Thirteen

Em 2020 comecei, finalmente, a ver "La Casa de Papel".

SOCIEDADE | Feminismo? Onde?

Sinto que, depois de tantos anos de luta - luta essa que ainda dura em muitas comunidades - para mostrar que as mulheres não devem ser obrigadas a ficarem em casa, a serem mães e a cuidarem dos filhos, entramos no extremo oposto e passamos (enquanto sociedade) a ridicularizar e a julgar as mulheres que, por uma razão ou por outra, escolhem largar os seus empregos e acompanhar os filhos nos primeiros anos de vida. 

Essa é uma realidade que, para mim, não está em cima na mesa e que, admito, não me imagino sequer a abraçar, mas que não me choca nem um bocadinho, pois reconheço que existem mulheres que se sentem, realmente, realizadas dessa forma. Estarem presentes para os filhos a tempo inteiro, enquanto, em simultâneo, cuidam do seu lar, é algo que as conforta, sossega e traz felicidade. E se assim é... porque não? Devo apelidá-las de incompetentes, machistas ou de retrógradas por não me identificar com o estilo de vida que escolheram? 

O conceito de Feminismo tem sido radicalizado ao ponto de ser visto como algo negativo. E isto acontece porque não é o seu verdadeiro significado que se apresenta nos motins e nas críticas - o feminismo radical não é Feminismo, até porque a igualdade não pode ser radicalizada.

Não deixo de ficar indignada sempre que vejo dedos apontados em direção às mulheres que escolhem cumprir papéis que não incluem percursos profissionais anteriormente ocupados por homens. Eu estou eternamente grata a todas as mulheres (e homens) que lutaram pelos Direitos que eu hoje tenho, porém a possibilidade de escolha é, precisamente, o valor pelo qual tanto se lutou durante tanto tempo - e é esse valor que deve ser valorizado. 

Fará sentido, então, julgar as mulheres que querem (ou não) casar? Fará sentido apontar o dedo a quem deseja estar totalmente disponível para a família? Fará sentido criticar as mulheres que têm gosto em cuidar da casa, que se sentem relaxadas a engomar as camisas do marido ou que preferem cozinhar todas as refeições sem ajudas? São escolhas tão válidas como quaisquer outras. A beleza de tudo isto está, precisamente, neste ponto: ninguém deve ser obrigado a adotar um estilo de vida com o qual não se identifica, apenas porque outra pessoa diz que é melhor assim. Haja respeito.

GUARDA-ROUPA | Josefinas Suede

Esta semana, a Josefinas apresentou a sua nova coleção (a primeira novidade de 2020). Ao modelo mais vendido da marca juntou-se um pedido de várias clientes e chegaram as Josefinas em camurça genuína. Criadas à mão por mestres sapateiros e perfeitas para os dias de primavera que se avizinham, as Josefinas Suede estão disponíveis em quatro cores: Rose, Green, Brown e Lime.

Além de serem uma nova versão de um dos modelos mais populares, as novas bailarinas da Josefinas podem ser usadas nos dias mais frios. Um conforto que transporta a tradição portuguesa na sua essência e que, certamente, fará parte de muitas aventuras memoráveis.


Um enorme passo: a redução das doses da medicação.

INSTAGRAM | @joanacampossilva

Quando os blogues começaram a ser menos populares, algumas pessoas começaram a distinguir-se pela forma como aproveitaram o Instagram, anteriormente associado apenas a descrições curtas. A Joana Campos Silva, consultora de comunicação e responsável pelo site com o mesmo nome (ESTE) foi, na minha opinião, a que o fez de uma forma mais inteligente, estratégica e interessante.

Se seguem o Instagram da Joana - @joanacampossilva - conseguem compreender o que quero dizer quando digo que este não é um perfil comum, com detalhes do quotidiano. Este é um perfil informativo, que inclui detalhes da vida pessoal da Joana, sim, mas que apresenta um conteúdo muito mais relevante dentro das temáticas da comunicação, da moda responsável e dos negócios. 

Entre questões polémicas e sem medo da reflexão, a Joana dá-nos aquilo que as redes sociais tantas vezes roubam - realidade! - e envolve-nos em debates e discussões que nos fazem questionar o nosso consumo, o nosso trabalho e a forma como as marcas comunicam atualmente. Para seguir atentamente - sobretudo (mas não só!) se, para 2020, está nos vossos planos uma nova aventura ou uma reeducação em termos de consumo.