Thirteen

SWEET CAROLINE | Por agora, assim.

Ter um transtorno ansioso-depressivo é desgastante e cansativo. E quando te esforças para ter uma vida normal - o mais normal possível aos olhos da sociedade, pelo menos - acabas por gastar uma quantidade maior de energia em cada tarefa que completas. Uma reunião de meia hora exige tanto de ti como um congresso de cinco horas costumava exigir. Um dia de trabalho assemelha-se a uma semana. Sentes que correste a maratona, que fizeste um discurso para trezentas pessoas, que as pessoas à tua volta merecem melhor. Pior: sentes que correste a maratona e não a conseguiste acabar, que fizeste um discurso para trezentas pessoas apenas em cuecas, que as pessoas à tua volta merecem melhor e que não consegues dar-lhes o necessário enquanto fores obrigada a lidar com o teu próprio organismo. Os americanos chamam-lhe "high-functioning anxiety/depression" e parece-me mesmo a melhor expressão para o definir. 

Todos os dias mantenho as minhas rotinas. Acordo cedo, levanto-me mesmo quando sinto que me passou um camião por cima, tomo banho, visto-me, trabalho, converso, escrevo, passeio, lido com pessoas e regras, mantenho o blogue atualizado, contrario a vontade de voltar para a cama ou de me fechar num quarto escuro por tempo indeterminado. Posso estar aos berros por dentro e o meu cérebro pode estar a implorar para me afastar do mundo, mas consigo aparentar apenas cansaço ou um ligeiro desconforto. Estou desesperada para sair dos meus próprios pensamentos, mas quem está do outro lado facilmente acredita que tenho uma vida bem resolvida, que sou (e estou) feliz.

Nos últimos meses tenho lido muito. Tenho dormido muito. Tenho passado muito tempo sozinha. Tenho visto muitas séries e filmes. Tenho tido vontade de desligar do mundo muitas vezes. Os lençóis, os livros e o silêncio têm sido o meu refúgio. O escuro deixou de ser assustador para passar a transmitir segurança. Afastar-me é uma escolha inconsciente, mas que permite ser conscientemente mais agradável para quem gosta de mim.

3 comentários:

  1. Mesmo que não te sintas assim, és uma super heroína. Estou aqui se precisares!

    ResponderEliminar
  2. E tudo isso só prova que és uma montanha de força. Mas nunca de esqueças de que só tu podes saber como te sentes, e o mundo não desaba se precisares de abrandar. Conselhos da treta de quem não sabe do que fala, é certo, mas não sentes que deves algo ao mundo - ao lutar, luta por ti <3 Beijo!

    ResponderEliminar
  3. Coragem rapariga. Também sinto um bocadinho do que estás a passar mas como os idosos dizem "se te entregares à cama nunca mais te levantas". Sei que pequenas coisas exigem um esforço descomunal quando não estamos bem, mas acredita que tudo irá melhorar. Por vezes parece que temos um nuvem negra a seguir os nossos passos, mal algum dia essa nuvem desaparece e o sol brilha de novo.
    Cuida de ti, tudo melhora no seu devido tempo. Beijinhos e qualquer coisa, apita ;)

    ResponderEliminar