Thirteen

1+3 | Pós-Pandemia

Muito se tem falado na crise económica que esta pandemia vai trazer - e é importante antecipá-la e encontrar soluções para ela -, mas acredito que haverá, também, uma crise social justificada pelo impacto da pandemia na saúde mental da população. Enquanto privilegiada que sou - porque só tenho de ficar em casa enquanto outras pessoas precisam de sair, de correr riscos e de continuar a viver como se o mundo não tivesse parado - é o futuro que me preocupa.

Os dias que vivemos são propícios a reflexões e silêncios, e tudo o que sentimos entre quatro paredes atinge um novo patamar. Se, até agora, eu só não sabia como curar um coração partido - embora fosse colando os pedaços com fotografias bonitas, livros variados, algumas compras e novos desafios - agora sei que o resultado deste isolamento poderá simbolizar, para muita gente, a sua destruição.

Espero, genuinamente, que isto passe mais rápido do que estimamos, que as pessoas possam voltar a tomar café com os amigos nas esplanadas, a dançar em discotecas, a celebrar em estádios e a beijar intensamente. Espero, de coração, que os abraços substituam as mensagens e as video-chamadas das últimas semanas, e que os arco-íris se mantenham nas janelas. Porém, milhares (milhões?) de pessoas lidam com sentimentos menos positivos e, no meio de tantas celebrações, é importante manter o espírito de solidariedade e entreajuda.

Quando tudo isto passar, eu vou continuar a regressar a um apartamento vazio, sem perspetivas de o voltar a encher com conversas a dois. E isso dói mais do que qualquer proibição temporária - essa falta de futuro impede-me de olhar para o período pós-pandemia com espírito de rejuvenescimento. Aquele abraço não vai lá estar. O jantar em casa da avó não vai lá estar. A divisão de chocolates e as idas ao parque com os mais pequeninos não vão lá estar. Com ou sem vírus, com ou sem pandemia, essas pessoas não vão lá estar. Nem todos somos sortudos da mesma forma (mesmo quando temos muita sorte). Tenhamos sensibilidade para percebê-lo.

Sem comentários:

Publicar um comentário