Thirteen

AUSCHWITZ, POLÓNIA | 6 Dicas para Auschwitz-Birkenau

A próxima publicação dentro da temática das viagens irá (finalmente) mostrar-vos aquilo que senti e  aquilo que vi nos campos de concentração, mas hoje partilho convosco as dicas que gostava de ter recebido antes do meu InterRail - visitar Auschwitz-Birkenau é intenso e nada do que lemos ou vemos antes nos prepara verdadeiramente para o turbilhão de emoções (isso prevê-se a léguas), porém há outras coisas que devem ter em atenção.

Visitas | Sendo um local tão visitado, os bilhetes estão sempre esgotados e devem ser comprados com a maior antecedência possível. Nós sabíamos disso, mas não tínhamos horas exatas para chegar a Cracóvia e não podíamos planear uma visita de 4h ou 5h sem essa informação. A solução? Get Your Guide - a melhor forma de conseguirem bilhetes para o dia que pretendem, sem preços inflacionados, e com transporte incluído. Se a minha memória não me falha, pagámos cerca de 35€ pelo transporte (num automóvel de 6 passageiros, não em autocarro ou comboio) e pela entrada nos campos de concentração.

Duração | O transporte de Cracóvia até Auschwitz demora cerca de uma hora e, somando isso ao tempo da visita (cerca de 3h-3h30, dependendo do guia que vos acompanhar) e à duração da viagem entre Auschwitz e Birkenau - assumindo que pretendem visitar os dois campos e fazer a visita completa -, um dia é necessário para conhecer aqueles que são dois dos espaços mais negros da História. Tendo em conta a intensidade e o turbilhão de emoções, recomendo que não façam planos para o final do dia - a visita deixa-nos exaustos.

Proibições | Por razões óbvias, Auschwitz-Birkenau é um dos locais com mais regras no que diz respeito aos turistas. Não podemos fotografar todos os espaços; não podemos entrar com mochilas; não podemos entrar com comida. Tudo isto faz sentido, tendo em conta o número de visitantes que o espaço recebe todos os dias, e tudo isto é respeitado ao máximo (até porque há seguranças e guias bem atentos). 

Sol | Se visitarem os campos de concentração de Auschwitz-Birkenau no Verão, recomendo que coloquem protetor solar e que levem convosco uma garrafa de água e óculos de sol. A maior parte do percurso da visita é feito ao sol, pelo que devem ter isso em atenção.

Açúcar | Não foi o meu caso - para minha surpresa, confesso - mas há muita gente que se sente mal durante as visitas. A intensidade da visita provoca diferentes reações em diferentes pessoas, e quebras de tensão ou de açúcar são uma possibilidade em certos momentos. Levem um pacote de açúcar, rebuçados ou pastilhas elásticas açucaradas no bolso.

Almoço | Não há propriamente uma pausa para almoço entre os dois campos, mas há um pequeno intervalo que deverão aproveitar para comer algo - por muito que custe e mesmo que não vos apeteça. Não passem um dia tão intenso sem comer. Mesmo que seja pouco, façam esse esforço para que o vosso corpo consiga defender-se emocionalmente sem fraquejar. Sejam racionais.

6 comentários:

  1. Estou a fazer para que esta visita esteja nos planos de 2019. Acho absolutamente necessário visitarmos estes campos para não nos esquecermos da História e que a mesma se pode repetir (só de pensar assusta).

    ResponderEliminar
  2. Obrigada pelas dicas. É uma visita que quero mesmo fazer - acho que todos devíamos ter memória de quão horrível o ser humano consegue ser, para que a História nunca se repita.

    Jiji

    ResponderEliminar
  3. Quando tu escreveste que não se pode levar comida o que eu pensei logo foi 'e os meus mil pacotes de açúcar?' e depois vi que tu disseste para levar açúcar. É um local que eu quero muito visitar, mas sinceramente não sei se conseguiria aguentar... Obrigada pelas dicas!

    ResponderEliminar
  4. Já visitei os dois campos. É uma visita muito intensa. Estava um dia esquisito, meio sol meio nublado, mas ainda bem porque só assim me fez sentido, ainda vejo aquilo a preto e branco. Recentemente li "O tatuador de Auschwitz" e aconselho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Li esse livro um dia antes de ir aos campos de concentração, durante a viagem de comboio, e talvez por isso me tenha marcado tanto. Um que fala das coisas de forma diferente mas dolorosa é A Bailarina de Auschwitz, que recomendo também.

      Eliminar
  5. Não sei quando terei o privilégio de fazer esta viagem, mas sei que terei estas dicas em conta. Muito obrigada por fazeres posts tão interessantes e úteis como este!

    Parabéns pelo post! Beijinhos grandes,
    dreamcatcherblog2.blogspot.pt

    ResponderEliminar