanto, rapidamente percebi que pedir a outras pessoas para fazerem este trabalho por mim fugiria por completo ao objetivo que delineei quando criei este desafio. Depois de muito pensar - e de algumas horas de "escreve, apaga, escreve, apaga, escreve" - aqui estão 13 qualidades que consigo reconhecer em mim:

Sou organizada | No trabalho, tenho um sistema de organização que me permite ser muito produtiva. O meu computador não tem pastas espalhadas pelo ambiente do trabalho e todos os documentos e fotografias estão catalogados. Todos os textos do blogue estão separados por categorias. A minha agenda continua a ser utilizada como no primeiro dia e, com um pequeno virar de páginas, sei exatamente o que tenho para fazer na semana inteira. Não deixo acumular emails. E, como não podia deixar de ser, o apartamento está todo a ser planeado de forma a ter superfícies limpas, livres e organizadas - só com objetos bonitos à vista, como todos gostamos de ver. 

Sou dedicada e esforçada | Acredito que, se não é para fazer bem, então mais vale ficar quietinha. Coloco tudo o que sou naquilo que faço e sei que não me podem criticar por falta de dedicação ou esforço. Mesmo que, muitas vezes, me apeteça deitar a toalha ao chão e seguir com a minha vida por outros caminhos; mesmo quando me apetece chegar a casa e dormir até ao dia seguinte; mesmo que a tarefa seja chata, o cliente antipático ou o grupo complicado... eu aplico o meu tempo e o meu conhecimento da melhor forma que sei e que consigo. Eu dedico-me ao meu trabalho, aos meus projetos, às minhas tarefas e ao meu blogue de uma forma irrepreensível. Ninguém pode negá-lo.

Sou apaixonada | Pelo que faço. Pela vida. Pelas minhas pessoas. E acho, honestamente, que essa é uma das minhas melhores qualidades. Uma vez disseram-me que "é raro falar com alguém e ver paixão a brilhar nos olhos" e guardo essas palavras com o maior dos carinhos. Sou MESMO apaixonada pela vida e, para mim, isto é sinónimo de ser feliz, mesmo com todos os baldes de água fria e murros no estômago.

Sou grata | Extremamente grata. E, infelizmente, não encontro esta característica em muita gente. Talvez por, desde muito nova, lidar com ataques de pânico e problemas de ansiedade, aprendi a valorizar as pequeninas coisas da vida. É claro que as surpresas grandes também fazem o meu coração bater mais rápido mas saber apreciar os pormenores bonitos de um dia péssimo faz com que eu seja uma pessoa melhor. Por mim, para mim, para os outros e pelos outros. Nem sempre vejo luz no meio da escuridão mas sinto-me sempre muito grata quando páro para refletir sobre o meu quotidiano.

Sou realista | E isto não significa não ver o copo meio cheio ou não acreditar que há sempre boas notícias a chegar. Apenas não acredito num mundo cor-de-rosa. Sei que precisamos de lutar para alcançar os nossos objetivos, que as coisas não nos caem no colo e que existem pessoas más, doenças terríveis e valores perdidos. Não perco a minha vontade de ser melhor mas é importante, para mim, não viver num mundo de fantasia. Vejo este realismo como uma qualidade pois sei que me faz trabalhar mais e sonhar com os pés assentes no chão.

Sou interessada | Gosto muito desta minha característica e confesso que não foi das mais óbvias quando decidi que era hoje que iria escrever este texto. Contudo, reconheço-a: eu tenho um verdadeiro interesse associado à minha postura diária. Pelas conversas que surgem, pelos blogues que leio, pelas músicas que oiço, pelos restaurantes que me recebem, pelas mais diversas áreas. Não gosto de tudo mas adoro saber mais, conhecer mais e, sobretudo, aprender com os outros.

Tenho uma cor de olhos invulgar | Toda a gente dizia à minha mãe que a cor dos meus olhos não se iria manter, que ainda não estava bem definida e que, quando crescesse, iria ser de um tom de castanho perfeitamente comum. Não aconteceu. Quando me perguntam de que cor são os meus olhos... eu não sei responder. Os meus olhos mudam de cor e eu acho imensa piada! Ainda que o verde e o cinza sejam as cores predominantes na maior parte dos dias, existem alguns detalhes noutros tons que não consigo definir bem. Sempre gostei dos meus olhos e vejo esta indefinição de tons como algo muito positivo e único, que me torna especial.

