Thirteen

INTER RAIL | 12 Dicas e Curiosidades

Para além do planeamento que um Inter Rail envolve (com maior ou menor exigência, dependendo de cada pessoa ou grupo), existem algumas dicas a ter em conta. Agora que estou de volta, quero desmistificar alguns desses pontos e falar-vos não só daquilo que conheci e visitei em cada cidade, mas também sobre o que resultou comigo. A primeira publicação pós-viagem é, então, dedicada a algumas dicas e curiosidades mais globais. Aproveito para vos deixar à vontade para colocarem questões na caixa de comentários - como sempre, responderei diretamente a cada pergunta ou/e farei uma publicação sobre o tema questionado. Vamos a isto, então?

Idade | Não há idade máxima para adquirir um passe de Inter Rail - quando vos disserem que é apenas para jovens com idade igual ou inferior a 25 anos, ignorem. Até aos 27 anos, o preço é mais apelativo mas não há nenhuma regra que indique que será "tarde demais" depois disso. Existem bilhetes a preços simpáticos para todas as idades (incluindo uma modalidade para seniores). Podem ver tudo AQUI.

Descontos | Estejam atentos ao site oficial e aos grupos de interrailers - vão encontrar códigos de desconto e serão alertados de datas com preços especiais. Nós conseguimos comprar os bilhetes numa promoção e ainda usar um código de desconto de 15€ (o valor do seguro de cada Global Pass, que acabou por ficar a custo zero). Cada passe (para quinze dias, com direito a cinco dias de viagem) ficou, em média, por 230€ (sendo que o nosso grupo era constituído por pessoas de várias idades que se enquadravam em dois escalões diferentes).

Comboios | Os comboios diurnos e noturnos têm regras diferentes (pelo menos se, assim como nós, desejarem estar minimamente confortáveis). Enquanto os comboios diurnos são mais flexíveis e não exigem nenhum documento para além do passe, os comboios noturnos exigem reservas (caso contrário não terão direito a lugar - nem cama, nem cadeira - e poderão até ser impedidos de viajar no comboio que desejam). As reservas são pagas à parte mas oferecem uma segurança extra, assim como uma viagem mais tranquila (mesmo quando têm alguém que ronca como uma motoserra na vossa cabine). No nosso caso, fizemos sete viagens de comboio: quatro diurnas e três noturnas. Nos comboios noturnos, com reserva antecipada, tivemos direito a lençóis, cobertores, água e até pequeno-almoço numa das viagens (com a vantagem de adormecermos num país e acordarmos noutro) enquanto nos comboios diurnos arriscamos e nem sempre tivemos lugar. Nas viagens Berlim-Praga e Munique-Frankfurt, por exemplo, fomos sentados no corredor, rodeados por mochilas, durante bastante tempo - tivemos direito a lugar apenas na altura em que vários passageiros saíram e alguns lugares ficaram livres). As reservas em três das viagens que fizemos de comboio ficaram por 73€ por pessoa.

Mochilas | Partilhei AQUI a mochila que escolhi e posso dizer-vos que foi uma excelente aquisição. Confortável, segura e muito prática. Uma mochila maior iria apenas atrapalhar-me os movimentos e agravar o cansaço inevitável da segunda semana de viagem. Para além da mochila grande, levei também uma mochila mais pequena; viajar com as duas pode ser complicado numa fase inicial mas o dia-a-dia do Inter Rail é feito sem a mochila de campismo às costas. Para segurança extra, recomendo que coloquem cadeados nos fechos de ambas.

Estadia | Vou fazer referência aos locais onde ficamos em cada cidade mas posso dizer-vos desde já que optámos sempre por apartamentos. Com um grupo de cinco - e à excepção de Berlim - o preço por noite ficou bastante em conta com as vantagens de 1) podermos preparar algumas refeições em casa, 2) não dividirmos espaços comuns com pessoas que não conhecíamos e 3) termos privacidade para preparar cada dia de viagem.

