Thirteen

CINEMA | Captain Fantastic [2016]

O primeiro filme do nosso "100 Great Movies Challenge" foi este: "Captain Fantastic". Apresentado no Festival de Cannes em 2016, conta-nos a história de um casal que decidiu isolar-se da vida urbana e começar uma nova etapa no meio do mato, onde optaram por criar os seus seis filhos (todos menores de idade e, curiosamente, todos com nomes inventados).

Disciplinas como Direito, Economia, Sociologia, Literatura, Matemática e Filosofia fazem parte do dia-a-dia dos miúdos, mas a sua educação inclui uma outra componente: técnicas de sobrevivência na selva (e isto implica treino com armas e treino físico). Contudo, apesar de se mostrarem preparados para sobreviver em qualquer ambiente, as crianças não têm quaisquer capacidades de socialização.  

Quando a mãe é internada num hospital próximo, Ben (o pai) assume as rédeas da situação e, quando recebe a notícia do falecimento da esposa, a situação da família fica abalada. A tragédia acaba por levar a uma roadtrip e, por consequência, obriga a família a deixar a floresta por um período de tempo - está em causa o funeral da mãe, o momento de despedida e a vontade de cumprir os seus desejos. É aqui que percebemos porque é que "Captain Fantastic" está classificado como comédia (antes disso, a palavra "drama" fazia muito mais sentido!).

Com alma de filme independente e com a qualidade das grandes equipas de produção, "Captain Fantastic" nada tem a ver com super-heróis e apresenta-se como uma bela forma de iniciar este desafio cinematográfico. Os momentos dramáticos e as situações cómicas estão bem equilibrados, a banda sonora é fantástica (e a versão de "Sweet Child O'Mine" integra um momento musical maravilhoso, que combina com o filme na perfeição) e o elenco não podia ter sido melhor escolhido - acredito, até, que o filme não funcionaria tão bem se tivessem sido outros atores a desempenhar estes papéis.

Entre algumas asneiras, a necessidade de estar em situações sociais para as quais os miúdos não estão preparados, as reflexões que promove e os valores acentuados daquilo que uma família deveria representar sempre, há espaço para a família mais alargada (que não aceita o modo de vida escolhido pelo casal), uma fotografia encantadora e uma viagem num autocarro escolar transformado. Este não é um filme sobre uma comunidade revoltada; é um filme sobre amor, aceitação e mudanças de opinião (em todos os sentidos). Numa longa metragem onde não há espaço para o ódio, "Captain Fantastic" surpreende e faz-nos rir enquanto nos leva a refletir sobre o capitalismo, a vida urbana e o minimalismo.

1 comentário: