Thirteen

CINEMA | The Lion King [2019]

Escrevo esta publicação com sentimentos paradoxais. Este filme marca, para mim, o fim de uma etapa muito importante, que me fez crescer e que me ensinou muito sobre o mundo, sobre os outros e sobre mim própria. "O Rei Leão", na sua versão animada, é um dos filmes da minha infância e marcou o início da etapa que, curiosamente, termina com a nova versão como pano de fundo.

Desabafos à parte, posso dizer-vos que vi o novo filme d'"O Rei Leão" no dia de estreia - uma estreia também para mim, que nunca tinha ido ao cinema no dia de lançamento - e imediatamente fiquei encantada com a tecnologia utilizada para recriar uma das histórias e imagens mais icónicas da nossa infância. A sala de cinema não estava esgotada, mas mais de metade das cadeiras estavam ocupadas por pessoal da minha idade ou ligeiramente mais velhas, ansiosas por rever o filme.

Não esperava uma cópia fiel do primeiro filme - até porque isso não faria sentido, tendo em conta que procuraram, dentro do possível, criar algo mais realista -, e por isso consegui abstrair-me de alguns detalhes. Senti falta de algumas frases, claro que sim, mas a essência d'"O Rei Leão" de 1994 está toda nesta versão de 2019. Há canções novas, há pequenas alterações em determinadas cenas e o live-action impede que alguns detalhes sejam mostrados, mas "O Rei Leão" é uma longa metragem vencedora, que não desilude e que pode ser visto seguramente pelos fãs da versão original. 

Este live-action sem humanos, que estava com receio de ver, surpreendeu pela positiva pelo rigor com que trata todos os pormenores, por ter mantido os pontos essenciais da história, por conseguir manter as expressões e o carisma das personagens que nos acompanharam nos últimos 25 anos. O Hakuna Matata cantado em uníssono rouba um sorriso a todos os presentes e as referências subtis ao filme de animação de 1994 tornam a experiência mais imersiva e emotiva. Pena que o Zazu não tenha tanto destaque como na versão original, porém, seja como for, este filme representa agora uma última memória bonita de algo que fez tanto sentido durante muito tempo.

2 comentários:

  1. Ainda não vi mas quero muito ver! O bichinho em pequeno era tão fofoooo que dá vontade de ter um em casa :D

    ResponderEliminar
  2. Já ouvi coisas boas e coisas más em relação ao filme e ainda não vi o filme. Por isso, não tenho opinião formada. No entanto, por muito infantil que isto possa soar, não sei se estou preparada para voltar a viver a morte do Mufasa. Noto também um grande apego e afecto ao filme de 1994, algo que não senti de todo relativamente aos restantes live actions que a Disney tem feito. Por um lado, há um misto de emoções que me deixa um tanto de pé atrás e, por outro, aquela curiosidade do querer saber como é e quão diferente está.
    Além disso, o ultrage! Como assim o Zazu não tem tanto destaque? Sinto-me ofendida! Onde é que a monarquia, digo, a produção cinematográfica vai parar?

    ResponderEliminar