Champô Sólido | A descoberta pré-viagem que mais jeito deu. Nenhum de nós tinha usado champô sólido antes, mas para não carregarmos frascos de champô líquido durante quinze dias, decidimos arriscar (regra essencial neste tipo de viagens: ser pragmático!). Para além da surpresa positiva (ao ponto de equacionarmos passar a usá-lo neste regresso à rotina), o champô durou toda a viagem e ainda sobrou (mesmo sendo utilizado diariamente por três pessoas). Como bónus, reduzimos o impacto ambiental por não termos optado por produtos embalados. A par disto, recomendo ainda as toalhas de banho compactas e de secagem rápida.

Cacifos | Confesso que uma das minhas preocupações estava relacionada com a possibilidade de ter que carregar a mochila de campismo durante muito tempo. Felizmente - e apesar do cansaço - isso não aconteceu. Nas casas com check-incheck-out inflexíveis ou onde não nos permitiram deixar as malas logo à chegada, optámos pelos cacifos. No museus não é permitido entrar com mochilas grandes e guardam-nas gratuitamente durante as visitas e as estações têm também cacifos disponíveis que podem ser usados por preços bastante reduzidos.

Kit Comboio | Almofada para o pescoço (de preferência insuflável, por causa do espaço valioso na mochila), máscara para os olhos e tampões para os ouvidos. Foi o que me salvou de um bom torcicolo e me ajudou a minimizar as enxaquecas nos momentos de viagem. 

Sacos de Congelação | O método de enrolar a roupa para esta ocupar menos espaço eu já conhecia (apesar de nunca ter tido necessidade de utilizar), mas quando a minha irmã me sugeriu que guardasse as peças de roupa em sacos de congelação, pensei que ela estava a gozar comigo. Não estava - este é um truque que vou adaptar sempre que viajar de mochila. Os sacos de congelação impedem que a roupa seja remexida, que se mantenha em condições e que se retire o ar - acabam por ser muito mais práticos e acessíveis quando comparados com os sacos de vácuo tradicionais e foram uma excelente técnica. A título de curiosidade, posso dizer-vos que hoje estou a usar um vestido que foi comigo para o Inter Rail e que acabei por não usar - como não o tirei do saco de congelação, não tinha um vinco que fosse quando cheguei a Portugal.

Preenchimento do Global Pass | Existem regras muito específicas num Inter Rail, pois sendo um sistema aceite em muitos países, é importante que todas as situações estejam previstas. A mais importante será a de preencher a informação necessária na linha de viagem APENAS momentos antes da partida. Isto porque o bilhete deve ser preenchido a caneta (azul ou preta) e não prevê correções - se nos enganamos numa data ou numa palavra, não podemos riscar. Cada linha corresponde a uma viagem e podemos perder um dia inteiro se tentarmos corrigir o erro - quando o documento se encontra rasurado, poderá ser considerado inválido ou fraudulento).

Casamentos pelo Mundo | Talvez a curiosidade mais engraçada e improvável de toda a viagem: em todas as cidades, encontramos pelo menos uma noiva (e um noivo). Nas pontes, monumentos, praças e catedrais mais populares... lá estavam elas (e eles) nas suas sessões fotográficas, com momentos de pausa para serem parabenizados pelos turistas. O mais giro foi ver, através das roupas dos noivos e convidados, diferentes religiões, crenças e tradições.

Países e Cidades | Quem me segue no Instagram sabe exatamente quais foram as cidades que optámos por visitar mas aqui fica a lista para quem perdeu as fotografias: Berlim, Viena, Cracóvia (com um desvio até Auschwitz, também), Frankfurt, Budapeste e Praga. Adorei e senti-me segura em todas elas (vou escrever sobre cada uma de forma particular) e tenho dificuldades em escolher uma favorita mas se me obrigassem... acho que Viena ganha o prémio!


Instagram: @carolinanelas

3 comentários:

  1. Adoro a tua forma de planeamento e organização nas publicações!
    Aguardo por mais!

    JU VIBES | @itsjuvibes ❤

    ResponderEliminar
  2. Muitas destas curiosidades aplicam-se não só ao interrail, mas também a viagens "normais". Obrigado por isso!!
    Quanto ao champô solido, onde compraste? Obrigado! :)

    ResponderEliminar