Escrevo bem | Apesar de não escrever romances ou ficção nem tão pouco ter o objetivo de escrever um livro, eu sei que as minhas palavras transmitem exatamente aquilo que pretendo e sei, também, que me expresso muito melhor desta forma. Há quem tenha talento para o desenho, eu tenho aptidão para a escrita. E ainda que me tenham dito recentemente que não há emoção nos textos que partilho por aqui - porque escrevo "de uma forma fria, sem storytelling" - eu sei que a minha escrita é boa. Podem gostar - ou não - do tipo de artigos que eu escrevo (essa será outra questão para discutirmos) mas eu orgulho-me desta minha capacidade.

Tenho um cabelo forte | Sou muito elogiada pelo meu cabelo, apesar de andar despenteada a maior parte do tempo. Normalmente perguntam-me o que faço para ter um cabelo tão forte e saudável mas a verdade é que é apenas sorte (ou genética!). Adoro o tom do meu cabelo - nunca pensei em pintá-lo! - e adoro que não dê trabalho nenhum: é lavar, secar e já está!

Sei pedir desculpa | Não tenho vergonha de o fazer, não acho que esteja a diminuir-me por fazê-lo e só o faço de forma sincera e ponderada, nunca de cabeça quente ou só porque sim. Preocupo-me muito com a maneira como faço os outros sentir e pedir desculpa, ainda que não resolva tudo, é uma atitude que preservo mesmo sendo desvalorizada nos dias de hoje. As palavras só são vazias e sem significado quando nós deixamos e, quando erro, eu peço desculpa. Um pedido de desculpas não muda tudo nem apaga os erros... mas demonstra uma humildade que nem toda a gente tem e que eu me orgulho de conservar.

Não sou fundamentalista | Apesar de as minhas opiniões estarem bem expressas quando escrevo sobre um tema, eu gosto de ouvir outras teorias e perspetivas e adoro o debate que se gera à volta dessas diferenças. Detesto quando, por algum motivo, sou precipitada nas minhas conclusões e acredito que as pessoas mudam, que as opiniões se alteram. Se pudéssemos conversar sobre os mais diversos assuntos sem tantos dramas e opiniões radicais, seríamos mais sensatos nas nossas atitudes e viveríamos em paz não só com os outros mas também connosco. Ter uma mente aberta é tão importante...!

Luto pela minha saúde | Nunca tinha pensado nisto como uma qualidade; era apenas algo que eu fazia porque tinha que ser. No entanto, quando percebi - ou me fizeram perceber - que muita gente desistia a meio do percurso, que se recusava a procurar ajuda e que não tomava a medicação pelo medo associado ao olhar crítico dos outros, eu percebi que sim, que é uma qualidade. E mesmo que, neste momento, eu sinta que a minha ansiedade me tem vencido num número de dias superior àquele que seria aceitável, eu continuo na luta e procuro fazer mais, melhor e diferente para domar o monstro. Eu luto pela minha saúde porque só eu o posso fazer - e essa é uma qualidade que me tem ajudado sem eu saber que a possuía.

Abraço todas as viagens com o mesmo entusiasmo | Seja uma escapadinha de dois dias ou uma viagem longa, em Portugal ou no estrangeiro, na Europa ou noutro continente, um destino citadino ou de praia... eu vou ficar entusiasmada. Todos os lugares têm algo para me ensinar e eu adoro perder-me nas ruas do nosso país da mesma forma como adoro descobrir as praças e estradas das cidades onde se fala outro idioma. É um absurdo criticar formas de viajar - há espaço para todas e todas fazem sentido - e eu orgulho-me de abraçar com o mesmo entusiasmo todas as viagens que tenho oportunidade de fazer, sem contar quilómetros ou biquínis.


3 comentários:

  1. Gosto muito deste tema! É super importante treinarmos a mente para ver as coisas boas em nós porque só assim é que conseguimos ser felizes e sentir-nos equilibrados. Espero que surja uma onda de amor próprio na blogosfera com os posts deste tema :)

    ResponderEliminar
  2. Adoro estes desafios! É daqueles artigos que nunca canso de ler.. Afinal o mais giro é mesmo descobrir as pessoas por detrás dos blogs :)
    E achei super giro porque se há qualidades que descreves que também as reconheço em mim, há outras em que sou o oposto ahaha :)
    Um beijinho *

    ResponderEliminar
  3. Tão bom quando sabemos apreciar as nossas qualidades e não nos focarmos apenas nos defeitos ou até no que julgamos que são defeitos.
    Gostei muito da publicação, Carolina. E acho que este tema nos vai fazer a todos pensar, apreciarmos-nos realmente, o que às vezes faz tanta falta. Partilho de algumas das tuas qualidades!
    Um beijinho :*

    ResponderEliminar