Thirteen

EVENTO | "Impossível" de Luís de Matos

No Natal, apesar de ter oferecido alguns presentes físicos acompanhados por postais e palavras especiais, optei também por oferecer experiências. Cada vez mais, o meu tempo é o bem mais precioso que tenho e por isso decidi oferecer momentos que ficarão na memória.

Quem me conhece sabe que não gosto de circos, de mágicos ou de espetáculos de entretenimento desde tipo, mas quando vi bilhetes para o espetáculo do Luís de Matos no Tivoli - "Impossível" ao vivo -, sabia que tinha encontrado o presente do meu pai. Foi a desculpa perfeita para um momento entre pai e filha... E  o espetáculo surpreendeu pela positiva!

Luís de Matos é reconhecido internacionalmente e no espetáculo que antecedeu a sua digressão mundial, o mágico português testou os limites da criatividade e da ilusão com truques curtos e simples - se é que podemos chamar-lhes simples! - e convidados de honra que partilham a mesma paixão pelos desafios da magia: Yu Hojin (sul-coreano), Aaron Crow (belga) e Tá Na Manga (a dupla de portugueses).

Os truques mais impressionantes? A multiplicação das moedas (com origem num relógio de bolso) do convidado sul-coreano e o truque realizado pela Leonor, a menina de 9 anos que se encontrava na plateia e que seguiu atentamente indicações do ilusionista principal. Não posso deixar de destacar, também, o truque em que todos os mágicos participaram para agradecer os aplausos, as atuações dos Tá Na Manga (verdadeiros contadores de histórias, que eu desconhecia por completo) e o desafio colocado à plateia (que fez com que todos fôssemos mágicos por uns minutos). O favorito do meu pai? A grande entrada de Luís de Matos, no carro que apareceu e desapareceu em segundos.

Continuo a não ser fã de espetáculos de magia (e aqueles truques da levitação e do (des)aparecimento da assistente fizeram-me torcer o nariz), mas posso dizer-vos que o "Impossível" ao vivo foi divertido, transparente (dentro do possível) e muito interessante (os números foram mais puros, com poucos acessórios; houve muitos truques com cartas) - duas horas voaram, na melhor companhia, e senti que tinha acertado em cheio no presente escolhido.

1 comentário:

  1. Sou como tu: não costumo achar grande piada a essas coisas. Mas este também me despertou a curiosidade! Temos bons artistas em Portugal, e o Luís de Matos é um deles :)

    Jiji

    ResponderEliminar