Thirteen

LIVRO | O Tatuador de Auschwitz

Por ter lido "O Tatuador de Auschwitz" durante a minha viagem por países bastante afetados pela Segunda Guerra Mundial, este foi um livro que me marcou profundamente. Apesar de ser uma leitura fluída, o tema é arrepiante e quando combinamos isso com uma visita aos locais abordados nas páginas que lemos, o peso dos parágrafos aumenta.

"O Tatuador de Auschwitz" conta-nos a história de dois prisioneiros que sobreviveram aos terrores da Alemanha Nazi e que se apaixonaram para nunca mais se afastarem um do outro. Lale, o protagonista (que certamente preferia não o ser), decidiu contar a sua história em 2003. Heather Morris entrevistou-o ao longo de três anos num processo longo e difícil de confiança e memórias negras. Segundo a autora, “este homem, o tatuador do mais infame dos campos de concentração, manteve o seu segredo seguro por acreditar, erradamente, que tinha algo a esconder” e só decidiu que o mundo merecia saber a verdade após o falecimento da sua esposa, que protegeu no campo de concentração quando ainda mal a conhecia e que continuou a proteger até ao fim dos seus dias.

"O Tatuador de Auschwitz" mostra-nos o melhor e o pior do ser humano nas condições mais terríveis e nas piores circunstâncias e marca-nos por ser fiel aos acontecimentos sem se tornar demasiado descritivo - até porque não precisamos disso para termos noção do horror que se vivia diariamente e das atrocidades que perseguiam os prisioneiros. Este é um livro para se ler num par de dias (ou nem tanto) e, mais do que um livro, é a prova de que as pessoas não são (nem podem ser) números.

É difícil distanciar o livro da minha visita a Auschwitz-Birkenau, e creio que ninguém conseguiria fazê-lo, mas não vejo este entrançado como algo negativo. Afinal, "O Tatuador de Auschwitz" é a realidade de um momento negro que durou tempo a mais e não seria correto fingir que não aconteceu - "precisamos de conhecer o nosso passado para que não cometamos os mesmos erros no futuro".

4 comentários:

  1. Quero tanto, mas tanto, ler este livro. Já ouvi imensas críticas positivas sobre ele. Espero conseguir comprar o livro no início do próximo mês *figas*

    ResponderEliminar
  2. Estou cada vez mais curiosa para ler este livro, só tenho lido coisas boas sobre ele :)

    ResponderEliminar
  3. Sabes que estou reticente em ler este livro precisamente por causa daquilo que vi nos campos de concentração durante o meu interrail? Foi uma sensação inexplicável a que lá senti. E por isso estou a adiar comprar e ler este livro.

    ResponderEliminar