Thirteen

QUOTIDIANO | Palavra-Chave: Perda

Não foi por acaso que me ausentei do blogue e que não publiquei fotografias nos últimos três meses. 2019 assim o exigiu, ainda que tenha sido uma decisão muito natural e sem culpas ou cobranças. Depois de muitas noites sem dormir, muitos pensamentos malignos e muitas sensações que não desejo a ninguém, enterro 2019 com a certeza de que não terei saudades e começo 2020 pronta para iniciar uma nova etapa.

O que dizer de um ano que me roubou a minha identidade e me fez questionar tudo? Não procuro palmadinhas nas costas, mas não quero guardar más recordações ou momentos tristes. 2019 foi um ano muito duro, com mais momentos baixos do que altos e, por isso, não faz sentido para mim escrever um texto repleto de floreados ou sorrisos.

2019 não foi um ano bom. Teve momentos bons, sim, pelos quais estou muito grata, mas não foi um ano bom. 2019 foi um ano péssimo, um ano que me deixou na lama e que me fez pensar em coisas que nunca imaginei. Para 2019, a palavra só poderia ser "perda". 2019 foi um ano de perdas.

Em 2019, perdi a pessoa com quem dividia conquistas e derrotas. Perdi a minha avó, que me faz tanta falta e com quem dividia rotinas de fim-de-semana e tradições tão especiais. Perdi um amigo que fez toda a diferença na forma como encarei a minha vida académica e que me ensinou que o que importa mesmo é o agora. Perdi a minha identidade e a minha vida como a conhecia. Perdi o meu tio, que nos deixou no dia do meu aniversário e que me recordou como tudo pode mudar em menos de nada. Entre uma úlcera nervosa e terapia contra uma depressão que teve o seu quê de assustadora - sobretudo porque me roubou uma relação tão bonita e algumas capacidades - os meses foram passando e eu fui caindo mais um pouco. Por isso, sim, quero enterrar os últimos doze meses num local onde não os possa ver ou recordar. Quero ter direito à felicidade e ao bem-estar que 2019 me fez perder.

Cheguei ao fundo do poço em 2019 (um poço bem mais fundo do que aqueles que outrora conheci). E ainda que não tenha expectativas para 2020, estava mais do que preparada para receber este novo ano. Começo esta nova década receosa, triste por este início não incluir pessoas tão importantes para mim, mas desta vez precisava do simbolismo que a passagem de ano acarreta.

Ainda assim, há alguns momentos de 2019 que pretendo destacar e registar: o nascimento (mais cedo do que o previsto) do pequeno Guilherme, o casamento da minha irmã e do Filipe, o batizado dos gémeos (e eu, que nunca choro nestes momentos, fiquei genuinamente emocionada), o contrato sem termo que assinei, o lançamento do e-commerce do Thirteen Studio, a viagem a Barcelona, o fim-de-semana com o Gui na zona de Óbidos/Foz do Arelho, as férias em Palma de Maiorca, a quantidade de livros que li e os concertos das Anavitória, do Ed Sheeran e do David Fonseca.

Em retrospetiva, 2019 ensinou-me que preciso de me focar em mim mais vezes, de estar atenta aos sinais do meu corpo. Ensinou-me que as pessoas têm o direito de se afastarem e que, no final, cada um sabe de si, mas que vale a pena lutar até as forças nos faltarem. 2019 mostrou-me que a família é o bem mais precioso que tenho e que ninguém me ama (ou sofre comigo) mais do que os meus pais. 2019 mostrou-me que toda a gente tem uma opinião sobre tudo, mas que são poucos aqueles que têm sensibilidade suficiente para lidar com uma doença mental. 2019 provou-me que não preciso de muitos amigos, desde que sejam os certos, e que a distância ou o tempo são meros fatores que em nada definem uma amizade (ou qualquer outra relação). Não espero nada para 2020, mas espero que 2019 fique onde merece ficar - no passado.

8 comentários:

  1. Tenho pena que 2019 tenha sido um ano de perdas. A tua avó pelo pouco que conheci era uma mulher incrível e vai estar a olhar por ti. Que 2020 seja um novo re(começo) e fico muito feliz que tenhas voltado ao blog porque penso que tal como para mim é como uma terapia.
    Já sofri com uma enorme depressão e algo que aprendi é que sim, rouba-nos o chão mas depois de superada torna-nos ainda melhores pessoas e embora no momento não o vejamos acaba por nos ensinar muito...
    Algo que também foi do melhor do meu ano foi o concerto do Ed.
    Um beijinho enorme e que 2020 seja melhor. Muita força ✨

    http://arrblogs.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  2. Já te disse isto anteriormente, no instagram creio, mas volto a dizer: és uma Mulher cheia de coragem por falares abertamente, e no teu próprio tempo, sobre a doença mental. Muita gente não está desperta para a prevalência elevadíssima da doença mental e acha que são só "doidos" ou que "logo lhe passa, está a fazer uma birra". E respeitares-te ao ponto de conseguires discernir qual é a altura certa para falar e partilhar é o mais importante! 2020 vai ser bom para ti, vais ver... Confia que as coisas podem melhorar e eventualmente elas melhoram.
    Um grande beijinho, cheio de força aí para esse lado!

    ResponderEliminar
  3. Carolina, que tudo que foi feio e ruim em 2019 fique no passado e estejas livre e pronta pra seguir nesse novo livro da vida,2020! Que seja lindo ,feliz e saudável! bjs, chica

    ResponderEliminar
  4. Que 2020 te livre desse peso que 2019 trouxe - mereces mesmo essa felicidade. Um bom ano, Carolina! É bom ler-te de novo <3

    ResponderEliminar
  5. De mão dada, sempre, Carol. Já sabes 🖤

    ResponderEliminar
  6. Querida Carolina, gostaria de te dizer que não há ninguém no mundo que mereça o sofrimento mas infelizmente ele existe. Tenho a certeza que te tornarás numa mulher (ainda mais) forte com tudo aquilo por que passaste nos últimos meses. Espero, do fundo de coração, que 2020 te surpreenda pelo lado positivo! ✨

    Um beijinho.

    https://blogomundodefrancisca.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  7. Envio-te um abraço cheio de força e motivação para 2020! Gostava de ter sido uma amiga mais presente mas dei o meu melhor para a distância não se notar. 2020 vai ser melhor, TEM de ser melhor! <3

    ResponderEliminar
  8. Um abraço gigante e aperrtado, Carol. Estou aqui para o que precisares!

    (da próxima vez que vieres a Lisboa, apita! A ver se é este ano que nos abraçamos, finalmente! <3)

    ResponderEliminar