Thirteen

DESAFIO | Estante-Cápsula

Quando a Andreia, do "As Gavetas da Minha Casa Encantada", me desafiou a escrever para abraçar um desafio relacionado com o Dia Mundial do Livro e dos Direitos de Autor, imediatamente comecei a fazer uma seleção mental dos autores e livros que queria referir. O desafio era simples à primeira vista: apresentar a minha estante-cápsula, onde só poderiam constar quatro autores e três livros.

O dia 23 de abril chegou, o dia-a-dia complicou-se e eu não consegui fazer a publicação como gostaria. No entanto, achei que este conteúdo poderia enquadrar-se em qualquer outro dia e que celebrar o nosso gosto pela leitura é sempre uma boa desculpa.

A verdade é que não sou pessoa de acumular livros. Guardo alguns, normalmente aqueles que chegam em forma de presente ou que têm um impacto significativo na minha vida e na minha forma de pensar sobre um determinado tema, mas não tenho uma estante de livros com dezenas de títulos que nunca vou reler. Para mim, deixar os livros morrer numa estante é triste e inútil, pelo que opto por oferecê-los, emprestá-los e vendê-los. Ainda assim, os três livros que neste momento guardo com o maior carinho são: 

1) Milk&Honey, uma leitura muito recente que não esperava que tivesse tanto significado para mim, apesar de estar ciente de que seria presenteada com mensagens bastante fortes e importantes. Rupi Kaur conseguiu abordar um tema difícil e, mesmo assim, oferecer-nos o alento para enfrentar as adversidades ou a tristeza que por vezes nos invade. 

2) "Good Night Stories for Rebel Girls", com contos pequeninos e fáceis de ler. Em resumo, é perfeito para os miúdos da casa pela sua simplicidade e é ideal para todos os adultos que precisam de um empurrão para alcançarem um objetivo. Este é um daqueles livros que vou guardar com carinho e partilhar com os filhos e os netos se um dia eles existirem (e, garantidamente, com a pequena Margarida!). Com citações maravilhosas a acompanhar cada conto, este livro é um nítido vencedor. 

3) "Comer, Orar, Amar", onde o tema da saúde mental é abordado de forma marcante. Não é recente nem desconhecido - até porque a adaptação para cinema foi um sucesso - mas o livro chegou-me às mãos por acidente numa das piores fases da minha (ainda curta) vida e, para minha surpresa, reconfortou-me de início ao fim. Não fazia sentido não o incluir nesta lista.

No que diz respeito aos autores, a conversa é outra. Não li, ainda, várias obras do mesmo autor, salvo raras exceções, pelo que acredito que seja precipitado selecionar autores sem explorar outros livros da sua autoria. Ainda assim, neste momento, a minha seleção seria relativamente simples: Afonso Cruz, Chimamanda Adichie e Rupi Kaur. Por último, e uma vez que sou apologista de oferecer, trocar e vender livros, deixaria um lutar rotativo - a minha forma de ultrapassar a limitação deste desafio sem acumular livros na estante.


2 comentários:

  1. Também acredito que a Estante Cápsula não tem que ficar limitada à data em si e fico mesmo feliz por fazeres parte deste desafio. Muito obrigada *-*
    Entendo o teu ponto de vista em relação a manter os livros parados na estante. Mas acho que guardá-los é uma forma de homenagearmos os autores que nos inspiram [mas também sou apologista de os passarmos, quase como um testemunho, a pessoas que façam sentido]. Além disso, como gosto sempre de reler alguns exemplares, é bom tê-los por perto.
    Quero imenso ler Milk and Honey e aventurar-me em Chimamanda Adichie. Afonso Cruz tem mesmo um lugar no meu coração.
    Adorei a ideia do lugar rotativo :)

    ResponderEliminar
  2. Quero muito ter o primeiro livro na minha estante <3.
    Beijinhos
    Blog: Life of Cherry

    ResponderEliminar